domingo, 31 de janeiro de 2010

Cana-de-açúcar mais resistente e lucrativa deve ser realidade em cinco anos


O Brasil é auto-suficiente na produção de cana-de-açúcar, e diante do potencial sucroalcooleiro do País, especialistas estudam formas de aprimorar a produtividade da planta, obter mais sacarose, menor vulnerabilidade à seca e maior resistência a pragas. Segundo o pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Eduardo Romano, já existem estudos de pesquisas para isso, e a estimativa é que nos próximos cinco anos, variedades trangênicas já sejam comercializadas.
Entre as pesquisas realizadas no país, estão genes que tornam as fibras da planta capazes de gerar produtos como bioplásticos (plásticos biodegradáveis, sem petróleo na sua composição e que levam apenas algumas semanas para se degradar), além de novas técnicas para melhor aproveitamento das folhas e bagaço da cana para produção de biocombustível e energia.
Investindo em projetos de desenvolvimento de cana-de-açúcar transgênica há três anos, a Embrapa pretende atender às demandas de cultivo de cana-de-açúcar na região Nordeste, com variedade mais resistentes a seca e a broca gigante, principal praga da região.
Além da Embrapa, a Rede Interuniversitária para Desenvolvimento do Setor Sucroalcooleiro (Ridesa), integrada por sete universidades federais brasileiras, atua no desenvolvimento de novas variedades genéticas da cana-de-açúcar há 18 anos.


sábado, 30 de janeiro de 2010

Pesquisadores italianos estão promovendo testes para a criação de um compósito de PLA reciclado com fibras naturais de Kenaf

Kenaf

Pesquisadores italianos da ICMA San Giorgio e da Politécnica de Milão estão promovendo testes para a criação de um compósito de PLA reciclado com fibras naturais de Kenaf com o objetivo de desenvolver um compósito de bioplástico com alta performance, custo competitivo e produzido a partir de fonte naturais.
Os materiais estão sendo produzidos na twin-screw co-rotating extruder da ICMA San Giorgio e as amostras são elaboradas através da moldagem comprimida. O Pla reciclado é proveniente de embalagens de alimentos enquanto que o enchimento é proveniente da Kenaf Eco Fibers Itália ( Kefi).Antes de processar o PLA e a Kenaf são secados em um forno a vácuo a 100°C por oito horas.
O composto é realizado usando a MCM 25 HT 44D da ICMA San Giorgio com diferentes configurações de parafuso, perfis de temperaturas e velocidades dos parafusos. O Gel Permeation Chromatographi (GPC) é também usado para avaliar os diferentes níveis de degradação das diferentes configurações de compósitos. Se o compósito apresentar um nível de degradação muito baixo outro teste é realizado.
MCM 25 HT 44D

As amostras são produzidas com 10%, 20% ,30% e 40% de carregamento de Kenaf e são analisadas utilizados diferentes escaneadores de calorimetria. Um microscópio eletrônico é utilizado para observar a morfologia do compósito.
Imagem do compósito em um microscópio eletrônico
A próxima etapa está centrada em compatibilizar o agente aglutinador para melhorar ainda mais a força e a dureza do compósito Kenaf-PLA.

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

A empresa alemão, fornecedora de biopolimeros FKuR abre escritório nos E.U.A

O fornecedor de biopolimeros alemão FKuR Kunststoff GmbH, abriu um escritório perto de Austin, Texas, para atender os clientes nos Estados Unidos e Canadá.O escritório Cedar Park, da FKuR Plastics Corp (o nome é pronunciado Ef-CUR), tem atualmente um empregado, mas ele irá receber mais dois trabalhadores no prazo de 90 dias. "Começamos uma campanha de marketing de pequeno porte. É um bom negócio”, disse Steven Prindle,”as aplicações em tecnologia especializada, que a empresa realizou no ano passado deram resultados, temos vários novos clientes”.
A FKuR atualmente transporta através de navios seus compostos bioplásticos à América do Norte de sua fábrica sediada em Willich, Alemanha. Mas a empresa ainda tem grandes objetivos, que revelou no ano passado na NPE2009 em Chicago.
"Nosso objetivo ainda é ter um laboratório na América do Norte até 2012. Primeiro temos de começar a elevar as vendas. Isso é sempre um desafio”, disse Prindle. A FKuR escolheu Austin porque tem uma localização central e pode facilmente servir os clientes em ambas as costas.
Outras empresas de bioplásticos oferecem o crescimento dos negócios pelo fato de não depender do custo de matérias-primas como no caso do plástico convencional. Prindle disse que as vantagens dos produtos FKuR são que eles são fáceis de ser processado, e pode ser usado como "drop-in replacements” do polietileno ou polipropileno.A empresa também oferece suporte ao cliente através de um parceiro Instituto Fraunhofer Umsicht, um instituto de pesquisa baseada em Oberhausen, na Alemanha. A empresa oferece moldagem por injeção e extrusão, e tem tido o interesse de clientes de embalagens.Outro mercado que a FKuR está se inserindo é o de moldagem por injeção com fibra de madeira, para substituir a madeira em aplicações automotivas.

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

A NatureWorks apresentou recentemente a sua segunda geração de bioresina Ingeo ™

A NatureWorks apresentou recentemente a sua segunda geração de bioresina Ingeo ™ com uma solução voltada principalmente para a injeção de semi-produtos de consumo duráveis. Esta nova patente é a solução mais recente de uma série de avanços para aplicações Ingeo ™,que já incluem termoformados de calor elevado, filmes e cartões transacionais. A nova tecnologia da resina composta NatureWorks permite a produção de peças injetadas com a estabilidade dimensional térmica de até 120 ºCelsius (248 º F), resistência ao impacto superior a dois pé-libra por polegada, e módulo de ~ 450.000 psi. O tempo do ciclo da moldagem por injeção da nova resina Ingeo ™ comparada às resinas de estireno, oferece agora um baixo teor de carbono e de custo competitivo.
Designado Ingeo ™ 3801X, a nova formulação combina o alto percentual de resina a base polilactida com um pacote aditivo concebida para atingir o alto calor, impacto, desempenho e tempo de ciclo requisitos de produtos semiduráveis como os cosméticos, o produtos eletrônicos, brinquedos, acessórios de escritório, e produtos promocionais. As empresas que substituírem componentes de plástico tradicional com o novo Ingeo ™ podem reduzir sua dependência ao petróleo, insumo não-renovável e reduzir as emissões globais de gases de estufa além de reduzir o consumo de energia. Além disso, os produtores que utilizarem como matéria-prima a resina plástica de fontes renováveis podem oferecer uma estrutura de preços mais estáveis em relação à volatilidade do preço esperado da maioria dos derivados de petróleo.
"A introdução desta tecnologia de calor elevado demonstra que a família Ingeo ™ está amadurecendo de forma significativa, ampliando cada vez em uma série de aplicações onde estes materiais tem um desempenho muito bom substituindo os plásticos que não utilizam matérias-prima de fontes renováveis ", disse Marc Verbruggen, presidente e CEO da NatureWorks. "Nos seis anos desde que entrou no mercado com facilidade de escala, a comunidade de moldagem por injeção tem demonstrado um grande interesse no nosso produto de primeira geração. A indústria já desenvolveu uma série convincente de produtos moldados de consumo, com itens que incluem batons, telefones celulares e partes interiores de automóveis. Hoje, temos o prazer de anunciar o apoio aos esforços de desenvolvimento em curso com um produto que tenha sido projetado para tratar de propriedade reforçada e pedidos de desempenho”.
A NatureWorks seletivamente vai abrir esta tecnologia a parceiros de composição, como a Verbruggen” explica. "A NatureWorks acredita firmemente que o contínuo desenvolvimento das Ingeo ™ soluções para aplicações duráveis é melhor completada pelas inovações, conhecimentos e capacidades que os nossos parceiros de composição podem oferecer”.


quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

A Cereplast, Expande a Distribuição de Bioplástico na Europa em acordo com a empresa A. Schulman


A Cereplast uma das empresas líderes na fabricação de bio-baseados, plásticos sustentáveis, anunciou recentemente que alargou o seu acordo de distribuição com A. Schulman, Inc. para incluir toda a Europa. A. Schulman, Inc. é um fornecedor internacional líder na venda de compostos plásticos e resinas de alto desempenho usadas como matérias-primas em uma variedade de mercados.
A variedade de resinas bioplásticas da Cereplast permitirá A. Schulman lançar uma nova oferta composta à base de bio-materiais à clientes interessados em soluções ambientalmente mais amigável. Sob o acordo, A. Schulman vai distribuir a Cereplast compostables ® e resinas hibridas para fabricantes de toda a Europa.
"É verdadeiramente uma oportunidade excepcional para Cereplast ganhar uma vantagem competitiva", disse Frederic Scheer, Fundador, Presidente e CEO da Cereplast, Inc. "Agora que nós estendemos nosso acordo de distribuição com A. Schulman, a nossa resina permanecerá estável e com custo competitivo no mercado europeu".
De acordo com relatório de mercado da Frost & Sullivan de 2007, o mercado de bioplásticos na Europa tem tido um crescimento exponencial e a procura de bioplásticos, que superou a oferta, com os conversores e usuários finais correndo para tirar partido desta tecnologia emergente. Com a demanda ainda maior que a oferta, há espaço suficiente para novos participantes, bem como o crescimento das empresas existentes.
Thomas Koerlin, Diretor da Schulman Plastics Europe acrescenta, "A. Schulman e a Cereplast agora são capazes de fornecer bioplásticos a um leque mais amplo de empresas transformadoras de plástico, com esta parceria de distribuição, oferecendo aqueles que estão fortalecendo suas posições no mercado sustentável muito mais do que antes "
Atualmente os bioplásticos representam menos de 1% do mercado de plásticos europeus. Todas as resinas Cereplast substituem uma percentagem significativa de aditivos a base de petróleo elaborados a partir do milho, trigo, mandioca e batata, permitindo que os bioplásticos voltem à natureza no prazo de 180 dias.
"Nosso acordo com A. Schulman também reforça o nosso compromisso de ajudar a resolver a crescente preocupação quanto ao esgotamento dos recursos de combustíveis fósseis no cenário mundial", continuou Scheer. "Juntamente com A. Schulman 's, esperamos continuar a expandir e capitalizar o potencial dos mercados bioplásticos na Europa, para nossas resinas porque oferecem ganhos de sustentabilidade e outros benefícios comparados com os plásticos tradicionais. "


Tradução e Pesquisa:Bioplstic News

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Estudo concluiu que produção de sacos plásticos deverá apresentar o maior crescimento percentual entre 2010 e 2020


Segundo um novo estudo denominado "Avaliação de Embalagens de Bebidas no Mercado - Um estudo comparativo", conduzido pela Proactive Worldwide, Inc., em nome do PMMI ( Packaging Machinery Manufacturers Institute),concluiu que os sacos plásticos deverão apresentar o maior crescimento percentual entre 2010 e 2020, aumentando cerca de 105,9 por cento,passando de 545 milhões dólares para 1.378 milhões. Novos equipamentos de processamento de embalagens tornaram o custo-benefício dos sacos para as operações de alto volume muito competitivo, as empresas podem agora produzir sacos tão rápido como os outros formatos de embalagem.
Ambientalmente, sacos requerem espaço de aterro muito menor do que as garrafas de plástico e algumas sacos são totalmente biodegradáveis. Além disso, quando comparado com garrafas de vidro,sacos exigem uma pequena fração do espaço e infra-estrutura de transporte: O volume de bebida transportados em um caminhão de sacos feito sob medida exigiria nove caminhões de vidro ou garrafas de plástico.


segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Scott Bader reune grupo para novo projeto que pretende descobrir alternativas renováveis para produtos químicos


A North East Process Industry Cluster (NEPIC) está liderando um novo grupo para projetos na área de recursos sustentáveis, constituído por empresas industriais no Reino Unido, além de acadêmicos de investigação de Surrey, Teesside e da Universidade de Newcastle. O objetivo deste projeto é em 30 meses identificar novas oportunidades comerciais em escala de produção de uma gama de recursos da biomassa como uma alternativa sustentável aos produtos químicos em termos de matérias-primas.
Uma equipe de P & D da Scott Bader tem trabalhado há mais de dois anos, numa série de projetos verde para desenvolver alternativas de resinas compostas a partir de recursos renováveis, a NEPIC vê o projeto como uma forma ideal de colaborar com outras empresas e acadêmicos também empenhados em descobrir alternativas ecológicas e sustentáveis para produtos químicos. Roy Phillips, diretor técnico da Scott Bader, comentou: "Durante os próximos 30 meses, a equipe de P & D terá estreita colaboração com os membros do Grupo para compartilhar idéias e conhecimentos. Este é um compromisso significativo dos nossos recursos de P & D, que a Scott Bader considera que deve encontrar opções viáveis renováveis na indústria química, para o futuro. "
O projeto, denominado ABC (Avaliação de Biomassa para Produtos Químicos), está sendo parcialmente patrocinado pelo DEFRA, e também conta com o apoio de uma série de partes interessadas industriais, além da Scott Bader, nomeadamente a AkzoNobel, GrowHow, Jacobs Engineering, Graphite Resources e a Link2Energy. O resultado do projeto será destinado para a produção estimada de capital e custos operacionais e para melhorar as opções técnicas.

