terça-feira, 30 de junho de 2009

O uso do amido para a produção de bioplásticos


Devido ao seu baixo custo e alta disponibilidade, o amido tem sido bastante estudado no sentido de ser modificado ou misturado com outras substâncias químicas para melhoramento de sua processabilidade, formando uma familia bastante versátil de bioplásticos.
O amido tem sido extrudado em extrusoras simples ou de dupla rosca com plastificantes.A temperatura e o cisalhamento imprimidos à massa produzem uma desestruturação das cadeias de amido, um rearranjo intermolecular ocorre, dando origem a um material termoplástico denominado amido desestruturado ou gelatinizado.
Para melhoramentos de suas propriedades, os amidos também tem sido modificados por métodos químicos, no sentido de se substituir parte das -OH das cadeias de amilose e amilopectina por grupos de eter ou éster, produzindo amidos modificados.
A Novamont da Itália e o maior produtor de bioplásticos que utiliza o amido como matéria-prima, tendo a capacidade instalaa de 50.000t/ano, produzindo diversas grades de polimeros para várias aplicações sob o nome comercial de Mater-Bi.Muitas outras empresas utilizam-se também desta tecnologia oferecendo vários tipos de produtos destacando-se os filmes de recobrimentos.

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Plástico compostavel põe fim à ambiguidade do termo "Plástico biodegradável”

Em Quebec,no Canadá e em outros paises, assiste-se verdadeiro paixão para com os plásticos biodegradáveis. No entanto, não se escapa à confusão entre o que é biodegradável, compostavel, degradáveis ou mesmo oxobiodegradável; termos largamente utilizados como argumento de promoção de materiais ecoresponsáveis ou ecológicos.
Geralmente, o termo biodegradável é percebido de maneira positiva pelo consumidor, que considera frequentemente que o que é biodegradável pode magicamente desaparecer. Promover a biodegradabilidade dos plásticos junto dos consumidores pode também correr o risco de aumentar os casos de abandono da redução dos usos de matérias-primas, reutilização e reciclagem. O bioplástico tem realmente valor agregado ambiental quando não é possível encarar os 3R.
A concepção de novos materiais deveria sempre ser guiada pelo conceito “de Cradle to Cradle” (do berço ao berço).
A biodegradabilidade pode frequentemente ser suspeita de “Greenwashing”(lavagem cerebral verde). Em vez de insistir no aspecto biodegradável, seria preferível promover o compostavel. Recordem que se um plástico é compostavel, é necessariamente biodegradável, mas a recíproca não é verdadeira.Utilizando o termo compostavel, não deixa mais lugar para à ambigüidade: o consumidor imediatamente é informado o que deverá fazer no fim do seu ciclo de vida, ou seja destiná-lo a compostagem.
Por conseguinte, a promoção do plástico compostavel deve imperativamente acompanhar-se do desenvolvimento e a generalização de infra-estruturas adequadas que permitam a compostagem.
Finalmente, é imperativo informar melhor aos consumidores de modo que compreendam qual é o verdadeiro valor agregado ambiental destes produtos. Não é necessário atribuir-lhes virtudes miraculosas que tire a responsabilidade de uma gestão mais responsável das matérias residuais, que começa por uma redução do uso da fonte de matéria-prima.

domingo, 28 de junho de 2009

Evlon, pelicula compostável e biodegradável

Os consumidores com consciência ambiental, estão exigindo uma aproximação amigável com o planeta, motivados pelo conhecimento de que o plástico petróleo baseado está lixiviando carcinogênicos e disruptores dos hormonios no solo e na água.Muitas vezes a Legislação está muito distante da realidade, fazendo com que as municipalidades da América do Norte, por exemplo, exijam que as lojas e as corporações reciclem montanhas de plástico e de outros desperdícios produzidos por elas. “Nós compreendemos inteiramente a tensão na terra devido ao plástico petróleo baseados,” diz o diretor David Inglis da BI-AX. “Assim nós devotamo-nos a encontrar uma solução com um programa de pesquisa que teve como resultado uma película completamente compostavel e biodegradável”, afirmou David. “O Evlon está disponível em uma larga escala de espessuras que podem ser usadas de várias maneiras no empacotamento para o consumidor.”
O Evlon é certificado pelo instituto biodegradável de produtos (BPI) dos E.U.A, como um material de empacotamento que se decompõe e biodegrada rapidamente com segurança e facilidade quando depositado em um local de compostagem profissional controlada. Quando terminada a compostagem tudo o que permanece é o dióxido de carbono e àgua.

