segunda-feira, 30 de novembro de 2009

A empresa LATI apresenta LATIGEA, sua Família de Bioresinas


O interesse crescente pelos biopolimeros foi transportado diretamente para a LATI por Usuários Finais e OEMs que estão procurando um modo sustentável de projetar novos produtos.A exigência de plásticos obtidos de ativos renováveis está crescendo de fato, e a introdução de uma variedade material que apresente bioplásticos é assim obrigatória para um compositor de referência como a LATI.
O LATIGEA é o nome da família recém-criada de compostos baseados em bioresina PLA - um polímero obtido do amido de milho – que foi escolhida entre as matrizes para injeção e moldagem termoplástica, com um desenvolvimento que promete muito ainda.
Os compostos da família LATIGEA reforçados com fibras naturais e tradicionais, misturam-se com PC e poliéster etc. Este material é projetado para não apresentar nenhuma substância que possa prejudicar a saúde humana ou o ambiente.
O LATIGEA B01-V0HF é totalmente livre de fósforo vermelho, antimônio e zinco. Nenhuma outra resina plástica além do sustentável e degradável PLA matriz é introduzida na fórmula do LATIGEA B01-V0HF. Este aspecto aumenta as possibilidades reais do material ser considerado tão ecológico quanto possível, embora compostavelmente esteja ainda abaixo de uma avaliação aceitável. O comportamento de chama do LATIGEA B01-V0HF é muito interessante, a temperatura de ignição e o índice de rastreamento atual são excitantes.Os testes de UL94 evidenciam um comportamento V0 em 0.8 e 1.5 mm, GWIT é tão alto como a 800°C em 1 e 2 mm e o GWFI mostra um valor superior de 960°C em 1 e 2 mm também.O índice de rastreamento atual é saliente também, chegando ao ponto máximo de 600V. A moldabilidade é excelente, não necessitando instrumentos dedicados ou procedimentos peculiares. O LATIGEA B01-V0HF pode ser colorido também, sendo branca à cor natural do composto. O LATIGEA B01-V0HF pode ser utilizado na indústria elétrica e eletrônica, onde pode ser adotado como material para moldar caixas, housings, coberturas etc.

domingo, 29 de novembro de 2009

A empresa Gemalto apresenta o primeiro cartão de crédito inteligente produzido com material bio-originário


A Gemalto, líder mundial na segurança digital, lançou no dia 16 de novembro de 2009 os primeiros cartões inteligentes degradáveis produzidos com matéria-prima de fonte renovável do mundo. O corpo de cartão é feito do material renovável, é facilmente reciclável e compostavel, e pode ser incinerado sem as emissões de fumos tóxicos. Adicionalmente, a embalagem de ofertas de Gemalto é elaborada com tinta e papel reciclados que significativamente reduz o impacto ambiental do produto.
Os cartões inteligentes bio-originário Gemalto estarão prontos para a produção em massa no primeiro quarto de 2010. Esta ruptura das linhas de inovação responde uma exigência permanente longa de bancos e operadores ao redor do mundo. Para suprir esta necessidade de mercado, a Gemalto oferece um cartão bancário inteligente bio-originário e um cartão SIM bio-originário, cada um complacente aos padrões da indústria no seu respectivo setor.
A Gemalto também apresentará neste ano no seu portfólio,Cardápios e Crachás de identificação. Os cartões inteligentes bio-originários completam o rol da Gemalto de cartões ecológicos, feitos de materiais à base de papel, bem como ABS e PETG , uma alternativa sem cloro a cartões de cloreto de polivinilo. A companhia optou pelo polímero que não contém cloro até o final dos anos 1990 e hoje, adotando material que se origina de agro produções é um passo principal na promoção de soluções sustentáveis para vendedores de cartão e usuários finais.
"A Gemalto sempre acredita que uma solução alternativa é realizável," comentou Tan Teck Lee, chefe do escritório de Tecnologia e Inovação da Gemalto. "Estamos extremamente orgulhosos em ter desenvolvido os primeiros cartões inteligentes degradáveis do mundo que o mercado estava buscando. Esse produto lança o escopo dentro dos limites da estratégia corporativa da Gemalto de proporcionar à sustentabilidade, com produtos e processos de fabricação que têm um impacto ambiental reduzido."

sábado, 28 de novembro de 2009

A empresa Norte Americana BioSolar Começa a Produção Comercial do BioBacksheet-C


A empresa norte americana BioSolar que desenvolve tecnologias para produzir células solares fotovoltaicas (PV) de materiais de fontes renováveis que reduzem o preço das células, anunciou recentemente que a fase de pesquisa e desenvolvimento do BioBacksheet de propriedade da companhia foi concluída..
“Projetado especificamente para módulos de célula solares PV sensíveis, a preço econômicos, esperamos que o BioBacksheetTM-C contribua para a abaixar o preço por watt da energia solar,” disse o doutor David Lee, Presidente Executivo da BioSolar. “Uma produção inicial foi recentemente concluída em um dos nossos parceiros de fabricação e logo as amostras serão disponíveis para todos os fabricantes de módulo de PV interessados.”
A BioSolar está trabalhando para fazer a energia solar "mais verde" e mais disponível desenvolvendo alternativas naturais, não-tóxicas ao filme à base de petróleo usado hoje pela maior parte de fabricantes de módulo solares à base de silício. A sua linha BioBacksheets ™, feito de fontes renováveis e sem o uso de petróleo, encontra ou excede as características de vários padrões de realização da indústria de PV e é esperado custar significativamente menos do que filmes à base de petróleo atuais.
“O BioBacksheet ™-C iguala ou excede todas as qualificações de padrão da indústria,” disse doutor Stanley B. Coleta, Chefe do setor de Tecnologia da BioSolar. “Eles foram testados e passaram alguns por testes mais rigorosos de 1703 UL, os Laboratórios de certificação de PV, inclusive o teste de calor e umidade, onde o módulo é exposto a 85 graus °C e RH de 85 % durante 100 horas e o teste de Hipot, que é uma medida da resistência do circuito depois que o módulo é submerso na água.”
“O BioBacksheet ™-C é um sistema que é altamente resistente a água e contém grande força dielétrica combinada com o filme de celulose,” acrescentou doctor Lee. “O substrato é um material celulósico coberto de um outro material para reduzir a taxa de transmissão de vapor de água e aumentar a resistência de abrasão.”


sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Conferência e Exposição Hortifair Internacional de 2009


Desenvolvendo produtos que incluem vasos de flor e bandejas, embalagens, bem como bolsas, etiquetas e outros produtos elaborados de recursos renováveis em vez do petróleo, os expositores da Conferência e Exposição Hortifair Internacional de 2009 asseguram o tema do evento – “Para o Futuro Sustentável”. Cada uma dessas linhas de produtos elaborados de bioplastico Ingeo assegura emissões de gás de estufa mais baixas do que os plásticos à base de petróleo e é também compostavel conforme o padrão EN13432 europeu.
“Os fornecedores da indústria de horticultura são inovadores no desenvolvimento de produtos plásticos que não só executam bem, mas também baixam o impacto ambiental gerando menos CO2, e fornecendo compostagem industrial como uma nova opção depois do uso” disse Mark Vergauwen, Gerente Comercial da NatureWorks,“Estamos excitados para ver a realidade comercial dos produto para horticultura Ingeo demonstrada em 2009 na Hortifair”.
A Desch Plantpak B.V introduziu o D-grau ® Bio na Hortifair, uma linha de vasos de plantas plásticos termoformadas, bandejas, e pacotes feitos entre outros do bioplástico Ingeo. Esta nova linha vai de encontro as exigências de uso de clientes de horticultura comerciais ao mesmo tempo reduzindo tanto emissões CO2 como consumo de energia comparados aos produtos tradicionais. “Contribuímos para um meio ambiente melhor com o D-grau Bio garantindo ainda a utilidade técnica e econômica dos produtos” acentuou Wouter Zieck da Desch Plantpak.
Outro expositor a Van der Windt Verpakking, que é reconhecido pela sua linha de embalagem 100% biodegradáveis e que possui certificado de compostabilidade conforme o Padrão13432,apresentou etiquetas Ingeo, mangas, bolsas de transporte, bandejas e caixinhas para frutas delicadas. “Estamos vendo que o nosso cliente está dando valor as contribuições positivas em direção ao ciclo de carbono e a exaustão das matérias-primas não renováveis por isso usam a nossa embalagem bio baseda,” comentou Huib Burggraaf da Van der Windt Verpakking.

Fonte: http://www.natureworksllc.com

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Utensílios para Crianças Feito com Bioplástico de Milho


Até os mais céticos diriam que seria impossível alguém construir algo a partir de milho até bem pouco tempo atrás, principalmente plástico!
Pois bem, com a forte e crescente campanha contra o Bisphenol-A e a utilização dos subprodutos de petróleo para a produção de plástico, algumas formas de produção de plástico começaram a despontar no mercado e cada vez mais produtos e utensílios duráveis, estão sendo produzidos com matéria prima orgânica e renovável.
Estes talheres e utensílio da Dandelion, tais como pratos e copos, são feitos com base na matéria prima do milho, são recicláveis e ainda possuem embalagem feita com material 100% reciclável.
O importante destes produtos feitos com bioplástico, é a importância do início da indústria menos poluente, pois enquanto não houver substância equivalente ao plástico de petróleo, fica difícil sua substituição, mas com esta nova matéria prima para o plástico, fica bem mais fácil substituir o feito com petróleo.
Por enquanto ainda não há, restrições (totais) contra o Bisphenol-A, mas esta substância já está sendo restrita em alguns países, e enquanto não sai a proibição total é melhor evitá-la, pois como dizia vovó, é melhor prevenir do remediar.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Tetra Pak e Braskem assinam acordo para produzir embalagem de Polietileno de cana de açucar


A Tetra Pak fechou um acordo com a companhia petroquímica brasileira, Braskem SA, para comprar polietileno de alta densidade (HDPE) produzido de fonte renovável (cana de açúcar). O acordo representa o primeiro movimento em direção à utilização de polietileno verde na indústria de embalagem (caixas de leite etc...).
A Braskem espera ter a primeira escala comercial do mundo na fabricação de polietileno verde, até o final do próximo ano e início de 2011 fará as primeiras entregas a Tetra Pak. Será usado o etanol conseguido da cana de açúcar para produzir o etileno, que então será convertido no polietileno, o plástico mais comumente usado no mundo. É previsto que o processo resulte em uma redução total de emissões de gás de estufa comparando com o processo tradicional de fabricação do polietileno.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Brasileiros fazem bioplástico com lixo


Cientistas do Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo (IPT) descobriram mais uma fórmula para se produzir plástico biodegradável a partir de matéria-prima orgânica considerada lixo por indústrias de alimento. O novo plástico utiliza cascas de frutas, de indústrias de sucos, e bagaço de cana-de-açúcar, que já é empregado para esta finalidade comercialmente, numa associação com amido de milho.
As principais vantagens do novo bioplástico são: o fato de usar resíduos como matéria-prima e a rapidez com que o material se degrada após a utilização.Segundo Maria Filomena Rodrigues, uma das pesquisadoras do instituto, o novo bioplástico “desaparece em cerca de seis meses”.
Para produzi-lo, bactérias são armazenadas num tanque e superalimentadas com as matérias-primas. Com comida em excesso, as bactérias convertem o material orgânico em pequenos grãos, produzindo um estoque de energia. Essa conversão é o segredo do bioplástico: quando estão grandes, as bactérias são dissolvidas e transformadas em pó, ideal para a confecção de objetos e embalagens descartáveis.A meta do IPT, agora, é tentar produzir bioplástico a partir de qualquer material orgânico.

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Ultigreen T TM : único laminado realmente biodegradável e compostavel, impresso da indústria alimentar.