Tradução e Pesquisa:Bioplastic News

domingo, 24 de janeiro de 2010

Fabricante australiano de bioplásticos baseado em amido de milho anuncia planos para nova fábrica

A empresa Plantic Technologies, da Austrália, que desenvolve plástico biodegradável feito a partir de plantas, anunciou planos para uma nova unidade de fabricação nos E.U.A destinadas a reduzir os custos do seu processo de produção. A empresa assinou um acordo para transferir uma de suas linhas de produção para a Indianápolis, junto com a empresa National Starch numa tentativa de reduzir a cadeia de fornecimento e custos de material e facilitar uma colaboração mais estreita entre as duas empresas de pesquisa e desenvolvimento e seus esforços de produção. A National Starch é o principal fornecedor Plantic de amidos especialmente modificados, que são utilizados na produção de bioplásticos. As duas empresas têm trabalhado em conjunto desde outubro de 2007, quando assinou um acordo de colaboração para desenvolver novos amidos e tecnologia de modificação do amido, que atua como a base para a criação de polímeros biodegradáveis.
O executivo da Plantic, Brendan Morris, disse que a nova fábrica irá "reduzir significativamente o custo atual de materiais Plantic pela integração dos dois processos de fabricação e fornecimento de matérias-primas".A redução de custos poderia finalmente ser transferida para a empresa que possui 40 clientes na Austrália, Europa e os E.U.A, que está usando sua folha rígida, moldagem por injeção, moldagem por sopro e resina de embalagens flexíveis em uma série de projetos e ensaios.
Morris admitiu que as operações comerciais da companhia foram afetadas pela esperada recuperação de uma recessão global, e que, como resultado fiscal de 2009 a receita seria menor que o esperado.Mas ele acrescentou que as perdas nas operações estariam dentro das previsões, devido ao programa de redução no custo iniciada no início do ano e de cuidados com a gestão financeira.
Morris também previu que a perspectiva para 2010 é "otimista", argumentando que a deslocalização da linha de fabricação Plantic teria um impacto "positivo" sobre as vendas. Ele afirmou ainda que as duas empresas estão discutindo os planos de expansão no mercado dos E.U.A, e pretende anunciar mais novidades no decorrer do ano.
No início do ano de 2009, foram liberadas pela Plantic uma pesquisa do Royal Melbourne Institute of Technology, sugerindo que a sua base de plantas de bioplástico proporciona reduções significativas no uso de energia e as emissões de carbono em relação aos plásticos convencionais.
A pesquisa calculou que uma folha de Plantic contendo o suficiente para fazer 1.000 bandejas de chocolate usa 544MJ de energia, em comparação com o MJ 1.362 usado para produzir 1.000 bandejas de polietileno convencional.


Tradução e Pesquisa:

sábado, 23 de janeiro de 2010

Polímero verde

Tampas plásticas feitas a partir do álcool da cana

Um plástico feito a partir do etanol da cana-de-açúcar pela petroquímica Braskem será utilizado como tampa plástica de embalagens cartonadas pela Tetra Pak, líder mundial no fornecimento de embalagens feitas com fibras de celulose. A matéria-prima, totalmente renovável, sairá da primeira planta de polietileno verde em escala comercial do mundo, localizada em Triunfo, no Rio Grande do Sul, prevista para entrar em funcionamento no último trimestre de 2010.
O acordo celebrado entre as duas empresas garante o fornecimento, a partir de 2011, de 5 mil toneladas de polietileno verde de alta densidade por ano para a produção de tampas plásticas e lacres destinados à indústria alimentar e embalagens de bebidas. O processo utilizado transforma 99% do carbono contido no álcool em etileno, matéria-prima do polietileno. O principal subproduto é a água, que pode ser purificada e reaproveitada. As pesquisas que resultaram no polímero verde a partir do álcool da cana foram iniciadas em 2005.


sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Nature´s Pasta em embalagem compostável


A empresa canadense de massas, a Nature’s Farm, acaba de mudar o plástico de suas embalagens para o filme compostável NatureFlexTM produzido pela Innovia Films.A escolha do filme NatureFlexTMfaz parte do comprometimento da empresa com a sustentabilidade.NatureFlex é sustentável, diminui o impacto ambiental e foi instalado no processo de linha de produção com apenas ajustes mínimos exigidos.A reação a embalagem tem sido muito positiva e entusiástica.Segundo a Innovia, o filme começa a vida como a madeira e começa a decompor-se em um embiente de compostagem industrial em questão de semanas


Fonte:http://embalagemsustentavel.wordpress.com
http://www.convertingmagazine.com/
http://www.naturesfarm.ca/

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Bioplástico de trigo

Video em inglês que mostra a produção de bioplástico de trigo:

video

Fonte:HowStuffWorks Videos

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

A Bioamber anuncia a primeira fábrica do mundo de ácido succínico bio baseado

A Bioamber, uma joint venture entre a norte-americana DNP Green Technology e a Francesa ARD (Agro-industrie Recherches et Développements), anunciou o início bem-sucedido da primeira fábrica do mundo de ácido succínico bio baseado. Desde dezembro de 2009, a fábrica tem produzido ácido succínico renovável a partir da glicose derivada do trigo.
Esta planta industrial tem uma capacidade anual inicial de 2.000 toneladas métricas. O ácido succínico Renovável da Bioamber oferece maior pureza do que o ácido succínico derivado do petróleo, com a vantagem de consumir gás CO2 no processo de produção, dando-lhe uma vantagem distinta sobre a rota petroquímica tradicional.
A Bioamber começará a vender o ácido succínico de imediato a uma variedade de clientes e criará a demanda do mercado em que negocia a venda de licenças para grandes centrais de produção de ácido succínico.
"Desde 2007, temos mais de 50 empresas interessadas em um grande número de aplicações, incluindo poliuretanos, poliésteres, plastificantes e solventes ", disse Patrick Piot, Diretor Geral da Bioamber. "Esta fábrica é um marco importante em nosso desenvolvimento. O Ácido succínico renovável já não é um programa de P & D, é uma realidade comercial para a indústria química."


Fonte:http://www.biobased.org

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Qual o futuro dos carros da Ford: serem biodegradável?