Um dos produtos é a linha de bioplástico Nviroware com produtos de utensílios de mesa que incluem garfos e facas que é empacotado em um recipiente rígido, impresso em uma caixa de Evlon.

Fonte:http://pakbec.blogspot.com/

sábado, 27 de junho de 2009

Toyota usa plástico planta baseado em seu novo modelo


O novo Prius da Toyota emprega o que o fabricante de carro está chamando de “plásticos ecológicos”, material derivados de plantas. De acordo com a empresa, serão utilizados até 60% dos componentes interiores do carro com estes materiais. Os materiais serão usados na espuma do coxim de assento, na guarnição lateral, nas placas internas e externas e na tampa de guarnição da plataforma.
Os plásticos planta derivados usados no Prius incluem o ácido polilactico, o poliéster planta derivado, a fibra do cânhamo e o polyol, que é derivado do óleo de rícino. “O plástico ecológico emite menos CO2 durante um ciclo de vida do produto (da fabricação à eliminação) do que o plástico feito unicamente do petróleo”, afirma a Toyota.


sexta-feira, 26 de junho de 2009

Nestle busca sócios para patrocinar pesquisa de Bioplástico


A Nestle está buscando diversos sócios industriais para patrocinar a pesquisa com bioplástico na Ecole des Mines em Paris. A Nestle está segundo as informações recebidas investindo 60.000 euros por ano por 5 anos nesta pesquisa. A Nestle informou que os materiais de empacotamento derivados de recursos renováveis como o bioplástico é o novo caminho de reduzir o impacto ambiental de seus produtos.
Anne Roulin, chefe do setor de empacotamento global da Nestle, disse: “Nós consideramos que este é o começo de uma nova era para o Bioplástico. Hoje nós estamos apenas no início de uma viagem longa na pesquisa e no desenvolvimento, e um trabalho muito mais científico e técnico é exigido antes que nós tenhamos os materiais que verdadeiramente estão adaptados às necessidades do empacotamento de alimento e podem ser usados em grande escala.

quinta-feira, 25 de junho de 2009

As resinas bioplásticas Mirel foram certificadas pelo Instituto de Produtos Biodegradáveis (BPI) dos E.U.A

A empresa Metabolix, anunciou que as resinas bioplásticas Mirel produzidas pela Telles, empreendimento em conjunto com a companhia Archer Daniels Midland, foi certificada pelo Instituto de Produtos Biodegradáveis (BPI), um certificador norte-americano independente de material compostavel. A certificação do BPI mostra que as resinas Mirel cumprem com as especificações estabelecidas na sociedade americana para teste de materiais ASTM e D6400 para compostagem controlada. “As resinas bioplásticas Mirel são certificadas agora pelo BPI para ser compostavel em sistemas de Compostagem industrial,” disse Steve Mojo, diretor executivo do BPI. “Os fabricantes da resina são incentivados a usar o logotipo compostavel do BPI em seus esforços de mercado para demonstrar sua conformidade aos testes independentes baseados na ASTM e D6400.” No mês passado as resinas da Mirel receberam certificações da Vinçotte, certificadora belga para compostagem industrial e compostagem caseira.
“A certificação do BPI é um processo importante para a indústria de bioplástico”, disse Bob Findlen, vice-presidente de vendas e de mercado da Telles. “Os fabricantes do produto, e seus clientes precisam ter a confiança de que as reivindicações da biodegradabilidade e da compostabilidade de fornecedores dos materiais são substanciadas pela validação com dados científicos.” A certificação do BPI cobre as resinas da Mirel,estas serão combinados mais em classes específicas para o uso na modelação por injeção, películas e em thermoforming por fabricantes de produtos de empacotamento.