Uma equipe técnica de pesquisas de embalagens da empresa Ultimate Packaging acredita ter produzido o primeiro produto 100% ambientalmente correto no mundo como parte de um empreendimento conjunto entre a empresa Innovia filmes e a indústria de Produto Químico Sun. A empresa sediada no Reino Unido acredita que o Ultigreen T TM é o único laminado realmente biodegradável e compostavel, impresso da indústria alimentar.
O Gerente Técnico da Ultimate Packing, Derek Gibson, explica "Até agora, só uma pequena cobertura de tinta pode ser usada para permitir produtos passar pelo padrão EN13432 e ser taxado como biodegradável”. O novo Produto Químico da SUN que é a tinta híbrida permite a cobertura de impressão total em pacotes alimentares, mais o adesivo biodegradável aplicado ao filme l da Innovia possibilita que este produto seja classificado como feito de componentes totalmente biodegradáveis.
"Selecionamos um desenho de chá promocional para comprovar que a tinta biodegradável recentemente desenvolvida e o adesivo são compatíveis.”
A equipe está trabalhando agora em novos produtos que usam a nova tecnologia de tinta e adesivo para produzir filmes flexíveis compostaveis e completamente biodegradáveis aos seus clientes de indústria alimentares.
"Isto realmente é um desenvolvimento excitante para nós e acreditamos que ele tem o potencial enorme”, diz Chris Tonge, Diretor de Marketing e Vendas da Ultimate Packing. "É só primeiro de vários novos produtos que estabelecerão o nosso negócio dirigido por família à parte dos nossos concorrentes."

sábado, 21 de novembro de 2009

Empresa alemão vende “madeira líquida”


Dois cientistas alemães (Juergen Pfitzer e Helmut Naegele) inventaram a “madeira líquida,” que tem o potencial de conservar o combustível fóssil e os recursos naturais significativamente. Os cientistas encontraram na lignina, um ingrediente chave da madeira, que pode “ser transformado” em um bioplástico. A Lignina, combinada com resinas, e outras fibras naturais dá forma a uma massa que possa ser processada como todo o outro material termoplástico. O bioplástico pode ser moldado através de máquinas da injeção, é durável além de ser super preciso quando moldado. O bioplástico foi chamado de Arboform (arbor é o nome Latin para a árvore).
Esta “madeira líquida” tem um grande potencial ambiental: Arboform degrada como a madeira (em dióxido carbono, água e humus ), e seus inventores dizem que nenhuma árvore necessita ser derrubada para produzir Arboform.
O cientista reivindica que a lignina poderia substituir milhões dos tambores de petróleo usados para fazer plásticos tradicionais. “Usando-se a lignina, nós poderíamos substituir um quarto da produção plástica do mundo,” disse Pfitzer.
Com esse potencial na mente,os cientistas d fundaram em 1998 a Tecnaro, uma companhia para desenvolver comercialmente o Arboform. Baseada no estado de Baden-Wuerttemberg (Alemanha),a Tecnaro começou com dois empregados. A empresa possui hoje 14 empregados, resistindo as ofertas das grandes companhias químicas, entre 2005 e 2009, quintuplicou suas vendas. Em 2010,a Tecnaro irá produzir 275 toneladas de Arboform e diversos outros polímeros biodegradáveis e renováveis desenvolvidos em anos passados. A Technaro tem no presente, uma capacidade de 5.000 toneladas de produção anual.
Diversos produtos feitos de Arboform foram revelados, incluindo brinquedos para bebê, carcaças para relógios, instrumentos musicais (o Arboform tem como a madeira qualidades acústicas), pinos para golf que degradam no curso das partidas etc....A empresa italiana de sapatos Sergio Rossi (parte do grupo de Gucci) lançou recentemente um sapato para mulheres ecologicamente correto com uma sola e salto feito de Arboform.
Pfitzer admite que foi muito duro penetrar no mercado alemão dos plásticos, principalmente porque precisa de muito tempo para um produto ser aprovado. Quando Arboform puder ser colorido, o bioplástico não será somente branco ou transparente. Mas há mercados em que o Arboform poderá ser muito utilizado: a Tecnaro está depositando especificamente suas fichas no setor automobilístico. O bioplástico é parecido como a madeira mas empresta umas possibilidades muito maiores para os projetos.

A Tecnaro tem participado recentemente em cooperações para desenvolver materiais interiores elaborados com o Arboform com a Daimler, a Takata-Petri, a Bosch e a Fischer automotrizes. Como em cada produto novo, fixar o preço é a chave. Quando os plásticos regulares custam entre 70 centavos a $3.20 por libra, o preço para oArboform começa por $1.70 por libra. Se o preço do petróleo continuar a subir, então o Arboform pôde mesmo ser um dia mais barato. Seu Tag de preço ambiental é já duro de bater.


sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Você sabe como se faz sacolas plásticas?Veja o video

Você sabe com se produz sacolas plásticas?Se não sabe e tem curiosidade para conhecer o processo de fabricação,veja o video a baixo que mostra a elaboração de sacolas plásticas.

video

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Uma palavra:Bioplástico


A Cada ano, mais de 540 bilhões de libras de plástico são produzidos no mundo inteiro. A maior parte dele termina nos oceanos do mundo, um fato que incomoda o professor de biologia Anthony Sinskey.
“O plástico não degrada no oceano. Ele somente se transforma em partículas muito pequenas,” diz ele. No Oceano Pacífico, um vasto espaço duas vezes o tamanho do Texas abunda com pedaços muito pequenos de plástico à base de petróleo que pode envenenar a vida oceânica.
Sinskey não pode fazer muito sobre o plástico que já está poluindo os oceanos da Terra, mas ele está tentando resolver o problema para não piorar. No próximo mês, uma companhia que ele fundou com Oliver Peoples, abrirá uma nova fábrica que usa a tecnologia MIT(massachusetts institute of technology)
-patenteada, para construir bioplástico de milho. A fábrica aspira produzir anualmente 110 milhões de libras do novo bioplástico, que se biodegrada no solo ou no oceano.
Isto é uma fração da produção plástica total dos Estados Unido, que somou 101.5 bilhões de libras em 2008. Embora leve muito tempo ainda para que o bioplásticos possa competir com o petróleo baseado, a indústria tem o potencial de crescimento significativo, diz Melissa Hockstad, vice-presidente de ciência, tecnologia e assuntos reguladores da SPI: a Associação de Comércio e Indústria de Plásticos.
“Os Bioplásticos estão fazendo invasões em novos mercados e são uma área importante para o futuro da indústria de plásticos,” diz Hockstad, que observou que o mercado global atual do polímero biodegradável é previsto em aproximadamente 570 milhões de libras por ano, mas esperasse duplicar antes de 2012.

