terça-feira, 31 de janeiro de 2017

China irá converter o seu excedente de milho em bioplástico

A China supostamente espera aliviar seu excesso de oferta de milho, em parte, convertendo-o em bioplásticos. A Reuters relata que o bureau de grãos da China emitiu no final do mês passado informações a cerca de uma política de cinco anos chinesa que pede mais utilizações não alimentares dos excedentes de milho. O plano - que não foi fornecido muitos detalhes - inclui o uso de mais milho na alimentação animal e aumento da produção de etanol, mas também dar um impulso no país no  nascente setor polilactida. O polilactido, ou PLA, pode ser feito a partir de amido de milho e é utilizado para produzir produtos de bioplástico tais como sacolas e outros materiais.
Jilin, uma importante província produtora de milho no nordeste da China, ofereceu incentivos financeiros a oito empresas para fazer bioplástico nos últimos anos e proibiu o uso de sacos plásticos convencionais em 2014.
Observadores sugerem que tais restrições seriam necessárias para uma ampla aceitação de sacolas baseadas em PLA, que são duas vezes mais caros que os sacos de plástico normais. Se uma proibição de sacolas de plástico fosse implementada em toda a China, o mercado interno de PLA poderia chegar a 3 milhões de toneladas métricas anualmente, disse à Reuters um funcionário do processador de alimentos estatal Cofco. Embora o aumento da produção chinesa de PLA poderia beneficiar a empresa de Biomaterial Changchun Shengda e outras empresas que recebem incentivos do governo em Jilin, isso poderia perturbar o mercado global de PLA.
O movimento também poderia afetar os preços do milho em todo o mundo, que permaneceram baixos em meio a um excesso de oferta global. A China era muito avessa ao uso de culturas alimentares para usos não alimentares, mas a Reuters observou que as compras governamentais de milho na última década levaram a um estoque estimado de mais de 200 milhões de toneladas métricas - grande parte não apta para consumo humano. Espera-se que o mercado global de plásticos renováveis cresça dramaticamente nos próximos anos, mas os críticos sugerem que converter o excesso de milho da China em bioplástico levaria muito tempo e dinheiro – e não seria suficiente para as necessidades do país.


segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Cientistas fazem bioplástico de folhas do Pinheiro

A era dos plásticos renováveis ​​parece estar cada vez mais se cristalizando. Cientistas da Universidade de Bath, desenvolveram um processo para a fabricação de plástico renovável a partir de um produto químico chamado pineno encontrado na folhas do pinheiro.O avanço é considerado significativo para os cientistas que estão ligados ao Centro de Tecnologias Químicas Sustentáveis ​​(CSCT) que procuram substituir os plásticos atuais feitos a partir de petróleo que é insustentável. A pesquisa está em uma fase inicial e eles fizeram alguns gramas, mas a esperança está em aumentar as quantidades.
"Nós não estamos falando sobre transformar árvores de Natal antigas em plásticos, mas sim usando resíduos de uma indústria que de outra forma seria jogado fora, e transformá-lo em algo útil", explicou Helena Quilter, pesquisadora do Centro de Tecnologias Químicas Sustentáveis. Os resultados da pesquisa foram publicados na revista Polymer Chemistry.

Substituição viável

Plásticos degradáveis, feitos de ácido polilático (PLA) derivado de milho e cana-de-açúcar ganha flexibilidade pela mistura com um polímero chamado caprolactona, que se origina do petróleo bruto. No entanto, isso não é sustentável. No novo cenário,o pineno é transformado em um polímero de borracha e pode substituir o caprolactona e emergir como uma alternativa eco-friendly para petroquímicos. Combinando o polímero pineno com PLA, 100 por cento de plástico sustentável que é utilizável em embalagens de alimentos e sacolas de plástico pode ser criado.

Foco em outras fontes sustentáveis

A melhor parte do projeto é o esforço em fazer plástico de fontes sustentáveis ​​em uma grande diferença para a conservação do meio ambiente. "Isso reduz a nossa dependência de combustíveis fósseis e fornece uma matéria-prima renovável que tem o potencial de revolucionar a indústria química", observou o professor Matthew Davidson, que é o diretor do CSCT. Os pesquisadores da Universidade de Bath estão esperando uma ampla gama de aplicações para o plástico renovável, incluindo implantes médicos. Segundo eles, os esforços são para produzir outros terpenos, incluindo limoneno de laranja para substituir petroquímicos em muitos produtos como plásticos e produtos farmacêuticos.