quarta-feira, 24 de junho de 2009

A primeira extrusão de espuma de PLA do mundo



A empresa Plastic Engineering Associates Licensing anunciou o desenvolvimento da primeira extrusão de espuma de PLA do mundo. A espuma especial de PLA foi desenvolvida por Jim Fogarty . Jim tem projetado extrusão de espuma desde os anos 60, principalmente para a espuma de poliestireno. Jim é igualmente o inventor da tecnologia Turbo-Screws®.
“O mercado precisa de uma extrusão de espuma para o PLA. Todos os dados da espuma na indústria foram feitos para a formação de espuma de poliestireno e como a maioria das pessoas na indústria de espuma de poliestireno sabem, o PLA não é definitivamente poliestireno. É um polímero viscoso e além disso, tem propriedades de diluição baixa que fizeram desenvolver especificamente nova tecnologia para o PLA. Nós estaremos oferecendo a tecnologia ao mercado conjuntamente com a tecnologia Turbo-Screws® para a produção da espuma de PLA.” Afirmou Jim.

A empresa Plastic Engineering Associates Licensing, é um corporação da Florida sediado em Boca Raton. Possui os direitos de patente exclusivas para 7 produtos nos E.U.A e sobre 50 patentes extrangeiras da tecnologia Turbo-Screws®. Para mais informações visite o site http://www.turboscrews.com/ ou o http://www.pea.cc/.


terça-feira, 23 de junho de 2009

Braskem,primeiro plástico verde certificado do mundo


Com o cenário econômico e social cada vez mais favorável para o uso de matérias-primas de fonte renovável e alternativas ao petróleo, os pesquisadores do Centro de Inovação e Tecnologia da Braskem retomaram, em 2005, estudos para produção de eteno a partir de etanol, com objetivo de produzir um polietileno 100% “verde”, proveniente de matérias-primas renováveis.
O biopolietileno é resultado de um processo de polimerização equivalente aos processos já conhecidos e dominados, tendo como grande diferencial a obtenção do eteno, produzido por desidratação do etanol da cana-de-açúcar. Através desta tecnologia, foi possível integrar a alta experiência e competitividade do Brasil no setor sucroalcooleiro com o know-how da Braskem no desenvolvimento e na produção de resinas termoplásticas.
O processo de obtenção de eteno a partir de etanol proveniente de fonte renovável ocorre através da desidratação do álcool na presença de catalisadores. Os contaminantes gerados no processo devem ser removidos através de sistemas apropriados de purificação sendo estes o grande salto tecnológico que a Braskem desenvolveu. Como sub-produto, é gerada água que pode ser reutilizada em diferentes etapas agrícolas ou do processo industrial. O eteno possui pureza adequada para qualquer processo de polimerização e permite a obtenção de qualquer tipo de polietileno.
A Norma ASTM D6866-06 é utilizada para determinar o conteúdo de carbono de fonte renovável em uma amostra de produtos sólidos, líquidos ou gasosos. Essa metodologia permite diferenciar carbonos de fonte fóssil e renovável. Através desse método, constatou-se que o polietileno produzido é 100% de fontes renováveis.
A cadeia na qual o polietileno verde é produzido permite uma maior redução dos níveis de dióxido de carbono na atmosfera em comparação a outros polímeros, em consequência de duas principais características: a alta produtividade da cana-de-açúcar em gerar a biomassa, que pode ser usada como fonte de energia para o processo; e a alta capacidade da molécula de eteno em armazenar carbono (86% em peso), quando comparado a outros biopolímeros.
O biopolietileno possui características equivalentes às do polietileno convencional, podendo ser empregado em diversas aplicações. Esta é uma vantagem que o polietileno verde tem em relação aos demais biopolímeros que possuem aplicações mais restritas. Com o eteno verde, é possível produzir todos os tipos de polietileno: PEAD (polietileno de alta densidade), PEBD (polietileno de baixa densidade), PEUAPM (polietileno de ultra-alto peso molecular) e PEBDL (polietileno de baixa densidade linear), com 100% de matéria-prima renovável.
A produção de 200 mil toneladas de eteno verde será polimerizada em PEAD e PEBDL. A tecnologia escolhida para a produção de PEAD é adequada para fabricação de grades de sopro grandes volumes (GM7746*), pequenos volumes (GF4950, GF4960, GF5250*) injeção (todos os grades HA, HC, HD e HE*) e filme (GM9450*). A tecnologia para produção de PEBDL permite a produção de grades para filme (LL118*), injeção (IN34 e todos os IC, ID e IF*) e rotomoldagem (MR435UV*).