Um carro médio tem cerca de 300 quilos de plástico nele, todas as marcas conhecidas e desconhecidas praticamente usam plástico petróleo baseado. Porém o plástico petróleo baseado gera muitos problemas. Você já deve ter ouvido falar do Grande Garbage Patch - uma sopa de plástico do tamanho do Texas flutuante no Oceano Pacífico - o plástico petróleo baseado é um sério problema para o planeta.
No entanto, imagine fertilizar seu jardim, com as peças do seu carro. Esse é o sonho de Debbie Mielewski e sua equipe de bio-engenheiros do Centro de Pesquisa e Inovação da Ford em Dearborn, Michigan.“O sonho dela é ter plástico compostavel nos veículos.” Em vez de ir para um aterro sanitário e ficar lá por mil anos os plásticos vão nutrir o solo... e podem ser utilizados para cultivar plantas ", diz Mielewski.
Para alcançar esse sonho ela realiza anos de estudos no laboratório. Demorou oito anos para criar uma base de espuma de soja que pudesse resistir a testes de durabilidade da Ford. Ensaios iniciais resultaram em produtos quebradiços.Mas, agora, à base de espuma de soja está no mercado, inclusive nos assentos e encostos de cabeça do Mustang 2010, retirando-se 5 milhões de libras de CO2 da atmosfera da Terra, de acordo com Mielewski.
"É uma sensação emocionante ver que o que você está fazendo aqui no laboratório realmente chegará a um bom porto", diz Angela Harris, uma bio-engenheira da Ford.O laboratório de investigação de plástico está também fazendo experiências com coco, cana de açúcar e bioplástico feito de milho, que são elegantes, mas não passaram por testes de durabilidade, ainda.
"As pesquisa estão voltadas não só para a criação de novos materiais ou novas idéias, mas também fazer alguma reciclagem", diz Patti Tibbenham, a engenheira encarregada de trabalhar com materiais reciclados. Esses materiais incluem casca de arroz e palha de trigo, derivados da colheita dos agricultores que serão jogados fora de qualquer maneira.
Henry Ford, que com entusiasmo fez experimentados com soja, feijão e plástico de cânhamo, ficaria orgulhoso. O CEO da Ford, Alan Mulally enviou a Mielewski notas escritas à mão incentivando o projeto. E o presidente da Ford da América Latina, Mark Fields, disse na montadora Wayne Ford,em Michigan, que, "Nós temos uma piada: você pode usar seu carro por 10 anos e quando for descarta-lo, comer os assentos."

Veja o video abaixo onde mostra a produção de espuma de soja nos laboratórios da Ford(Em Inglês):


video


Fonte:http://www.huffingtonpost.com/
Tradução e Pesquisa:Bioplastic News

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Bioplástico da DuPont selecionado para uso na nova Toyota SAI

Toyota SAI

Lançado no mês passado, o novo modelo SAI é um carro de luxo intensamente ecológico "compacto" equipado com uma grande percentagem de bioplásticos feitos de materiais à base de plantas. Materiais de origem renovável compreendem aproximadamente 60% da área da superfície interna do carro. O novo carro será vendido no Japão através de concessionários.
"Tanto a DuPont como a Toyota proporcionaram inovações que resultaram em contribuições positivas para a vida de nossos clientes e de uma forma ambientalmente sustentável", disse John Ranieri, vice-presidente da DuPont BioMateriais Group, um braço da empresa BioSciences Aplicada. "Estamos comprometidos a trazer materiais renováveis para empresas como a Toyota, que tem uma intenção de sustentabilidade forte."
A DuPont polímero Sorona PTT é uma resina feita a partir de uma copolimerização de 1,3-propanodiol, que é derivado da cana-de-açúcar usando um processo de fermentação da DuPont biotecnológicas, e de ácido tereftálico.A Sorona ajuda a reduzir as emissões de dióxido de carbono, comparado ao uso de petróleo utilizado nas peças tradicionais do interior de automóveis. Este material contribui para a poupança de recursos esgotáveis.
Feita a partir de fibras de PTT a Sorona cumpre os rigorosos requisitos de desempenho para uso automotivo. Ao mesmo tempo, eles fornecem uma textura rica e macia. Esta nova aplicação para o SAI da Toyota demonstra como a ciência da DuPont está respondendo as megatendências, uma das quais é diminuir a dependência dos combustíveis fósseis.

Tradução e Pesquisa:Bioplastic News

domingo, 17 de janeiro de 2010

A NatureWorks e seus parceiros apresentaram diversos produtos que utilizam o bioplástico Ingeo na COP-15


Em apoio a Conferência da ONU sobre Mudança Climática em Copenhague, a NatureWorks e os seus parceiros foram envolvidos em uma série de atividades com produtos Ingeo. Ingeo alcatifas e serviceware alimentos foram utilizados na principal sala de conferências.
Novos materiais Ingeo foram utilizados no Copenhague Nordic Fashion Association's Fashion Summit, e em uma vitrine de biotecnologia destacando as mais recentes inovações para a vida cotidiana. O LookBook edição especial abaixo apresenta os parceiros que usam Ingeo para criar produtos atraentes apresentados na COP-15 .


sábado, 16 de janeiro de 2010

Dog Poo Bag- saco biodegradável para o cocô do seu cão

Finalmente uma forma prática de recolher o cocô de cachorro. Nada de usar sacolinhas do supermercado. Ainda tem algumas pessoas que deixam a sacolinha com cocô na rua mesmo que acabam entupindo os bueiros.
As designers Nina Dautzenberg e Andrea Gadesmann da agência alemã JungeSchacte desenvolveram um saquinho que através do seu design e das suas dobras torna o ato de catar cocô do seu melhor amigo uma coisa mais agradável. E após catar o cocô o saquinho fechado fica com uma alça facilitando levar o cocô até chegar em casa.

São 100% biodegradável e 100% adorável. O design gráfico é bem humorado com ícones de cores diferentes para cada tipo de cachorro.São 16 saquinhos em vários tamanhos, para vários tamanhos de caca que o seu cão pode deixar pra trás.


sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Empresa lider na indústria de bioplástico confia na Malvern sistemas para otimizar a sua produção