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Samsung Reclaim


O novo Samsung Reclaim está sendo divulgado como o primeiro telefone no os EUA ecológico construído a partir de bioplásticos.Produzido a partir de 80% de materiais recicláveis, Samsung Reclaim traz para o consumidor mais consciente um produto para que ele possa comprar sem se sentir muito culpado.
A parte exterior do aparelho é feito de 40% de um bioplástico, feito de milho. É livre de PVC, os ftalatos, e praticamente livre de BFR: três materiais comumente apontados como antiecológicos.
A embalagem exterior e a bandeja são feitos a partir de 70 por cento de material reciclado. As imagens e texto na caixa são impressos com tinta à base de soja.O manual impresso foi substituído por um manual virtual que os usuários podem ter acesso on-line.

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Bioplásticos:uma alternativa para os plásticos petróleo baseados


O bioplástico é uma das grandes esperanças para a humanidade. Criado a partir de sustâncias vegetais, tem a ventagem de ser biodegradavel e é, por tanto, uma alternativa sustentavel ao plástico derivado de combustiveis fósseis que utilizamos agora e que provoca o colapso nos sistemas de tratamentos de residuos.
O bioplástico é um polímero fabricado a partir de matérias-primas naturais (como amido, celulose, cereais, óleo de soja, fécula, etc.), que são processadas por organismos vivos (fungos, bactérias e algas), e não produz contaminação em sua produção, porque é biodegradavel.
Tem a mesma resistência e rigidez do plástico normal, podendo se usar em embalages e envases (em alguns países da Europa se utiliza como material para embalagem/envoltura de produtos alimenticios), em garrafas, espumas, e produtos higiênicos. Outros usos importantes se está començando a dar na electrônica e telefonia móvel: Mitsubishi e Sony lançaram no Japão uma carcaça para Walkman feita com plásticos biodegradaveis. A Motorola criou uma tampa para seus telefones móveis que podem ser recicladas mediante a técnica de compostagem. Diversas empresas como Pioneer, Sanyo e Sony estão desenvolvendo discos de armazenamento e a Fujitsu, Hewlett-Packard e NEC carcaças de calculadoras a partir de diversos materiais bioplásticos. Outra novidade na área onde os bioplásticos estão sendo importantes é na biomédica: a engenharia de tecidos (que fabrica tecidos humanos a partir de materiais biodegradaveis) abre a esperança a futuras produções de órgãos para substituições. Os cientistas que trabalham nsta área estão conscientes de que faltam ainda décadas para que se possam criar figados, rins e corações, mas algumas aplicações como placas e parafusos biodegradaveis ja estão sendo empregados na atualidade em cirurgias de ossos.


segunda-feira, 16 de novembro de 2009

A Coca-cola no Canadá Lança o "PlantBottle™”


A Coca Cola do Canadá anunciou hoje que a nova embalagem PlantBottle será apresentada para todos nos Jogos Olímpicos de Inverno de Vancouver em 2010, junto com o lançamento global deste PET. O pacote "PlantBottle" será a principal embalagem de bebida usada durante os Jogos Olímpicos de Inverno Vancouver 2010 .
A embalagem de PlantBottleTM é uma embalagem de PET feito com até 30 por cento de matéria-prima de fonte renovável. A embalagem de Plantbottle é 100 por cento reciclável. O PlantBottle é elaborado através de um processo que utiliza cana de açúcar e o melaço, um subproduto da produção de açúcar, que é um componente-chave do PET. A cana de açúcar que é usada vem de colheitas que foram processadas em etanol. Enfim, a Companhia deve usar outros tipos de resíduos, como resíduos de batatas, madeiras ou talos de trigo para produzir garrafas plásticas de PET utilizando fontes renováveis.
Vários produtos utilizarão o PlantBottle no Canadá Ocidental em Dezembro e para o Vancouver 2010 nos Jogos Olímpicos de Inverno. Os produtos disponíveis com a embalagem PlantBottle incluirão Coca-cola Zero, Coca Dieta, DASANI, Fresca, Barqs, e Fanta. Todos os produtos canadenses disponíveis na nova garrafa serão engarrafados na Companhia de Engarrafamento da Coca-cola em Calgary, Alberta , Richmond, e Colômbia Britânica.
Os planos de lançamento globais também incluem a disponibilidade na Dinamarca e nos Estados Unidos. Em todas as partes da Dinamarca a Coca-Cola, Coca-cola Light e a Coca-cola Zero em 500mL e 2L estarão disponíveis com a embalagem PlantBottle. Foram ainda selecionados os mercados nos Estados Unidos, inclusive Seattle, o San Francisco e Los Angeles, o PlantBottle será usado no DASANI em vários tamanhos e a Coca-Cola em garrafas de dois litros, que começam em Janeiro. Os futuros lançamentos das embalagens estão sendo planejados em outros mercados, inclusive o Japão e o México e para a Exposição de Xangai na China em 2010.


domingo, 15 de novembro de 2009

Algas como Matéria Prima para Green-Bio-Combustíveis e Bioplásticos


Você sabia que se gasta 500 litros de água para produzir um litro de etanol (álcool combustível) usando milho e 370 litros usando cana-de-açúcar; para produzir biocombustíveis a partir de soja se usa 14.000 litros de água por litro de biodiesel,. No entanto as algas podem produzir até 10.000 litros de óleo por hectare por ano, utilizando efluentes secundários ou outras fontes de águas residuais tratadas.
Os pontos chave para o sucesso cultivo, colheita, extração, transformação e distribuição de biocombustíveis baseados em algas são: seleção de algas de alta produtividade e alto nível de óleo ou amido; desenvolvimento de processos de cultivos controlados, mecanização e industrialização.
Atualmente existe uma verdadeira corrida das grandes empresas e centros de pesquisas mundiais para desenvolver a super-algas em todos os sentidos. Exxon-Mobil recentemente anunciou o investimento de 600 milhões de dólares só na pesquisa de algas para green-bio-combustíveis.
Visualiza-se que nos próximos anos teremos uma verdadeira revolução na produção sustentável de green-bio-combustíveis baseados em algas. E os países emergentes e líderes em Biocombustíveis, como o Brasil, o que estão fazendo para não ficarem para trás nesta corrida?
As algas crescem durante todo o ano (dependendo da tolerância de temperatura) e têm ciclos de geração e vida relativamente curto. O tempo necessário para algas duplicarem (serem colhidas) pode variar de espécie para espécie. Duplicação pode ser de 0,3 vezes por dia até 3 vezes por dia, dependendo da temperatura, horas de luz solar disponível, espécies, nutrientes, qualidade da água e salinidade.
Vantagens do uso de algas na produção de biocombustiveis e bioplásticos:

•As algas necessitam de matérias-primas que são abundantes e baratas: luz solar, água, dióxido de carbono e nutrientes (P e N);
•As algas podem ser utilizadas como matéria-prima tanto para o etanol (açúcar / amido) e biodiesel (lipídios), Bio-JetFuels e Bioplásticos;
•As algas produzem também uma vasta gama de produtos naturais: pigmentos, proteínas, enzimas, aminoácidos e vitaminas;
•Algumas algas têm conteúdo lipídico (óleo) de até 70% e até 86% de amido (carboidrato);
•As algas podem crescer (ou ser adaptadas) em condições adversas, como desertos e salinas e / ou água salobra
.
Tem-se cultivado algas utilizando efluentes secundários de estações de tratamento de esgoto. Algas respondem extremamente bem usando estes tipos efluentes.

As algas são tolerantes as condições adversas, como desertos e águas salinas e / ou salobras. As algas podem ser cultivadas em sistemas de re-circulação, como os AquaBioPonics-AquaFuelsPonics e em águas residuais-recicladas (efluentes secundários) provenientes de instalações de tratamento de esgoto e assim por diante.
As algas podem ser cultivadas numa variedades de condições e ambientes dos mais diversificados e imagináveis. Lagoas, canais rasos, horizontais e verticais proto-bio-reatores, sacos plásticos, e sistemas abertos são alguns dos recipientes e dispositivos utilizados no cultivo de algas.

sábado, 14 de novembro de 2009

Bioplástico Ingeo da NatureWorks da base ao novo telefone sem fio da empresa italiana Telecom


Depois dos lançamentos recentes de esteiras de carro para o Toyota Prius e copos revestido para líquidos quentes para os vôos da empresa aérea KLM, o polímero PLA da Ingeo dá forma agora à base dos novos telefones sem fio – Eco - da Telecom Italia. As características avançadas do Eco incluem a exposição do painel luminoso, um teclado integrado ao painel luminoso e ringtones polifônicos.
Foi projetado pelo laboratório da Telecom Itália em conjunto com a universidade de Palermo e MID design studio, além do fornecimento de credenciais ambientais certificadas,a Ingeo realça seu desempenho e estética. O produtor do Ingeo a NatureWorks informa que para 30.000 unidades sem fio produzidas com o bioplástico Ingeo são economizados 36 barris de petróleo, um mês cheio da energia elétrica para 108 cidadãos europeus, ou dirigir um carro médio por 75.000 quilômetros.

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

A BASF está oferecendo agora um novo plástico biodegradável

A BASF está oferecendo agora um novo plástico biodegradável. Ele recebeu o nome de Ecovio ® FS e foi incorporado a linha de produtos Ecovio. A BASF criou este novo plástico para duas aplicações específicas: para cobrir papel e para filmes, que servem para enrolar facilmente mercadorias empacotadas. Por essa razão, os dois novos tipos de plásticos serão chamados Ecovio FS Papel e Ecovio FS Filme. Como foi demonstrado em experimentos recentes, o novo Ecovio FS biodegrada-se mais rapidamente do que os seus predecessores, e ele tem um alto conteúdo de matérias-primas renováveis. “O Ecovio FS compõe-se do novo Ecoflex bio ® FS (um poliéster biodegradável feito pela BASF) e do PLA (ácido poliláctico), que é extraído do amido de milho. O uso do novo Ecoflex FS aumenta a proporção do material bio , chegando a 66 % no Ecovio FS Flme e 75% no Ecovio FS Papel ,” explica Jürgen Keck, que encabeça os negócios da BASF com plásticos biodegradáveis no mundo.

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Cereplast espera que o mercado de biolásticos dos Estados Unidos exceda 10 bilhões de dólares antes de 2020


A Cereplast anunciou nesta semana que espera que o mercado de bioplásticos dos Estados Unidos exceda 10 bilhões de dólares em vendas antes de 2020. Desde 2007, o mercado de bioplásticos dos Estados Unidos prestou contas de aproximadamente 1 bilhão de dólares em vendas. Algumas estimativas apontam que os bioplásticos terão até 30 % do mercado de plásticos dentro de dez anos.
As novas iniciativas 'Verdes' da administração Obama e a exigência crescente dos consumidores para plásticos provenientes de fontes renováveis e compostáveis estão impulsionando o mercado. “Acreditamos que os produtos de ruptura das linhas inimigas como o nosso Cereplast Compostables ® e Híbridos Cereplast ® estão permitindo os fabricantes terem outra visão sobre a embalagem ambientalmente responsável e sustentável,” afirmou Frederic Scheer, Fundador e CEO de Cereplast. “Os nossos bioplásticos à base de algas, atualmente em desenvolvimento, abrirão logo uma nova fonte de matéria-prima não alimentícia e resultarão em uma larga variedade de novas aplicações.”
“Os consumidores americanos estão obrigando os principais fabricantes e varejistas a buscarem soluções ambientalmente conscientes. Muitos dos maiores varejistas já projetaram adotar embalagens alternativas, inclusive Wal-mart e a Coca-Cola,” acrescentou Scheer.


quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Bioplásticos biodegradáveis e compostáveis