segunda-feira, 22 de junho de 2009

A competitividade brasileira para a produção de bioplásticos

Em relação às matérias-primas disponíveis no Brasil,atualmente a cana-de-açucar possui uma vantagem competitiva bastante grande em face do seu custo de produção ser inferior a dos outros paises, além do aproveitamento de bagaço e palha para a geração de energia que pode ser utilizado na produção de bioplásticos.
Foi realizada uma comparação de custo de produção de biopolímeros em nosso país com diversas regiões do mundo, levando-se em conta preço de matérias primas locais e custo de transporte.
As produções de PLA, PHA e Xantana seria realizadas preferencialmente com cana-de-açucar e o Brasil apresentaria menor custo de produção para estes polimeros, quando comparados com a Europa e a China.Quando comparado ao mercado americano, o Brasil apresentaria custos menores para PHA e Xantana.
Processos de produção de PA que empregam menor quantidade de matéria-prima (possuem maiores valores de rendimento de matéria-prima a polimeros)e matérias-primas mais baratas, revelaram custos de produção próximos, tornando-os menos competitivos no mercado internacional.Embora o custo do amido no brasil seja bastante inferiores ao amido do milho da Europa e EUA, a adição do custo de transporte diminuiria a competitividade do produto no mercado internacional, situação que poderia ser revertida com investimentos no setor de transporte no Brasil.


Fonte:Biopolimeros e intermediarios Químicos
Centro de Gestão e Estudos Estratégicos - CGEE

domingo, 21 de junho de 2009

Azeite de dendê, matéria-prima para a fabricação do bioplástico PHA


Enquanto que, no Brasil, o azeite de dendê é majoritariamente lembrado como um componente fundamental do tabuleiro da baiana, no mercado internacional o óleo de palma, como é mais conhecido, ocupa o segundo lugar no ranking dos óleo vegetais mais consumidos, perdendo apenas para o óleo de soja.
Produzido principalmente na Malásia e na Indonésia, esse produto tem espaço consolidado o abastecimento das indústrias alimentícia e cosmética da Europa, do Japão e dos E.U.A, e sua utilização para a produção de biodiesel, destinado sobretudo ao consumo interno dos paises de origem, tem crescido à medida que é usado como mecanismo regulador das áreas internacionais do óleo bruto, agora, vislumbra-se o uso do azeite de dendê para a produção de biopolimeros.
O dendezeiro - ou palma (Elais guineensis) - é uma palmeira de origem africana, introduzida no Brasil com a chegada dos escravos. Extremamente adaptada a áreas de clima tropical úmido, sua ocorrência no país se concentra nos estados da Amazônia e no Baixo sul da Bahia, na região entre o recôncavo baiano e o rio das contas, conhecido como Costa do Dendê.
Os produtos da palma tais como o óleo de palma cru, o óleo de semente cru, a oleína e a estearina, são produzidos em abundância e são matérias-primas potenciais para a síntese do bioplástico PHA (polihidroxialcanoatos) que constitui uma ampla família de poliésteres produzidos por bactérias através de biossíntese direta de carboidratos de óleos vegetais extraídos principalmente da soja e palma.Dependendo da composição monomérica,pode ser utilizado na produção de embalagens, itens de descarte rápido e filmes flexíveis.
Além disso, os subprodutos dos processos da refinaria do óleo da palma, como por exemplo, o produto de destilação do ácido graxo da palma, o óleo ácido da palma e o óleo ácido da semente da palma, são igualmente fontes de carbono para o crescimento bacteriano e a produção de PHA.