domingo, 29 de janeiro de 2017

Embalagem feita de plástico biodegradável à base de algas

A estudante de design Austeja Platukyte, projetou uma gama de embalagens  utilizando um material feito a partir de algas, que podem substituir as formas não-biodegradáveis de  plástico. Platukyte utilizou apenas dois ingredientes: o agar, o qual é derivado de algas, e carbonato de cálcio, que é impregnado com cera emulsionante. O material é forte o suficiente para proteger os produtos, mas continua a ser leve e também é à prova d'água. Após a sua utilização, pode ser compostado, ou usado como um fertilizante para ajudar a manter a umidade do solo.
A embalagem também pode ser descartada e deixada para degradação natural. Para provar a biodegradabilidade do material, o designer enterrou a embalagem no início do ano e vem monitorando regularmente sua decomposição gradual.
Outros designers recentemente exploraram o uso de materiais à base de algas em tudo, desde  móveis  a  corantes têxteis. "A embalagem é o resultado de uma prática experimental que visava encontrar um substituto para o plástico sintético utilizando apenas os recursos naturais que mais tarde pode formar um novo ciclo na natureza", disse Platukyte , que se formou na Academia de arte de Vilnius no Curso de designe este ano.
"Eu tinha testado uma série de materiais naturais, bem como suas misturas antes de encontrar a solução mais adequada."A designer usou o material para formar uma linha experimental de embalagens em forma de tigela, que incluía tampas de madeira compensada que foram anexadas a recipientes usando faixas de borracha natural.
Ela mostrou isso como parte de seu projeto final para mostrar como a embalagem poderia ser usada para uma variedade de produtos ou substâncias diferentes. Platukyte também salvou todos os resíduos criados durante o processo de design e planeja incorporá-los em futuros projetos. "Ao trabalhar na minha tese final, tenho seguido a filosofia de desperdício zero e procurei lançar luz sobre um problema cada vez mais prevalente de poluição ambiental, bem como reduzir seu impacto através dos processos e produtos alternativos que eu crio", disse ela.


sábado, 28 de janeiro de 2017

Beneform, biopolímero funcional para aplicação em plásticos flexíveis, rígidos e semi-rígidos.

A Ingredion é uma empresa global líder em soluções em ingredientes de origem natural. Com clientes em mais de 100 países, atende mais de 60 diferentes setores da indústria, como alimentos, bebidas, papel, nutrição animal, farmacêutico, higiene pessoal, entre outros.
Com expertise em áreas como transformação de texturas, redução de açúcar e gordura, melhoria de sabor e perfil nutricional de alimentos, o seu objetivo é contribuir com soluções inovadoras para ajudar a encontrar um equilíbrio entre custo, agilidade, inovação e delícias culinárias, permitindo acelerar o sucesso de seus clientes e atender as necessidades dos consumidores.
Produz também Biopolímeros funcionais, de fontes renováveis que permitem o desenvolvimento de um produto mais sustentável e versátil. Focada e comprometida em entregar inovação sustentável, Ingredion desenvolveu a plataforma de produtos BENEFORM®, biopolímeros funcionais para aplicação em plásticos flexíveis, rigídos e semi-rígidos.
O BENEFORM® aumenta a sustentabilidade dos produtos plásticos. Feito de amido de milho ou de mandioca pode substituir de 30-50% de resinas à base de petróleo sem reduzir a força dos produtos ou adicionar etapas de fabricação. Reduz custos, melhore a qualidade e reduz a pegada de carbono.
Disponíveis nas seguintes versões:

BENEFORM ™ 1000
- Melhor para injeção e moldagem por sopro
- Substitui até 40% das resinas convencionais
- Aumento da energia de superfície e propriedades de fluxo livre

BENEFORM ™ 2000
- Melhor para filmes e revestimentos soprados
- Excelente resistência à tração e à ruptura de filmes
- Substitui até 40% PBAT e PLA
- Melhora o processamento e melhora o fluxo de fusão
-Cor e clareza aprimoradas

BENEFORM ™ 4000 TPS
- Melhor para filme soprado, moldagem por injeção, folha e bandeja
-Pronto para usar - não é necessária pré-composição
-Compatível com a maioria dos anti-blocos e agentes de fluxo
- Compatível com a maioria das poliolefinas sintéticas e qualidades compostáveis 
   
BENEFORM ™ 5000 TPS
- Melhor para filme soprado e moldagem por injeção
- Pronto para usar - não é necessária pré-composição
- Aumento da energia de superfície e propriedades de fluxo livre
- Compatível com a maioria dos graus sintéticos de poliolefina


sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Empresa desenvolveu uma nova tecnologia com uma boa relação custo-benefício para produzir bioplásticos de alta qualidade