Ingeo™ Biopolimero da NatureWorks

A empresa NatureWorks líder mundial na indústria de bioplásticos, está usando uma variedade de ferramentas de caracterização de materiais da Malvern Instruments para acelerar o desenvolvimento de produtos e atingir padrões de qualidade de líder de mercado.A NatureWorks é o principal fornecedor do mundo, sob o nome comercial Ingeo ™, de ácido polilático, um polímero de alto desempenho com uma pegada de carbono significativamente menor do que os polímeros elaborados com petróleo. Os dados gerados usando o TDAmax Viscotek, da Malvern, detector de cromatografia de permeação em gel (GPC sistema), e do RH Rosand-7, um piso reômetro capilar, habilitará a empresa a adequar o polímero para atender às exigentes demandas da comunidade de processamento de polímeros. Além disso, o Viscotek diluirá a viscosidade do sistema fornecendo a solução de controle de qualidade sensível.
A Ingeo é utilizada comercialmente na produção de recipientes termoformados e extrudados, fibras e não-tecidos, filmes e revestimentos de extrusão e emulsão. Em muitos casos ela é processada - extrudados, fundidos e moldados por injeção - utilizando equipamento convencional, com apenas pequenas modificações. Enquanto isso simplifica o deslocamento dos polímeros tradicionais em mercados estabelecidos, exige um rígido controle de propriedades dos polímeros.
"Tanto a Rosand e o TDAmax têm características específicas que são de valor significativo para nós", comenta Jed Randall, pesquisador da NatureWorks. "Usamos o Rosand (nosso segundo) para avaliar o efeito de aditivos e da estrutura molecular sobre as propriedades de extrusão, tais como die swell, fratura e comportamento pseudoplástico. O dispositico haul-off é especialmente útil, já que fornece uma medida direta da resistência do fundido, uma variável-chave para a produção de fibra e de processamento. Com a TDAmax medimos o peso molecular absoluto e o grau de ramificação do polímero, um importante parâmetro de controle. "
O TDAmax Viscotek tem um detector triplo integrado que inclui um ângulo de luz revolucionário com baixa dispersão (LALS) e um detector de quatro viscosímetro capilar diferencial. Ele mede o peso molecular absoluto, e os dados de viscosidade intrínseca, que juntos quantificam a ramificação e o tamanho molecular. O RH7 Rosand é um reômetro capilar com um desempenho insuperável em termos de controlo de velocidade, precisão e gama de funcionamento dinâmico. O lanço-off é um dispositivo de fixação ao reômetro que é usado para medir a resistência do fundido e simular o desenho e moldagem por sopro.


Tradução e Pesquisa:Bioplastic News

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

O maior construtor de barco de fibra de vidro do Canadá usará bioresinas nos seus novos modelos


O maior construtor de barco de fibra de vidro do Canadá, a Campion Marine Inc., está promovendo melhorias no desempenho ambiental dos seus produtos. Será o primeiro construtor de barcos em todo o mundo que utilizará a Envirez ®, bioresina da Ashland Performance Materials, uma unidade comercial da Ashland Inc..A Envirez é a primeira resina que usa uma quantidade significativa de derivados de etanol do óleo de milho e soja em sua formulação.
"A resina Bio Ashland fornece as características de desempenho que desejamos para nossos barcos e reduz nossa dependência das resinas petróleo baseadas", disse Elliott Brock, gerente geral da Marine Campion. "Estamos colocando a resina Envirez em todos os nossos barcos. É o próximo passo certo, e isso é bom para o nosso mundo. A resina Envirez resina possui um desempenho mais elevado para a força e alongamento. Nossa visão é construir o melhor dos melhores, o que faz a resina Envirez uma escolha natural. "
A Campion Marine Inc.testou a resina Envirez em 2008, resultando no primeiro barco do mundo construído em bioresina. Dados desses testes apoiaram o uso da resina Envirez em embarcações de recreio e de alta performance. Com base em pesquisas, a mudança para resina Envirez pela Campion vai eliminar mais de 100.000 libras de C02 de entrar na atmosfera.
"Estamos satisfeitos por trabalhar com uma grande empresa como a Campion para trazer esta tecnologia para o público de barco", disse Mike Wallenhorst, diretor de gerenciamento de produto da Ashland Performance Materials. A Envirez é um produto fantástico que oferece resistência excepcional e é um grande passo no sentido de uma resina totalmente renovável. É emocionante perceber que centenas de barcos feitos de resina Envirez logo estarão navegando no mundo inteiro graças a Campion. "
A Campion marine tem construído barcos de alta performance desportiva e cruzadores há 36 anos. A empresa, nas suas instalações em Kelowna, Canadá, constrói a linha Allante de barcos de esporte e cruzadores, o utilitário esportivo Explorer motos, barcos de perseguição de alta performance e na esteira Svfara / barcos tow surf. Eles fabricam mais de 37 modelos e 48 variações de barcos variando de 16 a 30 pés de comprimento e comercializam os seus barcos em mais de 30 países.
A Ashland Performance Materials Inc. é líder mundial em resinas de poliéster insaturado e resinas de éster vinílico. Além disso, fornece aos clientes tecnologias de ponta, adesivos sensíveis à pressão e estrutural, e consumíveis de fundição de metais e serviços de design.

Tradução e Pesquisa:Bioplastic News

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Embalagens inteligentes para frutas e hortaliças


Além de valorizar a aparência de uma fruta ou hortaliça, a embalagem certa ajuda o produtor a reduzir perdas significativas no pós-colheita - para se ter ideia, no Brasil, por ano, de 30% a 35% da produção anual de frutas, legumes e hortaliças é descartada. Melhor ainda se essa embalagem tiver um apelo ecológico e for não apenas reciclável, mas biodegradável ou retornável.Em busca dessa embalagem ideal, que preserve ao máximo o alimento e ainda seja sustentável do ponto ambiental, a Embrapa Agroindústria de Alimentos, do Rio, em parceria com a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e o Instituto Nacional de Tecnologia (INT), deu início, este mês, a uma ampla pesquisa sobre novas tecnologias e materiais para a confecção de embalagens inteligentes para frutas e hortaliças.
Dentro do projeto Desenvolvimento de embalagens valorizáveis para o acondicionamento de frutas e hortaliças frescas, a pesquisa irá testar o uso de resíduos agrícolas na fabricação dessas embalagens. O objetivo é verificar se esses resíduos - que constituem matéria-prima abundante - atendem às necessidades de armazenamento, transporte e comercialização de frutas e hortaliças, mantendo a qualidade e a segurança dos produtos.O projeto, de R$ 7,5 milhões, foi aprovado em dezembro pelo Fundo Tecnológico do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Funtec/BNDES).
"Além do componente de pesquisa, para ser aprovado pelo Funtec o projeto deve ter o componente de negócio e inovação. Vamos trabalhar no desenvolvimento de embalagens inteligentes e, a partir daí, o mercado poderá se abrir", explica o químico Antonio Gomes Soares, pesquisador da Embrapa Agroindústria de Alimentos.Segundo Soares, diagnósticos já identificaram os principais problemas na área de embalagens. Caixas de madeira (caixas K), que são anti-higiênicas e danificam o produto por serem ásperas, ainda são muito usadas. A caixa de papelão e de plástico têm a limitação do formato, que não serve para todos os tipos de frutas e hortaliças. "Vamos juntar os esforços da Embrapa, do Laboratório de Reciclagem da UFRJ e da Divisão de Desenho Industrial do INT para propor soluções efetivas com o uso de novos materiais e processos.
A ideia é reduzir perdas e manter a qualidade do produto, com embalagens resistentes e seguras", diz o pesquisador.Outro foco da pesquisa, fora o aspecto da segurança e sustentabilidade, é chegar a uma embalagem que possa ser usada desde a colheita, no campo, até o consumidor final. "Isso significa evitar o que chamamos de retrabalho, que é trocar de recipientes várias vezes, do campo à packing house", explica o doutor em Design Luiz Carlos do Carmo Motta, da Divisão de Desenho Industrial do INT. "Quanto menos o produto for manuseado, mais preservado ele permanece."