sábado, 20 de junho de 2009

Biopolymers Symposium 2009 de Chicago, E.U.A


Os Biopolimeros estão em ascensão.Cada vez mais as aplicações para comercializar estes materiais aparecem,como reflete a tendência do comércio de bioplástico.Embora o setor de empacotamento ainda esteja tomando grande parte da fatia do mercado de biopolimeros, o lado industrial está ganhando um grande impulso. Houve muita discussão sobre os biopolimeros estarem levando embora recursos alimentares, mas a variedade crescente de recursos de onde estes materiais podem vir mostra que eles vieram para ficar.
No Biopolymers Symposium 2009 de Chicago, E.U.A, irá ser mostrado o ciclo de vida dos biopolimeros em aplicações industriais e no setor de empacotamento, apresentando estudos de casos da vida real e revelações dos líderes do setor. Esta conferência fornecerá as ferramentas para avaliar como capitalizar o mercado futuro dos biopolimeros e fazer melhorias nos negócios. O simpósio dos Biopolimeros é o evento onde as novas tecnologias de mercado são desenvolvidas, juntamente com novas diretrizes e estratégias que são apresentadas todos os anos. Tornarem-se comercialmente viáveis os biopolimeros é um dos grandes desafios que enfrentam as indústrias de empacotamento hoje. Enquanto os desenvolvimentos da tecnologia e do material progridem, mais experimentações e execuções são feitas, e há algumas perguntas mais práticas que estão sendo levantadas, como por exemplo, qual é o impacto ambiental verdadeiro no longo prazo? Neste simpósio de Biopolimeros, as respostas a estas perguntas serão respondidas, além de campanha publicitária de uma massa de materiais e de aplicações novas.

Participantes do evento:
NatureWorks ● Novamont ● Plantic Technologies ● Greenopolis.com ● Rubbermaid ● Colgate Palmolive ● The Timberland Company ● Tetrapak ● Method ● BioBag ● Herman Miller ● Preserve ● Polyone ● BASF ● Avantium ● Cooler ● Nextek ● Clean Production Action ● Biodegradable Products Institute ● European Bioplastics ● Japan Bioplastics Association ● Primo Water ● Grupo Bimbo ● Institute for Agriculture and Trade Policy ● Australia’s National Packaging Covenant

sexta-feira, 19 de junho de 2009

O que são biopolimeros?


Os biopolimeros são materiais poliméricos classificados estruturalmente como polissacarídeos, poliésteres ou poliamidas.A matéria-prima pincipal para a sua manufatura é uma fonte de carbono renovável, geralmente um carboidrato derivado de plantios comerciais de larga escala como cana-de-açucar, milho, batata, trigo e beteraba; ou óleo vegetal extraído de soja, girassol, palma ou outra planta óleaginosa.

Dentre os polimeros de maior importância existem os seguintes:polilactato(PLA), polihidroxialcanoato (PHA), polimeros de amido(PA) e xantana (Xan).

PLA é um poliéster produzido por sintese química à partir de àcido láctico obtido por fermentação bacteriana de glicose extraido do milho, com uso potencial na confecção de embalagens, itens de descarte rápido e fibras para vestimentas e forrações.

PHA constitui uma ampla familia de poliésteres produzidos por bactérias através de biossíntese direta de carbohidratos de cana-de-açucar ou de milho, ou de óleos vegetais extraidos principalmente de soja e palma.Dependendo da composição monomérica,pode ser utilizado na produção de embalagens, itens de descarte rápido e filmes flexiveis.

PA são polissacarídeos , modificados quimicamente ou não, produzidos a partir de amido extraido de milho, batata, trigo ou mandioca.Pode ser utilizado na produção de embalagens e itens de descarte rápido e, em blendas com polimeros sintéticos, na confecção de filmes flexiveis.

Xantana é um exopolissacarideos produzidos por microrganismo a partir de carboidratos extraidos de milho ou cana-de-açucar, com ampla utlização na área de alimentos e uso potencial na de cosmético.