A Sulzer desenvolveu uma nova tecnologia e com uma boa relação custo-benefício para produzir bioplásticos de alta qualidade baseados em matérias-primas renováveis. A tecnologia foi desenvolvida em cooperação com um parceiro estratégico.
Os bioplásticos feitos a partir de matérias primas renováveis ​​têm um elevado potencial de mercado. Segundo estimativas, a produção deverá ser maior do que 1,5 milhão de toneladas por ano em 2020. Eles constituem uma alternativa sustentável aos convencionais plásticos derivados de petróleo. Para sucesso a longo prazo no setor, é importante encontrar maneiras de criar bioplásticos mais resistentes ao calor e torná-los mais competitivos em preço.
A Sulzer, em cooperação com um parceiro estratégico, tem desenvolvido uma nova tecnologia de polimerização de baixo custo para produzir bioplásticos de alta qualidade.
Principais características da tecnologia de polimerização
- A matéria-prima é o lactido, que é produzido através da fermentação do açúcar.
- Com a sua estabilidade térmica significativamente melhorada, o novo produto resiste a temperaturas de até 200ºC.
- O produto é utilizável em muitas aplicações, como copos e materiais de embalagem.

Usinas piloto e de demonstração de bioplásticos

A Sulzer opera uma usina piloto interna para a produção de amostras e continua realizando pesquisas para aperfeiçoamento da tecnologia. Uma planta de demonstração com capacidade para 1.000  toneladas por ano permite aos clientes a realização de testes e fecha a lacuna entre a escala laboratorial e a escala industrial. A primeira usina semi-industrial foi instalada em uma planta de cliente na Holanda no início de 2011.


Fonte: http://www.sulzer.com/

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Bioplásticos uma parte importante do roteiro da União Européia para a estratégia sobre plásticos numa economia circular

A representação da indústria de bioplásticos ao longo de toda a cadeia de valor na Europa é uma parceira perfeita com o roteiro da UE para uma Estratégia sobre Plásticos em uma Economia Circular publicado recentemente pela Comissão Européia. "Uma Estratégia da UE para os Plásticos é necessária para impulsionar a mudança contínua na indústria de plásticos para uma economia inovadora, sustentável e eficiente em termos de recursos", disse François de Bie, presidente da European Bioplastics.
"A ambiciosa abordagem da economia circular da Comissão Européia torna-se evidente nos últimos tempos. Alternativas às matérias-primas fósseis, como a biomassa ou o CO2, serão tidas em conta para o fabrico de plásticos. Além disso, diversas opções de descarte serão avaliadas. A utilização das propriedades de biodegradação dos bioplásticos ajudará a desviar os resíduos orgânicos dos aterros e ajudará a reduzir o vazamento de plástico no ambiente ", reconhece Bie.
A EUBP congratula-se com a prioridade que a Comissão deu para avaliar a forma de descarbonizar a indústria do plástico. Substituir uma proporção significativa da matéria-prima fóssil convencional por alternativas baseadas em plantas ou baseadas em resíduos reduziria as emissões de GEE.
As medidas de empurrar e puxar o mercado pode impulsionar esta transição, tal como um nível de concorrência no que diz respeito ao acesso a matérias-primas bio baseadas na UE. Esta abordagem deve basear-se em critérios inteligentes de sustentabilidade, a fim de garantir um abastecimento responsável e a segurança alimentar.
Os plásticos biodegradáveis ​​geram muito interesse e expectativas diversas. Como a Estratégia de Plásticos seguirá o pensamento circular como seu princípio orientador, é importante também olhar para esses materiais de um ponto de vista circular.
Atualmente, os produtos biodegradáveis ​​são projetados e destinados à reciclagem orgânica em instalações industriais de compostagem, onde a biodegradação cria produtos secundários, como fertilizantes orgânicos, combinando o uso eficiente dos recursos, a criação de valor e o crescimento econômico. A reciclagem orgânica está colocando a biodegradabilidade em uso circular. A investigação sobre a biodegradação em ambientes alternativos e a avaliação dos benefícios potenciais resultantes é outro caminho que deve ser continuamente perseguido.
Infelizmente, o roteiro refere-se a plásticos biodegradáveis ​​apenas sob o aspecto de "descarte de plástico no ambiente". Isso não é suficiente para explicar o potencial circular total que esses materiais oferecem. A European Bioplastics insta, por conseguinte, a Comissão Europeia e todas as partes interessadas que participam nas discussões futuras a considerar a reciclagem como reciclagem mecânica e orgânica e a contemplar neste contexto os correspondentes materiais plásticos.
A European Bioplastics espera compartilhar mais informações sobre padrões, certificações e rótulos disponíveis para os produtos de sua indústria e os benefícios que eles oferecem em uma economia circular.