A Biomater Eco-Materiais, empresa de base tecnológica, produz matéria-prima para plásticos a base de produtos agrícolas como mandioca, batata, milho, girassol, cana de açúcar, tabaco, celulose, etc. Conhecidos como Bioplástico, esse material chega ao mercado para oferecer uma alternativa ao uso do petróleo. Com ele, é possível fabricar sacos de lixo e sacolinhas de plástico que não agridem o meio ambiente. O material tem certificação biodegradável compostável, ou seja, se decompõe em menos de 180 dia. O processo de compostagem natural se transforma em humos. O lixo orgânico deixa de produzir gases de efeito estufa contribuindo de forma positiva para o ciclo do carbono.
Estima-se que para cada quilo de plástico produzido com petróleo, são emitidos de 2 a 4 quilos de gás carbônico na atmosfera.O bioplástico pode ser processado nas mesmas máquinas usadas para plástico comum. A tecnologia terá um grande impacto para toda indústria de transformação de embalagens termoplásticas, papel, papelão, descartáveis em geral, produtos para agricultura e para a indústria de reflorestamento. O bioplástico já é utilizado por empresas como a Mamaplast. Ecoplast e Taiff.A Biomater Eco-Materiais trabalha em parceria com a Universidade de São Paulo (USP), UFSCar, Embrapa e Rodenburg Biopolymers BV.

video

Fonte:http://www.ethos.org.br

terça-feira, 10 de novembro de 2009

A produção de bioplásticos para 2013


Segundo um novo estudo do grupo de pesquisa dos E.U.A, Freedonia, a procura global por bioplásticos, que incluem resinas plásticas biodegradáveis ou derivados originários de fontes vegetais, quadruplicará chegando a 890,000 toneladas métricas em 2013. Este crescimento extraordinário será alimentado por uma série de fatores, incluindo a demanda dos consumidores por produtos ambientalmente mais sustentáveis, o desenvolvimento de bio matérias-primas para resinas plásticas e as crescentes restrições à utilização de produtos de plástico petróleo baseado, nomeadamente sacos de plástico.Mais importante, porém, será a esperada continuação da alta dos preços do petróleo e do gás natural, que permitirá que os bioplásticos se tornar mais competitivo com as resinas à base de petróleo. Mais adiante em 2018, a demanda mundial por bioplástico deverá atingir quase dois milhões de toneladas, com um valor de mercado de mais de US $ 5 bilhões.
Plásticos biodegradáveis, como as resinas de amido, ácido polilático e poliésteres biodegradáveis, representam à maioria dos inquiridos (cerca de 90 por cento) bioplásticos na demanda de 2008. Ganhos de dois dígitos são esperados para continuar seguindo em frente, alimentada em parte pelo surgimento de polihidroxialcanoatos (PHAs) -, como as resinas Telles Mirel.No entanto, plástico não-biodegradáveis à base de etanol será o principal condutor da demanda de bioplásticos. Nos próximos anos, a Dow Chemical ea Braskem estão planejando abrir fábricas no Brasil que produzirá polietileno a partir de etanol. Outras empresas são esperadas para abrir a produção de cloreto de polivinilo e instalações de polipropileno bio baseados. Como resultado, a demanda por plásticos não-biodegradáveis à base de plantas irá aumentar a partir de apenas 23,000 mil toneladas em 2008 para cerca de 600,000 toneladas métricas em 2013.
A Europa Ocidental foi o maior mercado regional de bioplásticos, em 2008, representando cerca de 40 por cento da procura mundial. As vendas de Bioplásticos na região sofreram benefício da forte demanda por biodegradáveis e de produtos à base de plantas, um ambiente regulamentador dos bioplásticos sobre as resinas de petróleo, e uma ampla infra-estrutura para a compostagem. No entanto, o crescimento mais rápido da procura será encontrada na região Ásia / Pacífico, que passará a ser igual no mercado da Europa Ocidental em 2013. Os ganhos serão estimulados pela demanda forte no Japão, que se concentrou sobre a substituição de plásticos à base de petróleo. Outras regiões do mundo, como América Latina e Europa Oriental, verá ganhos maiores apesar da procura ser muito pequena, em 2008.
Atualmente, a produção de bioplásticos no mundo está fortemente concentrada nos países desenvolvidos da América do Norte, Europa Ocidental e Japão. Isso vai mudar drasticamente em 2013, a China deverá abrir mais de 100,000 mil toneladas de capacidade de bioplásticos novo. Além disso, uma vez que as plantas de produção de polietileno e de cloreto de polivinilo ficarem prontas, o Brasil vai se tornar o maior produtor do mundo de bioplásticos em 2018.


segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Robbie Mfg – Hot N Handy Bio-Pouch


A nova embalagem de para sanduiches Hot N Handy Bio-Pouch criada por Robbie Mfg ’s e uma alternativa mais verde para embalagem de sanduiches frescos. Produzido com celulose de madeira wrap filme baseado não apenas absorve a umidade para impedir o pão do sanduíche encharcado, mas ela também reduz a quantidade de materiais de embalagem necessários e elimina resíduos de embalagens através compostabilidade.
O filme NatureFlex é produzido pela Innovia Films.
Em sua Análise Ciclo de Vida verificou-se uma série de ganhos verdes sobre as embalagens de plástico rígidos. Entre eles, o Bio-Pouch usa 92% menos petróleo, reduz as emissões de CO2 em 56% e reduz o desperdício de material de embalagem em 75%. Além disso o Bio-Pouch leva 5.5 million kg de material para fora da cadeia de abastecimento, anualmente, as caixas de embarque são 78% menores, permitindo transportar mais embalagens em 171% a mais por palete, e reduz o número de caminhões em 63%. Estes números são baseados nas vendas estimadas de 163 milhões de sanduíches vendidos em supermercados anualmente.

domingo, 8 de novembro de 2009

É realizado estudo de viabilidade técnica e econômica de implantação de uma unidade de produção de bioplástico junto à Fecularia de Arapiraca-Alagoas