Fonte:Biopolímeros e intermediários Químicos
José Geraldo da Cruz Pradella

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Cereplast apresenta uma nova resina bio baseada que substituirá o Styrofoam® petróleo baseado


A empresa Cereplast, produtora de plásticos sustentáveis bio baseados, anunciou dia 15 de junho de 2009 o lançamento de uma resina bio baseada descoberta para competir com o Styrofoam® e outras resinas petróleo baseadas da mesma linha. A resina Cereplast 5001® Compostable complementará a linha existente Cereplast de Compostables®, expandindo os pedidos do mercado para resinas de Cereplast. A Cereplast Compostables 5001® é projetada para prover as necessidades de todos os conversores, manufatores interessados em substituir a espuma de poliestireno por um plástico ambientalmente sustentável. A Cereplast 5001® Compostable é uma espuma compostavel que usa o PLA de Ingeo™ e vários componentes biodegradáveis e compostaveis. Esta nova resina descoberta é ideal para a aplicação em caixas de ovos, bandejas de carne e cogumelo e embalagens de sementes. Os conversores dos plásticos não precisam fazer investimentos novos e podem usar a Cereplast Compostables 5001® no equipamento convencional de extrusão, sem mudanças no processo.
Uma densidade de espuma de 5 lb/cubic pode ser conseguida usando o equipamento convencional. A Cereplast Compostables 5001® tem propriedades térmicas mais elevadas do que o Compostables tradicional e é uma maneira ideal para reduzir a dependência dos plásticos petróleo baseados. Frederic Scheer, presidente da Cereplast, afirmou, “A Cereplast 5001® Compostable é o resultado de uma pesquisa e de um projeto de desenvolvimento bem sucedidos que demonstre a força técnica e o compromisso da Cereplast para encontrar a demanda de crescimento para a maior sustentabilidade da indústria plástica.
O lançamento da Cereplast Compostables 5001® representa uma oportunidade proeminente para as companhias contribuir para a sustentabilidade ambiental.” “Uma descoberta significativa para a 5001® Compostable é o fato de que nós podemos alcançar uma densidade de aproximadamente 5 libras por pé cúbico em um maquinário tradicional mantendo a deflexão aceitável de calor e resistência do módulo e ao impacto,” disse Philippe Ravera, vice-presidente sênior da Cereplast. “A 5001® Compostable é nossa primeira classe de resinas foamable bio baseadas e nós pretendemos introduzir no fim deste ano classes adicionais.”


quarta-feira, 17 de junho de 2009

A empresa Arkema apresenta na TECHTEXTIL 2009 seus polímeros bio-baseados para o mercado de matéria têxtil


A empresa Arkema apresenta na TECHTEXTIL 2009 em Frankfurt de 16 ao dia 18 de junho de 2009, uma nova classe de resina a Rilsan® PA11 - seu polímero técnico 100% bio originário - projetado para o mercado da fibra. Esta nova classe de Rilsan® PA11 pretende produzir fibras bio baseadas que combinam um jogo original de desempenhos: pouco peso, macia, resistência às bactérias, ao desgaste e à abrasão.
A Arkema igualmente apresenta seus outros polímeros técnicos renováveis: Platamid® Rnew - o primeiro adesivo 100% bio baseado e o Pebax® Rnew, elástomero termoplástico da primeira engenharia feito de recursos renováveis e emulsões específicas que estão sendo usadas em várias aplicações de matéria têxtil. A manufatura destes vários produtos é parte da estratégia da Arkema para aumentar o uso de matérias-primas renováveis. Pelo menos, a OPM, nova subsidiária da Arkema especializada em polímeros de PEKK, introduz seu OXPEKK® Permetta™, películas adesivas de um polímero inovativo de elevado desempenho para aplicações adesivas de matéria têxtil de alta temperatura.

terça-feira, 16 de junho de 2009

Coca Cola utiliza garrafas de material bio baseado nos EUA


A Coca-cola sai na frente na solução do grande problema ecológico, as embalagens PET registrada como PlantBottle™. Dia 14 de maio a empresa anunciou que desenvolveu uma garra PET que contém 30% de material orgânico proveniente da cana-de-açúcar.Com isso a empresa já tem estudos que irá reduzir, para a sua produção de PET’s, a sua emissão de carbono em 25%. Até o fim do ano a divisão da Coca-cola irá colocar o novo tipo de embalagem para outras marcas.Traduzindo um release do CEO, Muhtar Kent da Coca-Cola “este significante desenvolvimento na inovação da embalagem sustentável nos coloca no curso para realizar a nossa visão de eventualmente introduzir no mercado garrafas com materiais que sejam 100% recicláveis e renováveis”.
Agora vamos aguardar para saber quando essa novidade chegará ao Brasil.