Fonte: https://www.eureporter.co

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Designer holandesa cria cadeira totalmente biodegradável de linho e PLA

A cadeira de Linho de Christien Meindertsma  ganhou dois Prêmios de Design na Holanda por seu uso inovador da fibra de linho. O mobiliário é feito de fibras longas e curtas de linho combinado com PLA - um ácido polilático biodegradável feito a partir de cana de açúcar ou amido de milho. Ambos os materiais são totalmente biodegradáveis.
O assento raso da cadeira é feito de um único painel, cortado de uma parte do composto. O material restante é dividido e dobrado para formar as pernas dianteira e traseira em forma de V.  Este método significa que não há sobra de composto ou desperdício. Meindertsma passou vários anos pesquisando as possibilidades do linho, mesmo investindo na cultura de uma fazenda de linho para entender melhor o cultivo e processamento da planta.
"O que eu gosto do linho é que é um material precioso que foi tradicionalmente usado para o tecido de alta qualidade, mas também o fato de que a planta cresce muito bem em nosso clima", disse a designer holandesa. "Há uma boa razão para trabalhar com a planta, porque precisa de muito pouco para crescer." Meinderstma - cujo interesse em materiais inusitados o levou a conceber um livro que documenta os muitos produtos feitos a partir de suínos - está atualmente explorando como o linho poderia ser usado para fazer outros móveis, incluindo mesas. Ela também está trabalhando em adicionar novas cores para o projeto de cadeira existente.
A cadeira Flax ganhou na categoria de produtos inovadores, e também foi o destinatário do Prêmio Futuro - dado ao projeto mais promissor para o futuro. Os prêmios foram entregues em 29 de outubro de 2016, durante Dutch Design Week .. "Devemos criar produtos que podem ser parte de um sistema circular e são projetados considerando o material que entra no produto e o que ele deixa para trás depois de usar". Finalizou Meindertsma


terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Estudante de designer usa algas para criar garrafas de água biodegradáveis

O estudante de design de produtos Ari Jónsson combinou pó de algas vermelhas com água para criar uma garrafa biodegradável. Jónsson - que estuda na Academia de Artes da Islândia - exibiu o projeto de design   no ano passado em Reykjavik .Depois de ler sobre a quantidade de resíduos de plástico produzidos todos os dias, o designer sentiu uma necessidade "urgente" para desenvolver um material de substituição.
"Eu li que 50 por cento do plástico é usado uma vez e depois jogado fora, então eu sinto que há uma necessidade urgente de encontrar formas de substituir parte da quantidade de plástico que fabricamos, usamos e jogamos fora todos os dias", disse Jónsson. "Por que estamos usando materiais que levam centenas de anos para degradar na natureza para beber uma vez e depois jogar fora?"
Ele começou a estudar os pontos fortes e fracos de diferentes materiais para determinar o que poderia ser adequado para uso como uma garrafa de água. Eventualmente ele se deparou com uma forma em pó de ágar, uma substância feita a partir de algas.
Quando o pó de ágar é adicionado à água, ele forma um material tipo gelatina. Depois de experimentar para encontrar as proporções corretas, Jónsson lentamente aqueceu a substância antes de despejá-lo em um molde em forma de garrafa que tinha sido mantido no congelador.
Girou então o molde quando submergido em um balde da água gelada, até que o líquido no interior tenha tomado a forma da garrafa. Em seguida, colocou-se num frigorífico durante alguns minutos antes de extrair a garrafa de ágar do molde. Desde que a garrafa esteja cheia da água, manterá sua forma, mas assim que ficar vazia - começará a decompor. "Se falhar, ou se o fundo for muito fino ou tiver um buraco nele, eu posso apenas reaquecê-lo e derramá-lo no molde novamente", disse Jónsson.
Como a garrafa é feita a partir de 100 por cento de materiais naturais, a água armazenada no seu interior é seguro para beber - embora Jonson notasse que depois de um tempo ela pode extrair uma pequena quantidade de sabor da garrafa. Ele mesmo sugeriu que, se o usuário gosta do sabor, eles podem comer a garrafa quando tiver terminado de beber.
Os designers estão cada vez mais experimentando algas e outras formas de  produtos naturais. Algas foram recentemente utilizados como revestimentos arquitetônicos e para criar abajures. As algas também foram utilizadas como uma fonte de energia para edifícios.



segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Empresa de designer projeta óculos de sol que são biodegradáveis