RESÍDUOS

A pesquisa irá testar a viabilidade do uso de resíduos da bananeira, do mamoeiro e do palmito pupunha, que produzem grande quantidade de "matéria-prima", para a fabricação de embalagens. "Do palmito, aproveita-se só uma pequena parcela, de mais ou menos 30%; o resto vai para o lixo. As áreas de mamão e banana precisam ser renovadas periodicamente e as plantas cortadas não têm aproveitamento. Fora folhas e partes do caule que caem no solo e viram cobertura morta", explica Soares."Primeiro, vamos estudar a caracterização das fibras desses resíduos e avaliar os produtos conforme tamanho, formato e calibre. Aí poderemos criar parâmetros para o desenvolvimento das embalagens", diz Motta.
A segunda parte do projeto inclui o desenvolvimento de novos materiais, no Instituto de Macromoléculas da UFRJ, e a apresentação de protótipos, pela Divisão de Desenho Industrial do INT. "Em 30 meses, devemos ter as embalagens já testadas", prevê Soares. "Depois, podemos repassar a tecnologia para empresas de embalagens. Como não há uma indústria envolvida, garante-se a competitividade do mercado."

RENDAS

Se der certo, a confecção de embalagens com resíduos agrícolas pode também se tornar uma nova opção de renda para produtores de banana, mamão, pupunha e outras culturas que venham a ser testadas pela pesquisa. Por enquanto, o trabalho será feito com produtores de mamão do Espírito Santo, bananicultores do Rio e produtores de pupunha do Paraná e do Rio. "Um resíduo que ia para o lixo passa a ter um valor de mercado", diz Soares, da Embrapa.A vantagem de uma embalagem "ecológica", segundo Motta, é que ela pode atender ao mercado europeu.
"A União Europeia define como valorizáveis embalagens sustentáveis, que não gastem energia nos processos. Por isso os europeus preferem embalagens retornáveis a recicláveis.""Conforme o processo que for desenvolvido pela pesquisa, o produtor pode se tornar também um fornecedor de matéria-prima para a indústria ou um fabricante de embalagens", acredita Motta.

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Como produzir bioplástico caseiro


Clique aqui para baixar instruções em PDF de como produzir bioplástico caseiro.

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Plástico biodegradável feito com resíduos de mandioca

video

A empresa Biomater, desenvolve o projeto de transformar a fécula de mandioca e o amido de milho em bioplástico.O material é depois transformado em sacolas de supermercados e em embalagens, cestos e outros produtos.A empresa de São Carlos é incubada pela fundação Parqtec, apoiada pelo Sebrae, e os materiais são produzidos com apoio da UFSCAR- Universidade Federal de São Carlos, onde o engenheiro de materiais João Carlos Godoy - criador da empresa - fez o seu mestrado em Engenharia de Produtos. A ideia surgiu , em 2003 ,quando o engenheiro Godoy vendeu uma empresa que tinha, e voltou a estudar, aprofundando seus estudos na área de bioplásticos na UFSCAR.
Assim, deu origem a este procedimento no campus da universidade e a uma outra empresa em 2005. Em 2008, vendeu seus primeiros produtos.A matéria prima utilizada por João Carlos muitas vezes parte de sobras de grandes empresas alimentícias. Ele compra esses resíduos para transformá-los em produtos diferenciados. O bioplástico ,quando descartado, se decompõe no ambiente em no máximo 180 dias. A maioria dos plásticos produzidos no mundo são sintéticos, compostos derivados de petróleo e demoram de 200-400 anos ou mais para se degradarem. No Brasil a produção é de 4,2 milhões de toneladas por ano. Segundo Godoy , o bioplástico chega a custar 3 vezes mais do que o plástico que vem do petróleo.
Porém, ele alerta para os benefícios que o plástico traz para a conservação ambiental. "Cada quilo de plástico produzido emite de 4 a 8 kg de carbono. O bioplástico evita essa liberação de metano", afirma.O plástico biodegradável ainda é um setor em crescimento no Brasil. Está em fase de formação a Associação Brasileira de Brasileira da Indústria de Polímeros Biodegradáveis Compostáveis (Abicom), que vai atuar pelo reconhecimento da cadeia produtiva do bioplástico.O engenheiro agora está em busca de investidores e parceiros agrícolas para construir fábricas do bioplástico em diversas regiões do País, com destaque para culturas locais, como a mandioca no Nordeste, a batata em Goiás ou a cana na região Sudeste. Godoy pretende também começar a exportar o produto.

domingo, 10 de janeiro de 2010

Novamont coloca rótulo ambiental em suas sacolas de compras de bioplástico


A Novamont SpA, uma empresa na área de bioplásticos, decidiu aplicar o Selo Ambiental AssoSCAI para divulgar as características da segunda geração Mater-Bi ® utilizada em suas sacolas de compras.
O rótulo indica claramente informações tanto sobre a origem biológica (quantidade de matérias-primas renováveis biológicos) e sobre a sua biodegradabilidade e compostabilidade. Ele também traz informações sobre reciclagem (para reduzir a possibilidade de contaminação cruzada com outros polímeros biodegradáveis), bem como a possibilidade de poupança de energia através de incineração.O consumidor é, assim, informados sobre o verdadeiro significado do termo "bioplástico", com a declaração explícita das características fundamentais que justificam a utilização do prefixo "bio".


Tradução e Pesquisa:Bioplastic News

sábado, 9 de janeiro de 2010

Video:Green Pen - Caneta elaborada a partir do bioplástico de milho

Video em francês sobre caneta produzida a partir do bioplástico de milho, vindo como brinde na própria caneta, sementes de tomate que podem ser plantadas em vasos após o descarte da mesma.

video

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Fator Verde impulsiona positivamente as vendas do plástico biodegradável


Como os plásticos biodegradáveis são bem vistos na categoria de produtos verdes, eles apresentam um elevado potencial de crescimento em relação às outras tecnologias amigas do meio ambiente, como a energia renovável e segmentos de produtos químicos. Oportunidades estão se proliferando em diversas áreas de aplicação, tais como embalagens, sacos plásticos, agricultura, bens de consumo eletrônico, automotivo e de saúde.
O crescimento neste setor ocorre devido a fatores como a mudança climática, as medidas governamentais favoráveis, políticas verdes de contratação praticada por governos, bem como entidades empresariais. Rigorosas normas ambientais estão impulsionando o desenvolvimento de produtos de base biológica e desencadeando o crescimento da indústria de plásticos biodegradáveis.
Uma nova análise da Frost & Sullivan, denominada - Avaliação Estratégica de Tecnologia de Aplicação e Perspectivas - considera que os produtos de consumo e embalagens têm emergido como os setores de aplicação de maior potencial dos plásticos biodegradáveis. A análise revelou que as embalagens de filmes e embalagens rígidas teve o melhor resultado em termos de nível de atratividade e possibilidade de sucesso.