segunda-feira, 15 de junho de 2009

Clarifoil, fabricante de películas biodegradáveis


Clarifoil, fabricante de películas biodegradáveis para embalagens e etiquetas, irá utilizar suas películas em embalagens de produtos eletrônicos tais como telefones móveis e MP3. O Clarifoil pode ser aplicado nesta indústria de três maneiras: como um revestimento de superfície laminado à caixa, como uma abertura elevada da janela da transparência, e como uma etiqueta evidente da calçadeira no empacotamento.
Amplamente utilizado na fabricação de caixas para realçar a aparência e fornecer janelas transparentes, Clarifoil igualmente ganhou o EN13432 e o ASTM D 6400 europeu e certificação de biodegradabilidade dos E.U.A que tranqüilizam os consumidores a respeito das credenciais ambientais do produto. A matéria-prima básica do Clarifoil é a celulose da polpa da madeira, um recurso colhido das florestas sustentáveis. Para os fabricantes, melhorar sua pegada do carbono não é o único benefício: o fato de que Clarifoil é altamente resistente e a matéria-prima estar igualmente disponível, permitindo a fabricação em alta velocidade das caixas é um outro atrativo.
Para ajudar a proteger da falsificação, a película Clarifoil tem propriedades de superfície especiais que permitem detectar as falsas pelo toque. O diretor de marketing da Clarifoil Marion Bauer disse: “Por já temos experiências nos setores de embalagens de perfumes e cosméticos os clientes dos artigos eletrônicos são atraídos pela qualidade de nossas embalagens, mas igualmente pelas credenciais ambientais exigidas pelo mercado. Clarifoil pode ser personalizado para uma larga escala de produtos eletrônicos cumprindo exigências funcionais, estéticas e ecológicas”.


domingo, 14 de junho de 2009

A empresa aérea Holandesa KLM Airlines está utilizando copos descartáveis de biopolimeros


A empresa aérea KLM Airlines está usando o biopolimero Natureworks' da Ingeo em seus copos descartáveis em seus vôos de curta e longa duração. A empresa Moonen que produz estes copos nos Países Baixos é quem está fazendo os copos de papel Ingeo revestidos que serão vendidos igualmente às demais companhias aéreas, às cafetarias e às autoridades locais. Bart Vos, vice-presidente executivo da KLM para serviços de bordo, disse que a equipe de funcionários tinha dado boas-vindas aos copos que eram fáceis de armazenar além de serem a favor do meio ambiente. "Os bio copos são um bom projeto e encaixam perfeitamente com a nossa política de sustentabilidade, " completou Bart.
A empresa Natureworks afirmou que o bio copo é mais leve do que os outros copos produzidos de polímeros tais como o PET e são mais fáceis de armazenar do que copos tradicionais de espuma. O produto Ingeo, que é feito de açúcares de plantas, pode compostar em locais de compostagem industrial ou ser incinerado de forma apropriado reduzindo emissões de gases de efeito estufa em 77% comparado aos polímeros tradicionais. A KLM não é a única empresa aérea a usar produtos elaborados dos bio polímeros. A British Airways, por exemplo, utiliza produtos elaborados a partir da cana de açúcar. A Natureworks continua procurando um local para construir uma segunda instalação de manufatura do bio polímero, provavelmente de ser instalada na Europa ou na Ásia para servir os mercados locais.