A série de óculos - chamada Coleção 1 - foi desenvolvida pelo estúdio de Berlim como um exemplo de como gerenciar o ciclo de vida dos produtos de moda, especialmente depois que eles saem de moda ou são descartados. Os óculos são feitos a partir de um bioplástico que vai biodegradar quando descartado, mas que é forte o suficiente para o dia-a-dia.
Fundada pela designer de produtos Vlasta Kubušová e pela designer de moda Verena Michels, que se conheceram quando estudavam na Universidade de Berlim, a Creating Plastics pretende substituir objetos de estilo de vida por versões biodegradáveis.
Os óculos de sol são uma das suas primeiras gamas de produtos, e 10 protótipos foram exibidos na Galeria Rossana Orlandi  durante a semana de design do ano passado em Milão.Todos os 10 modelos foram feitos a partir de diferentes variedades de bioplástico, embora as designers dizem que a tecnologia plástica não desenvolveu o suficiente para ser capaz de criar lentes ainda. "Nossa busca é estar no controle total da vida útil do produto, desde sua origem - na forma de material não refinado - até o produto final, até sua inevitável deterioração", disse Kubušová.
A base do material usado para os óculos de sol é o ácido polilático - uma forma de plástico poliéster que pode ser moldado quando aquecido, e que é produzido a partir de diferentes substâncias vegetais, como o amido de milho, mandioca ou cana-de-açúcar.
O estúdio trabalhou com cientistas para desenvolver um processo que envolve a adição de polímeros biodegradáveis ​​para produzir efeitos diferentes quando o plástico esfria. Este processo está aguardando uma patente.
"A base de nosso material é um biopolímero comum de ácido polilático (PLA), que pode ser produzido a partir de diferentes substratos, como amido de milho, açúcar de beterraba, etc", afirmou a Kubušová. "Nós preferimos simplesmente falar sobre recursos renováveis, pois a fonte específica é uma variável que ainda está em desenvolvimento." "Trabalhamos em colaboração direta com pesquisadores que desenvolvem o material para podermos jogar com ele, testar diferentes misturas e suas propriedades específicas, tecnologias e cores", acrescentou a co-fundadora do estúdio, Vlasta Kubušová. "Nós basicamente começamos a projetar no laboratório."
O plástico é endurecido acelerando artificialmente seu processo de resfriamento, em um processo chamado transição vítrea. À medida que o material se solidifica, a formação de cristais provoca vários níveis de translucidez e texturas borbulhantes. Para criar os 10 protótipos de óculos de sol, o estúdio produziu 10 amostras de plástico diferentes e, em seguida, foram cortados a laser os quadros de cada peça individualmente. A cor foi adicionada a alguns dos testes utilizando pigmentos biodegradáveis ​​e corante alimentar natural, resultando em detalhes acentuados ou um efeito marmoreado.
Alguns dos óculos de sol apresentam tiras de azul e amarelo, enquanto outros têm cristais circundando as lentes. Um par é formado a partir de duas amostras de plástico diferentes, de modo que a estrutura é diferente na borda. 
"As propriedades específicas do nosso bioplástico tornar-o decomponível e, portanto, ecológico, mas ainda durável o suficiente para substituir plásticos sintéticos em muitos casos", disse Kubušová. Vários designers estão investigando alternativas aos plásticos tradicionais à medida que crescem as preocupações sobre o impacto do material no meio ambiente. 

Fonte: http://www.craftingplastics.com/

domingo, 22 de janeiro de 2017

Desenvolvido um novo aditivo para bioplástico PLA

A Floreon, desenvolveu um composto bioplástico de alto desempenho que adicionado ao PLA pode torná-lo menos frágil e quatro vezes mais duro, abrindo novas possibilidades de aplicação. Andrew Gill , diretor técnico da Floreon, comentou: "Estamos tentando colocar este aditivo de bioplástico no mercado para aplicações de embalagens rígidas e ainda mais para linha de aplicações duráveis também. Temos tentado comercializar a tecnologia em várias aplicações, embalagens rígidas, pulverizadores, garrafas de água, etc. "O composto é o resultado de quatro anos de pesquisa e desenvolvimento e uma parceria de transferência de conhecimento com a Universidade de Sheffield. Outro fator chave de sucesso no desenvolvimento do aditivo, foi a parceria com a empresa de engenharia do Reino Unido R & D Leverage, que ajudou com testes de materiais para determinar o processamento ótimo e as mais adequadas aplicações" afirmou Gil,. "Nós descobrimos que a resina Floreon forneceu uma grande janela de processo, com grandes resultados em termos de distribuição de material otimizado, com produtos consistentes produzidos a partir de 3 mm a 8 mm de espessura pré-formas ", disse o gerente técnico Steve Gough . Até agora, a Floreon produziu cerca de 227 t do material e está registrando patentes em todo o mundo para cobrir sua formulação original. As patentes estão pendentes nos EUA e no Japão.