Tradução :Bioplastic News

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Cooperação entre a RWE Power e a empresa BRAIN para a produção de novos produtos

Converter dióxido de carbono em biomassa microbiana ou biomoléculas, este é o objetivo da cooperação acordada entre a RWE Power AG e a empresa BRAIN de Zwingenberg. A empresa de biotecnologia quer equipar microrganismos com novas enzimas e explorar a síntese inovadora de rotas e caminhos. Dos gases de combustão, ricos em CO2 de uma central elétrica vira o alimento destes microrganismos.O processo gera produtos de biomassa,como novos biomateriais, bioplásticos e subprodutos químicos. As aplicações possíveis, que passou a ser exploradas, incluem a construção de materiais de isolamento e produção de química fina.
Uma planta experimental está sendo construida no RWE Power's Innovation Centre, em uma usina de carvão em Niederaußem.A empresa BRAIN, líder em biotecnologia branca, tem acesso a desconhecidos microrganismos. Milhões de enzimas inovadoras e rotas de síntese e os caminhos estão na sua mão. Com tal caixa de ferramentas as tecnologias da biologia sintética tornam possível a concepção de micro organismos mais eficazes. Estes, por sua vez, podem constituir uma fonte de novos produtos e desenvolvimentos de materiais de CO2. Trabalhando juntos, BRAIN e a RWE Power estão pesquisando e produzindo estes inovadores micro-organismos.
Estes novos microrganismos devem ser mais eficientes do que as espécies previamente conhecidas."Nossa busca de soluções biotecnológicas para a conversão de CO2 prova um ponto: temos a energia para levar a conservação do clima", declara o Dr. Johannes Lambertz, CEO da RWE Power. "Nossa meta é a expansão constante da nossa gama neste domínio. Assim com a diminuição e armazenamento de dióxido de carbono, queremos desenvolver outras utilizações inteligentes. Deliberadamente, estamos combinando o que sabemos sobre a geração de energia, com a participação de empresas especializadas, tais como a BRAIN.
Queremos encontrar tantas soluções diferentes quanto possível ", acrescenta Lambertz."A utilização orientada da natureza está fazendo muitos processos industriais mais eficientes e ambientalmente compatíveis e mais sustentáveis. A biotecnologia é o caminho para a indústria do futuro, que irá preservar o ambiente e seus recursos ", observa o Dr. Holger Zinke. Como co-fundador e presidente-executivo da BRAIN, ele foi vencedor do Prêmio Ambiental alemão da Deutsche Bundesstiftung Umwelt em 2008. "Queremos avançar para uma nova era de conversão de CO2", explica o diretor de investigação da BRAIN, o Dr. Jürgen Eck. "Há uma variedade de caminhos de engenharia microbiana, enquanto que oferece possibilidades de biologia sintética.Podesse conduzir a conversão mais eficiente de CO2 com estes poderosos micro-organismos. Não temos dúvidas sobre o sucesso futuro de nossa cooperação".Os microrganismos crescem mais rapidamente do que as plantas e até mesmo algas. Nas unidades de fermentação, alta densidade de células surgem a partir da qual a mutação mais intensivos podem ser induzidos. Em geral isso leva a um maior nível de conversão de dióxido de carbono. "Nossa cooperação estimula e facilita nosso trabalho de pesquisa em uso de CO2. É um passo importante no sentido de utilizar a biologia para enfrentar os desafios técnicos", salienta Dr. Johannes Ewers, New Technology / Carbon Capture & Storage Manager na RWE Power.

Tradução e Pesquisa:Bioplastic News

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Associação Européia da Indústria de Bioplásticos saúda o novo acordo assinado recentemente para a distribuição de sacos biocompostáveis na França


A Associação Européia da Indústria de Bioplásticos saúda o novo acordo assinado recentemente que apóia a distribuição de sacos bio compostaveis para a coleta de resíduos biodegradáveis na França. O novo acordo pretende disponibilizar para a população sacos para compostagem de resíduos orgânicos no varejo, a fim de promover a recolha seletiva de resíduos biodegradáveis.
A associação européia considera que esta nova iniciativa contribuirá significativamente para o meio ambiente na gestão de resíduos. "O uso de sacos de lixo compostavel certificados apóia a valorização orgânica dos resíduos biodegradáveis", diz Hasso von Pogrell, Managing Director da associação européia. "O acordo francês pode ser visto como um modelo para outros países europeus.", Acrescenta.
O convênio foi assinado pelo Ministério francês da Ecologia e Desenvolvimento Sustentável, Associação de Prefeitos da França (AMF), a Federação de Comércio e Distribuição da França (FCD), a Associação Club Bio-plastiques, a Associação dos Fabricantes de Plásticos (Plastics Europe) e a Associação das Empresas Produtoras de Embalagens Plásticas Flexíveis (Associação ELIPSO). Amarra-se tanto com a lei de orientação agrícola de 5 de janeiro de 2006 destinado a melhorar a produção de produtos compostaveis provenientes de fontes renováveis, e com as orientações expostas na Lei Grenelle, que visa apoiar a recuperação orgânica por compostagem.
A Associação de Bioplásticos Européia apóia a certificação de compostabilidade de plásticos de acordo com as normas em matéria de biodegradabilidade ou compostabilidade, tais como a ISO 17088, EN 13432 ou outras normas semelhantes. Possui selo de qualidade que é concedido apenas aos produtos que obedeçam a esses padrões rigorosos.
A Associação de Bioplásticos Européia é a associação européia que representa os interesses da indústria ao longo da cadeia de bioplásticos a completo valor. Seus membros, produzem, refinam e distribuem bioplásticos, plásticos que são ou bio basedo, ou compostavel, ou ambos. Hoje, cerca de 75 empresas são membros da Associação Européia de Bioplástico.