A Secretaria de Estado da Ciência, da Tecnologia e da Inovação (Secti), sediou a reunião com a Biomater Eco-materiais, no mês de setembro. A reunião serviu para informar os parceiros sobre o trabalho da consultoria da Biomater em Alagoas, e ainda discutiu a elaboração do estudo de viabilidade técnica e econômica de implantação de uma unidade de produção de bioplástico junto à Fecularia de Arapiraca.Segundo o coordenador do Programa de Mobilização para Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais de Alagoas- PAPL/AL, Ronaldo Moraes, atualmente a Fecularia de Arapiraca está com suas atividades paralisadas devido a problemas de manutenção técnica, mas em pouco mais de um mês voltará a funcionar.
Tão logo volte a funcionar, explica Ronaldo Moraes, a Fecularia implantará também a Fábrica de Bioplástico, que terá como matéria-prima o amido da mandioca.Para a secretária da Secti, Kátia Born, esse processo fortalecerá a produção rural da região, que futuramente também receberá o Polo Agroalimentar. “A Fecularia será fortalecida com a produção do bioplástico. Estamos empenhados nessa parceria que envolve trabalho e visão produtiva”, declarou.
O projeto da fábrica de bioplástico nasce de uma parceria entre o Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Secretaria de Estado da Agricultura (Seagri), Secretaria de Estado da Ciência e da Tecnologia (Secti), Fundação de amparo à Pesquisa de Alagoas (Fapeal), Secretaria de Estado do Planejamento (Seplan), Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), Cooperativa dos Produtores Rurais de Arapiraca (Cooperal), além da prefeitura de Arapiraca.


sábado, 7 de novembro de 2009

Toxinas encontradas em calçados que utilizam plástico petróleo baseado


Um estudo ambiental internacional encontrou altos níveis de toxinas em sandálias sul africanas, que podem causar séries problemas de saúde em longo prazo.No estudo intitulado “Chemicals - up close. Plastic shoes from all over the world",a Sociedade Sueca da Conservação de Natureza (SNCC) encontrou "pertubadoras concentrações" de produtos químicos perigosos em vários sandálias e calçados à base de plástico, testados ao redor do mundo, inclusive quatro pares de sapatos comprados de varejistas sul africanos bem conhecidos.
A investigação SSNC foi conduzida em colaboração com seis organizações de pesquisa nas Filipinas, Índia, África do Sul, Uganda, Tanzânia e a Indonésia. Cada organização comprou sapatos e analisou-os quanto a um número de produtos químicos que podem causar problemas ambientais no país onde eles são produzidos ou onde os sapatos são usados e descartados.
Na África do Sul Base da organização foram comprados quatro pares na Woolworths, Pep, The Hub and Selfast..Dos 27 sapatos que foram testados no total, o SNCC encontrou altos níveis de ftalatos em 17 desses produtos.Usa-se largamente os Ftalatos, produtos químicos usados para amolecer o cloreto de polivinil (cloreto de polivinilo), causando complicações de saúde como infertilidade e problemas testicular entre homens, desordens endócrinas, problemas no nascimento, e até câncer.
O conteúdo de ftalato mais alto, 23.2 %, foi encontrado em um par de sapatos comprados na Woolworths. Segundo o relatório de SNCC, o sapato, manufaturado no Brasil, compôs-se inteiramente de cloreto de polivinilo, e o valor de DEHP analisado conseqüentemente aplicado ao sapato inteiro. Este valor significa que este par de sapatos conteve um total de 76 gramas de DEHP, diz o relatório.


sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Bioplásticos: novos estudos apontam um potencial enorme


A Associação Européia de Bioplásticos juntamente com a Rede de Excelência de Polissacarídeo Européia EPNOE publicaram hoje um estudo sobre plásticos bio baseados. As previsões acerca do desenvolvimento da capacidade e potenciais de substituição técnicos são o foco das investigações. Os autores da Universidade de Utrecht estimam que um potencial de substituição de até 90 por cento do consumo total de plásticos pelo polímero bio é tecnicamente possível. A que velocidade esta substituição ocorrerá depende de vários de fatores.
O novo biopolímero está disponível no mercado há aproximadamente uma década. Recentemente, o polímero padrão como polietileno, polipropileno, cloreto de polivinilo ou PET, como também o polímero de alta performance como poliamida ou poliéster está totalmente ou parcialmente substituído pelos seus equivalentes de matérias-primas renováveis. As matérias-primas iniciais são normalmente açúcar ou amidos, parcialmente também elaborados de materiais do processamento alimentar ou de madeira. No seu estudo, Martin K. Patel, Li Shen e Juliane Haufe constataram que até 90 por cento do consumo global atual dos polímeros podem ser tecnicamente convertidos de óleo e gás por matérias-primas renováveis. "Os bioplásticos não substituirão o polímero à base de petróleo no futuro próximo por várias razões como, por exemplo, o preço de produção elevado, a baixa a capacidade de produção do polímero à base de biomassa que limita o crescimento tecnicamente possível desses plásticos nos próximos anos", explica Patrick Navard, Presidente do Conselho que comanda o EPNOE.
Baseado em anúncios recentes das empresas a capacidade de produção de bioplásticos é projetada para aumentar de 360,000 toneladas em 2007 para aproximadamente 2.3 milhões de toneladas antes de 2013. Isto corresponde a um crescimento anual de 37 por cento. "Devemos conseguir com um olho fechado esses números", disse Hasso von Pogrell, Diretor-gerente da Associação Européia de Bioplásticos. "Os principais projetos ficaram atrasados nos anos 2008 e 2009 devido à crise financeira e econômica. Apesar dos dados ainda incertos, que naturalmente têm de ser consolidados, consideramos tais estudos muito essenciais. O papel que os plásticos convencionais inconseqüentemente jogados no meio ambiente no passado, substituindo materiais duráveis como ferro e aço em muitos produtos, podem ser logo substituídos por bioplásticos. De acordo com os estudo realizados, o potencial é enorme", acrescenta Von Pogrell
O estudo discute de um ponto de vista técnico todos os principais grupos de bioplásticos o processo de produção, as propriedades materiais e a extensão à qual eles podem substituir o polímero petroquímico. Os novos aspectos cobertos são os preços desses novos materiais e os seus produtores principais. Três cenários são distinguidos para estabelecer futuras trajetórias de crescimento potenciais, um cenário de base, um otimista e um cenário conservador. Os resultados desses cenários são também comparados com os achados de um estudo prévio feito em 2005. O novo estudo confirma que o progresso tecnológico substancial foi feito nos bioplásticos comparados com os cinco anos passados. As inovações em material e desenvolvimento de produto, benefícios ambientais bem como a depleção gradual do petróleo cada vez mais pedem o polímero feito de matérias-primas renováveis.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Festival de Rock com Plástico Biodegradável e Compostável