sábado, 21 de janeiro de 2017

México: bioplástico obtido a partir de sementes de abacate

Em novembro de 2012, o jovem empreendedor Scott Munguía criou a empresa Biofase após a concepção bem-sucedida de um biopolímero para diferentes usos obtidos a partir de sementes de abacate. Em 2016, a produção média mensal do produto era de 500 toneladas, com algumas destinadas ao mercado centro-americano.
A planta de produção está localizada em Morelia, Michoacan, e tem uma área de 3.000 metros quadrados. É a maior da América Latina e a única do mundo a usar sementes de abacate para produzir resinas biodegradáveis. Sua construção envolveu um investimento de 16,5 milhões de pesos tanto do governo federal quanto de investidores privados. O desenvolvimento do engenheiro químico Scott Munguía, graduado pelo Instituto de Tecnologia e Ensino Superior de Monterrey, é um composto que se desintegra em 240 dias, ao contrário daqueles feitos com poliestireno, que levam milhares de anos. O México é o maior produtor de abacate do mundo, com mais de um milhão de toneladas por ano, das quais 30.700 toneladas são descartadas. Ao saber sobre esse número levou à idéia de desenvolver o biopolímero. Scott Munguia explica que "eu achei que por ser uma quantidade impressionante de resíduos, eu teria que fazer algo com essas sementes, então comecei a estudar suas propriedades."
Através de um processo patenteado, a semente de abacate sofre uma modificação química com a ajuda de um agente plastificante; Isto é como se torna um termoplástico, e dependendo do uso que você quer dar, ele pode ser misturado com outros elementos para gerar a resina termoplástica.
O processo de produção do biopolímero, que não gera resíduos perigosos, foi patenteado no México. O desenvolvimento do projeto contou com a participação de especialistas do Instituto de Tecnologia de Monterrey e de outros centros de pesquisa. O produto final é uma resina termoplástica que se degrada em menos de um ano e tem uma vida útil de perto de quatro. Ele pode ser usado para fabricar uma ampla gama de produtos, desde sacolas finas até peças rígidas, como recipientes ou utensílios de cozinha.
Esta descoberta, única no mundo, é protegida por uma patente mexicana e uma patente internacional está a caminho. Já recebeu vários prêmios, entre eles o Prêmio Innovators under 35 do MIT Technology Review, o Prêmio de Inovação Tecnológica do Cleantech Challenge México, o Prêmio Santander para Inovação Empresarial e o Prêmio Banamex de Empresas Sustentáveis ​​pelo seu impacto social, econômico e ambiental.
A empresa Biofase tem três linhas de negócio: uma delas é a produção de resina termoplástica na forma de pelotas para a fabricação de produtos bioplásticos; a  segunda gera produtos finais deste material, tais como talheres, sacolas, embalagens e outros; A terceira se concentra em projetos específicos baseados na própria tecnologia da empresa visando atender às necessidades dos clientes.
Embora o preço do bioplástico seja quase o dobro em relação aos plásticos convencionais derivados do petróleo, a tecnologia da Biofase pode reduzir o custo final em até um quarto, de acordo com Scott Munguía, que acrescenta que para isso estão trabalhando na melhoria dos processos.
"Estamos conseguindo tudo o que sempre quisemos em termos de tecnologia, que era ter uma resina com a qualidade que esperávamos e capaz de substituir completamente polipropileno, poliestireno e polietileno, com o objetivo também de ter um preço acessível, porque na indústria, A questão dos preços nos bioplásticos é uma barreira muito grande”, explica o jovem empresário. O próximo passo é exportar para os Estados Unidos, o maior mercado de bioplásticos do mundo, e onde nove por cento de todo o plástico usado é deste tipo. "Queremos posicionar-nos no México como o maior fabricante de bioplásticos e deixar claro no mercado internacional que o México tem a mais recente tecnologia e está totalmente pronto para entrar nesse mercado".


Fonte: Agencia ID

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Os brinquedos são uma boa aplicação para o bioplástico?

O grupo LEGO está gastando mais de 100 milhões de euros para substituir seu plástico atual por um mais sustentável, e há uma nova geração de brinquedos bio baseado ambientalmente amigável ​​aparecendo. A Lego  é um ícone, e tem um crescente poder para isso. 
Talvez no espírito da ideia de que "com grande poder vem grande responsabilidade", seus criadores juraram substituir o plástico da Lego atual, baseada no petroquímica ABS , por uma solução mais sustentável.  Há um investimento significativo em jogo: 130 milhões de libras e um novo Centro de Materiais Sustentáveis empregando 100  engenheiros, os quais serão substituídos por  2.030 . Este longo processo de transição tem a ver com as características do plástico ABS, incluindo o famoso Lego-click e a sua longevidade que é semelhante a uma herança, que ainda não devem ser combinadas com um material bioplástico ou outro.
O ABS tem sido um alvo por um tempo, e não apenas nesta aplicação específica. A NatureWorks (EUA) desenvolveu um bioplastico PLA especial com as mesmas propriedades do ABS, a Siemens esta ocupado desenvolvendo um bioplástico para substituir o ABS dos seus aparelhos domésticos e a Mazda recentemente exibiu um carro com peças de bioplástico no lugar das peças ABS convencionais . No entanto, para Lego, a busca continua.
Entrementes, há brinquedos que não têm tais exigências de desempenho estritas, e os desenvolvedores de brinquedos estão prontos para incorporar ao mercado produtos para pais ambientalmente conscientes. Produtores de bioplástico também estão saltando a bordo, como a Bio-On (Itália), utilizando os seus polímeros PHA sustentáveis  para criar uma linha de modelos em escala, como soldados de brinquedo, em colaboração com um fabricante de brinquedos italiano. Eles estão estreando em fevereiro deste ano na Feira de Brinquedos de Nuremberg, a maior do mundo de seu tipo.