Tradução e Pesquisa:Bioplastic News

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Empresa baiana desenvolve um novo processo para purificar glicerina bruta para a produção de bioplástico


O avanço do programa de biodiesel do Brasil e também de países da Europa e dos Estados Unidos, têm aumentado a oferta de glicerina, principalmente na forma impura, também chamada de glicerina bruta. Os processos convencionais de purificação de glicerina bruta não têm sido amplamente usados por ter elevado custo de operação e o valor comercial da glicerina purificada esta atualmente baixo. As indústrias de biodiesel nacional e internacional serão fortemente beneficiadas com novas aplicações para a glicerina e também com tecnologias economicamente viáveis para a sua purificação.
A GLYKEM Plástico Ambiental Ltda, uma empresa incubada, em parceria com Universidade Federal da Bahia desenvolveram um novo processo para purificar glicerina bruta, subproduto da produção do biodiesel. O novo processo é baseado em extração com solventes ativo, já tem pedido de patente solicitado e já foi testado em laboratório. Em pequena escala o processo produziu glicerina com grau de pureza superior a 98,6%. Neste momento, o processo passa por ajustes para produzir glicerina com grau farmacêutico (99,5%). O novo processo de purificação de glicerina bruta tem algumas importantes vantagens técnicas e econômicas em relação aos processos convencionais, sendo a principal delas a remoção da etapa de destilação a da glicerina a elevadas temperaturas e condições sub-atmosféricas. Esta vantagem tem reflexos técnicos e econômicos tanto durante a implantação de uma unidade de purificação, quanto durante a operação, principalmente devido à diminuição do custo de materiais e consumo de energia. Uma vantagem adicional do novo processo reside no aproveitamento das impurezas de caráter orgânico e inorgânico em forma de compostos químicos com valor de mercado que justificam o aproveitamento, enquanto que os resíduos gerados pelos processos convencionais constituem um passivo ambiental.
A GLYKEM também esta investindo no desenvolvimento de novas aplicações para a glicerina, dentre as quais, o desenvolvimento de polímeros biodegradáveis. O objetivo é desenvolver tecnologia capaz de viabilizar a produção de plásticos biodegradáveis com propriedades compatíveis a aplicações em utensílios descartáveis.
A GLYKEM esta prospectando parceiros para a produção e comercialização de seus produtos e processos.

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Bioplástico: A Solução de 8 por cento


Já está mais do que certo que o futuro dos plásticos está no bioplástico, uma vez que as reservas de petróleo irão terminar e uma conseqüente elevação do seu preço o transformará em uma matéria-prima muito cara. Mas a alternativa é para um futuro distante, medido em termos de décadas, diz Frederic Scheer, presidente e fundador da Cereplast Inc., empresa que projeta e fabrica plásticos sustentáveis.
Scheer pode ser um visionário e um pioneiro quando se trata de bioplásticos, mas ele também é realista sobre o desafio e o esforço que será necessário para penetrar e começar a substituir o mercado de plástico tradicional. Os maiores avanços do bioplástico irá ocorrer primeiro nas embalagens e nos mercados de foodservice, diz Scheer.
Porém o bioplástico não estava na agenda de ninguém na COP15, diz Scheer. "Eles não percebem que os bioplásticos são parte da solução." Sobre uma solução de 8%, porque derivados de combustíveis fósseis compõem 8 por cento do consumo de combustíveis fósseis, lembra Scheer.É "triste mas é verdade que as pessoas são ambientalmente consciente quando é conveniente e acessível", admite Scheer.
Esse é outro aspecto do vício insidioso do petróleo: o bioplástico é uma alternativa digna para os produtos derivados de combustíveis fósseis e é cativa para o preço do petróleo e não vai realmente decolar até que o preço do petróleo suba e se mantenha a um nível elevado. Alguém acredita que as principais empresas petrolíferas vão deixar isso acontecer?

domingo, 3 de janeiro de 2010

Produção de PHA a partir de resíduos, subprodutos agrícolas e produtos petroquímicos


Uma equipe de pesquisadores do University College de Dublin, recentemente patenteou um processo para produzir garrafas plásticas a partir do bioplástico, e a patente levou à formação de uma empresa,a Bioplastech Ltd., para desenvolver, transformar e comercializar a tecnologia.
O Dr. Kevin O'Connor, fundador e CEO da Bioplastech, liderou a equipe e o plástico biodegradável que produzem é chamado de polyhydroxyalkanoate (PHA).
A Bioplastech baseada na Irlanda converte resíduos, subprodutos agrícolas e produtos petroquímicos em PHA, um poliéster linear produzido por fermentação bacteriana de açúcar e de lipídios que pode armazenar carbono e energia.
A empresa, que foi formado no ano passado, emprega 10 pessoas, também está voltada para a produção de óleos usados em alimentos e bio diesel.

sábado, 2 de janeiro de 2010

Fórum Econômico Mundial seleciona a Metabolix como a empresa pioneira em tecnologia sustentável 2010


A Metabolix, Inc. , uma empresa de biociências focada no desenvolvimento de soluções sustentáveis para os plásticos, produtos químicos e indústrias de energia, anunciou recentemente que foi nomeada para o Class of Technology Pioneers 2010 pelo World Economic Forum (WEF).
Para ser selecionado como uma Pioneira em Tecnologia pelo WEF, a empresa deve estar envolvida no desenvolvimento de uma mudança de vida na inovação tecnológica e ter o potencial de impacto em longo prazo nas empresas e na sociedade. Além disso, deve demonstrar liderança visionária e mostrar todos os sinais de uma longa liderança no mercado sustentável, e sua tecnologia deve ser comprovada.
O WEF identifica e integra as empresas ao redor do mundo que estão envolvidos no projeto e desenvolvimento de novas tecnologias. O objetivo do Fórum é identificar e abordar questões orientadas para o futuro da agenda global e ainda o Fórum tem o compromisso com a melhoria do estado e do mundo.
Como parte deste reconhecimento, o presidente da Metabolix e CEO Richard P. Eno irá juntar-se ao Fórum Econômico Mundial com líderes empresariais, líderes políticos, organizações não-governamentais, cientistas e acadêmicos durante o WEF Annual Meeting 2010, em Davos-Klosters, na Suíça, em janeiro.
"Estou honrado que Metabolix tenha sido reconhecida como uma Pioneira em Tecnologia pelo World Economic Forum e estou animado para representar a empresa em Davos," disse o Sr. Eno. "Fiquei satisfeito ao ver que o tema no encontro anual do Fórum será, Como Garantir a Sustentabilidade , é um excelente local para partilhar a nossa opinião sobre como a ciência pode desenvolver as soluções sustentáveis necessárias para diminuir a dependência do mundo em energia fósseis, reduzir as emissões de dióxido de carbono e as questões críticas de resíduos sólidos. "
"Ficamos realmente impressionados com a qualidade, quantidade e diversidade dos candidatos deste ano, tornando o processo de seleção o mais difícil até agora. Gostaria de felicitar a Class of Technology Pioneers 2010. Essas empresas podem ter muito orgulho de receber tal distinção respeitada e cobiçada ", disse Kevin E. Comolli, Managing General Partner, Accel Partners, e Membro do Comitê de Seleção do Class of Technology Pioneers 2010.


Tradução e Pesquisa:Bioplastic News

Share

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More