O Festival de Música das Margaridas acontecidos nos dias 09,10 e 11 de outubro nos E.U.A proporcionou o uso de embalagem alimentar biodegradável. Os produtos verdes foram usados, classificados e compostados.
Como você pode ver das fotos, uma vez que a embalagem é usada e descartada, é primeiramente misturada com palha

Virando um material semi-compostavel até que seja conseqüentemente transformado em adubo, composto rico em nutrimentos e pronto para usar no seu jardim ou horta!


quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Greener Package Awards – Premiação verde


Greener Package Awards foi um concurso organizado por Greener Package (http://www.greenerpackage.com/) em 2008 que mostra as inovações atingidas com as embalagens que se preocuparam com seu impacto no meio ambiente.
Nesta primeira edição do prêmio foram 51 participantes e deles 10 foram premiados.A premiação como a sustentabilidade está cada vez mais ao alcance das empresas.
Dos 10 vencedores dos Greener Package Awards 2009, 8 foram na categoria embalagem verde, 1 na categoria de Produção Limpa, e 1 em Liderança no varejo, representam as melhores práticas em embalagem sustentável a partir de várias indústrias, incluindo os alimentos , cuidados farmacêuticos pessoal e cuidados com a casa.
Os ganhadores foram:
Entropy Solutions — Greenbox thermal management*

Estee Lauder–Aveda Vintage Clove Shampoo & cap collection program

Bryce Corporation — Sunchips bag from 33% PLA

Robbie Mfg.–Hot N Handy Bio-Pouch

ConAgra — rPET in CPET trays for Healthy Choice

Ampac — Patch Perfect

Rexam PLC–rPET in APET drug ovals

Unisource Worldwide–recycled toys with 100% recyclable packaging
Nos próximos posts falarei um pouco sobre cada premiado.

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Bioplásticos:biodegradáveis e compostáveis


A maioria dos plásticos produzidos no mundo são sintéticos, compostos derivados de petróleo e demoram de 200-400 anos ou mais para se degradarem. No Brasil a produção é de 4,2 milhões de toneladas por ano.O problema maior dessa grande demanda é que estudos mostram que somente 15% dos plásticos de uso comum são reciclados, devido à dificuldade para separar a grande diversidade existente, custos de lavagem, contaminação de água/tratamento de efluentes, elevados custos de logística para transporte e manuseio desses materiais.As pesquisas iniciais na busca de materiais biodegradáveis começaram há muito tempo.
Vários produtos estão no mercado há mais de uma década. Recentemente a biotecnologia demonstrou a grandes avanços na obtenção e produção de materiais plásticos biodegradáveis/compostáveis provenientes de fontes agrícolas renováveis.Técnicas em biotecnologia incluindo fermentação, microbiologia, polimerização, nanotecnologia, modificação de óleos vegetais, amidos, celulose, combinadas com a química tradicional baseada em produtos naturais e a síntese de polímeros estão possibilitando a inserção no mercado de diversos novos materiais termoplásticos e compósitos naturais como alternativas economicamente viáveis aos materiais provenientes de recursos fosseis não renováveis, como os derivados de petróleo, quando observado a analise ciclo de vida desses materiais e seus impactos ambientais.
Neste panorama, o “plástico biodegradável”, aparece como uma tecnologia emergente e uma grande alternativa para a agricultura, para a indústria e o meio ambiente, tem sido alvo de atenções como um material polimérico que não sobrecarrega o meio ambiente. Também por sua natureza de se harmonizar com os organismos, tem gerado expectativas por novos desdobramentos na área de biologia e medicina, no papel de material funcional orgânico (biomaterial).A indústria de bioplásticos, a nível mundial, assinou um acordo unilateral de “não utilização de transgênicos”, ou seja, fontes agrícolas geneticamente modificadas (GMO) como matérias-primas para obtenção de biopolímeros e derivados.
Numa época em que ocorre o aquecimento global do planeta, a exaustão dos recursos fósseis se aproxima, ou seja, uma deterioração do ambiente terrestre, busca-se com mais ênfase uma solução alternativa a escalada de preços dos derivados de petróleo. Entre as linhas mestras da estratégia biotecnológica, lançada recentemente, pode-se encontrar o “plástico biodegradável” como um dos itens para a utilização eficaz da biomassa.Muitos paises estão suportados por políticas governamentais objetivando a pesquisa e o desenvolvimento desse mercado, apoiados em legislação competente que formam a base para eficiência na utilização desses materiais. No cenário mundial aparece com destaque a Europa (Alemanha, França, Bélgica, Holanda, Áustria, Uk, Polônia e Itália) com mais de 1600 produtos comerciais certificados no mercado, o Japão e Austrália com 1200 certificados emitidos, USA e Canadá com mais de 600.
Embora já exista legislação específica sobre o assunto em muitos paises, a cadeia produtiva ainda esta se organizando e o processo de criação de entidades “certificadoras” e a adoção de padrões internacionais estão ocorrendo conforme o desenvolvimento local do mercado. Concretamente existem muitos outros paises com iniciativas de ampliação de utilização e articulação da política industrial integradas ao tratamento de resíduos sólidos e programas de lixo zero.O processo de “biodegradação e compostabilidade” já são familiares a muitas pessoas como sendo a característica de substâncias naturais serem assimiladas por microrganismos presentes no solo em um ciclo natural curto até o seu desaparecimento completo.

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Harmless-Dissolve:O incrivel saco que se dissolve?


Harmless-Dissolve é elaborado de um substrato hidro-degradavel 05 vezes mais forte que o polietileno normal. É prontamente biodegradável na água - é um polímero solúvel que biodegrada completamente em um ambiente controlado,que se dissolve em uma máquina de lavar louça ou em uma máquina de lavar roupa. Harmless-Dissolve não é tóxico e é degradado por micro-organismos. No final do ciclo o saco transforma-se dióxido de carbono, água e biomassa.


Share

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More