Fonte: http://labiotech.eu

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Instituto alemão constrói novo pavilhão com 388 pirâmides de bioplástico reciclável

O Instituto ITKE da Universidade de Stuttgart  projetou e construiu o seu novo pavilhão ArboSkin, uma pirâmide de bioplástico de 140 metros quadrados fabricado digitalmente, composto de componentes recicláveis ​​que podem ser livremente moldados e fabricados como elementos de fachada em 3D, ele foi criado no âmbito do Programa de Investigação de Fachadas Bioplásticas do Instituto para demonstrar os potenciais estéticos e estruturais dos bioplásticos. O pavilhão futurista recentemente ganhou um prêmio em uma das mais importantes competições da Alemanha para idéias inovadoras.
O modelo da estrutura de cobertura é baseado numa rede de formas triangulares de tamanhos diferentes. A estrutura dupla curvada é feita de pirâmides bioplásticas de 3,5 mm de espessura que são montadas mecanicamente para criar a superfície de forma livre. As folhas bioplásticas podem ser livremente moldadas e adaptadas para qualquer exigência para exteriores de construções.
A tecnologia necessária para a extrusão das chapas foi implementada em cooperação com o parceiro do projeto a Bauer Thermoforming, uma empresa especialista na modelagem de folhas bioplásticas sob altas temperaturas. Os resíduos produzidos durante o processo de fresagem CNC  pode ser regranulados e reutilizado para criar mais desses elementos de fachada em formato 3D. 
Para o seu Pavilhão ArboSkin, o ITKE recebeu um prêmio na prestigiosa competição nacional 'Pontos de referência na Terra das Idéias 2013/2014' na categoria ciência.
Os bioplásticos até agora têm sido utilizados para embalagem, mas com o seu novo pavilhão o ITKE espera promover o material como uma alternativa verde para as construções, que são responsáveis por oito por cento das emissões globais de dióxido de carbono. 
Os grânulos altamente flexíveis podem ser formatados em qualquer forma requerida por arquitetos em seus projetos. Também compostaveis, os materiais são ideais para aplicações exteriores e interiores.


Fonte: http://www.itke.uni-stuttgart.de/

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Cientistas de Harvard criam Bioplástico Super Forte a partir da casca do Camarão

Pesquisadores do Instituto de Engenharia Wyss da Universidade de Harvard isolaram a quitina do exoesqueleto de camarões para fazer quitosano, um polissacárido super-resistente que pode ser retirado de toneladas de cascas de crustáceos descartados em cada ano. Forte e facilmente transformado em impressoras 3D, usando moldagem por injeção ou técnicas de fundição, o produto final pode se decompor no ambiente após duas semanas e liberar nutrientes que alimentam plantas ao mesmo tempo.
Liderados por Javier Fernandez e Don Ingber, o grupo de Harvard manipulou o quitosano para produzir um material resistente e transparente que reteve o máximo possível da estrutura molecular natural da quitina. Ao adicionar derivados de seda e farinha de madeira, eles evitaram o potencial de rachaduras ou encolhimento durante o processo de moldagem por injeção.
"Há uma necessidade urgente em muitas indústrias de materiais sustentáveis ​​que podem ser produzidos em massa. Nosso método de fabricação escalonável mostra que o quitosano, que está prontamente disponível e barato, pode servir como um bioplástico viável que poderia potencialmente ser usado em vez de plásticos convencionais para numerosas aplicações industriais”, disse Ingber em um comunicado de imprensa de Harvard.
O bioplástico também pode ser modificado para uso em água e tingido para alterar a acidez do composto. Os corantes podem ser recolhidos após o bioplástico ter sobrevivido à sua utilização e reutilizados quando for reciclado. Os plásticos atuais utilizados em sacos do lixo, fraldas molusco poderiam ser substituídos pelo novo bioplástico e ajudaria a reduzir os milhões das toneladas do lixo plástico que cai em aterros, cursos de água, e ecosistemas marinhos a cada ano. Agora, os recipientes destinados para uso temporário não precisam assombrar o meio ambiente por milhares de anos após o seu papel ser cumprido, e tudo por causa do bioplástico de camarão .


terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Micro casa de bioplástico é a nova sensação em Amsterdã

Um pequena casa, feitas de bioplástico em uma impressora 3D esta agora disponível para visitantes durante a noite, graças ao estúdio holandês DUS Architects . A " Cabin Urban " está localizada em uma antiga zona industrial de Amsterdã, oferecendo 25 metros cúbicos de conforto em uma mini casa de bioplástico produzido de forma sustentável e resistente. 
A moradia irá ser desmontado posteriormente e quase todos os seus componentes reciclados , sugerindo soluções futuras para a habitação urbana e para resolução de problemas das grandes cidades.
O bioplástico foi feita a partir de óleo de linhaça, desenvolvido por arquitetos e fabricado pela empresa Henkel, seus três padrões dimensionais fornecem tanto uma ilusão fascinante como estabilidade estrutural. A abundância de luz do dia entra na micro-casa através de uma grande janela e entrada frontal, que é acompanhada por uma varanda e área de estar.
O interior tem espaço suficiente para uma cama, que pode dobrar em assentos para descansar durante o dia. Não há espaço suficiente para um banheiro, mas uma banheira exterior impressa em 3D permite que os hóspedes mergulhem sob as estrelas. 
Os arquitetos esperam que seu projeto possa abrir caminho para soluções quando ocorrer um desastre. Eles dizem, que "técnicas de impressão 3D podem ser usadas muito bem para pequenas habitações temporárias ou em áreas de desastres. A Cabin Urban está disponível para aluguel de curto prazo por aqueles interessados em obter um convívio com a natureza.

Fonte: https://www.dezeen.com

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

A Ford se uniu com a gigante de alimentos Heinz para transformar resíduos de tomate em um bioplástico

A Heinz utiliza a polpa de mais de dois milhões de toneladas de tomates por ano para fazer seus ketchups icônicos, sopas e molhos - mas o que acontece com as sobras? A Ford acaba de anunciar que eles se unirão com a gigante de alimentos para transformar principalmente peles de tomate (mas também folhas, caules e sementes) em um bioplástico composto para uso em seus veículos. Embora ainda em fase de viabilidade, o projeto poderia reduzir o desperdício de alimentos e diminuir a pegada de energia incorporada dos veículos da Ford, enquanto reduz o peso do veículo e melhora a economia de combustível, ao mesmo tempo
A Ford tem experimentado plásticos feitos com fibras naturais durante anos como parte de uma iniciativa em curso para melhorar a sustentabilidade de seus veículos. Até o momento eles usaram de tudo, desde palha de trigo e cogumelos para a fabricação de peças de automóveis "mais verde”. Esta última iniciativa é particularmente emocionante porque a montadora aborda vários problemas ambientais ao mesmo tempo, como reduzir o uso de plásticos à base de petróleo, reduzir o consumo de energia e desviar o desperdício de alimentos. "Ambas as empresas estão empenhadas em ter o menor impacto sobre o meio ambiente e uso da água", diz a especialista em bioplásticos e líder da pesquisa Dra. Ellen Lee.
O subproduto da produção de molho Heinz seria misturado com polipropileno e cozido a uma temperatura inferior à normal para que as fibras naturais não sejam degradadas, disse Lee. Isto não só significa que é necessária menos energia para fabricar o bioplástico, que será composto (em peso) de 20 por cento de fibra de tomate, mas porque o resíduo de tomate substitui o material de talco atualmente utilizado, o bioplástico também é mais leve. Isso reduz o peso das caixas de armazenamento, o que por sua vez reduz o peso do veículo, e resulta em maior economia de combustível. O material também será reciclável.


domingo, 15 de janeiro de 2017

Empresa apresenta novo plástico biodegradável para aplicações hortícolas

Feito a partir de material recuperado e material de base biológica, o Terratek ® BD2114 da Green Dot bioplásticos é uma alternativa renovável e biodegradável para vasos de plástico tradicionais. As fibras vegetais recuperadas servem como um lembrete visual de que este produto retornará com segurança à natureza uma vez que sua vida útil tenha terminado. As taxas de biodegradação variam de acordo com o ambiente e o tamanho da peça.
De acordo com a empresa os plantadores atualmente compostáveis ​​são feitos mais freqüentemente de papel, turfa ou de papelão. Esses materiais absorventes permitem que a água se evapore rapidamente do solo, exigindo que os produtores irriguem as plantas com mais freqüência. O Terratek ®  BD2114 não absorve água, e possibilita a retenção de umidade no solo do envasamento.
Os potes ​​feitos com Terratek® BD2114 também oferecem vantagens para os varejistas. O plástico biocompósito é mais durável e tem uma vida útil mais longa em comparação com os potes biodegradáveis ​​tradicionais. O plástico pode ser facilmente colorido para aumentar a diferenciação do produto.
De acordo ainda com o fabricante "o novo Terratek ® biocomposite oferece atributos funcionais e estéticos únicos com uma pegada ambiental mais leve em comparação com recipientes de horticultura atualmente em uso." Ele é um material ideal para plantar vegetais arbóreos e arbustivos pois são recipientes mais sustentáveis. A empresa pode fornecer formulações personalizadas de materiais biológicos e biodegradáveis ​​para atender todos os tipos de aplicações hortícolas.

Fonte: http://www.prnewswire.com/

Share

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More