sábado, 13 de junho de 2009

Pesquisadores desenvolvem plástico a partir de casca de mandioca e fibra de coco


O Núcleo de Reologia e Processamento de Polímeros, NRPP, do Departamento de Engenharia de Materiais, DEMa, da Universidade Federal de São Carlos, UFSCar, criou um composto que combina um plástico biodegradável, EcobrasTM, com fibras vegetais, como casca de mandioca em pó ou fibras de coco. O material é transformado em plástico rígido, utilizado para produção de peças pré-moldadas, como os tubetes de plástico utilizados em mudas de reflorestamento.Depois do plantio, esses tubetes são descartados e o material agride o meio ambiente.
Com o novo composto, a decomposição é facilitada e gera apenas água, CO2 e biomassa.De acordo com o coordenador do projeto e professor do DEMa, Elias Hage Júnior, será possível ainda produzir qualquer peça moldada descartável, como bandejas de embalagens, por exemplo.No início de 2009 a primeira etapa do projeto foi encerrada, quando foi possível adequar o uso da casca da mandioca e a fibra de coco.
Agora os pesquisadores trabalham para melhorar o produto e otimizar a produção. Segundo o coordenador, não há dificuldades para a produção em larga escala.Elias Hage Júnior destaca com um dos principais benefícios do produto a redução do uso do petróleo para a obtenção do produto. As fontes naturais utilizam apenas 5% em peso do petróleo, 95% são usados para combustíveis e outras aplicações.

Fonte:
http://noticias.ambientebrasil.com.br

sexta-feira, 12 de junho de 2009

Advertência ao uso de aditivos oxi-degradaveis

Oxi-degradavel - sugere a degradação de plástico na presença de oxigênio. Sendo assim o Poliolefin PP e PE fragmentarão na presença de oxigênio e da luz solar quando os estabilizadores adicionados ao material perderem sua eficácia e por sua vez fragmentarão. Alguns aditivos tais como metais pesados e outros materiais, acelerarem esta fragmentação. Entretanto, tal fragmentação foi mostrada repetidamente ser puramente devido à ruptura das correntes do polímero.
Não houve nenhuma evidência respeitável que os micro-organismos estão envolvidos em alguma desta degradação em um adubo aeróbio ou em um ambiente controlado anaeróbico de operação de descarga. A Associação de Recicladores de Plásticos da Europa (EuPR) está orientando os fabricantes a tomarem cuidado ao usar os aditivos oxi-degradaveis, advertindo que eles têm o potencial de trazer mais dano ao meio ambiente do que ajuda-lo. A EuPR diz que não viu nenhuma prova de que os aditivos oxi-degradaveis ajudem a reduzir emissões de gases de efeito estufa. Além disso, há o equívoco público sobre a reciclagem destes materiais, significa disser que os aditivos oxi-degradaveis terminarão sendo desperdiçados de forma geral.

quinta-feira, 11 de junho de 2009

A Bunge alimentos do Brasil, recebe prêmio por utilizar embalagem de plástico bio baseado


A empresa Cereplast, um dos principais fornecedores de plásticos sustentáveis bio-baseados, anunciou dia 09 de junho de 2009, que a Bunge Alimentos, uma das maiores companhias de alimento do Brasil, recebeu o prêmio 2009 da Embanews para o melhor empacotamento renovável e biodegradável. A resina termoformada usada para a embalagem da margarina CYCLUS® da Bunge é feito da resina Cereplast Compostables®. “Nós estamos muito satisfeitos pela Bunge ter recebido o prêmio da Brazilplast,” disse Philippe Ravera, o vice-presidente de Vendas da Cereplast. “Mais uma vez mostra que a indústria plástica compreende a importância da sustentabilidade.
É uma grande honra que uma companhia tão grande como a Bunge ter selecionado nossas bio-resinas e nós estamos muito esperançosos sobre as perspectivas de crescimento da Cereplast no Brasil. Estar sendo selecionada pela Bunge é uma outra realização importante para Cereplast este ano.” Complementou Ravera, “nós atribuímos este sucesso mais recente a uma cooperação muito estreita entre a Iraplast, distribuidor da Cereplast no Brasil e a Poli-VAC, empresa que termoformou as embalagens para a Bunge. Em conseqüência disso, a margarina CYCLUS® é distribuída agora através de várias centenas de lojas e supermercados no Brasil. O empacotamento inovativo e atrativo foi recebido muito bem pelos consumidores.
”A Embanews, uma das principais revistas de empacotamento no Brasil, selecionou a CYCLUS® da Bunge para a concessão do prêmio de 2009 por causa de sua inovação no empacotamento usando uma resina biodegradável e pela sua habilidade de compostar em locais de compostagem industrial. Os recipientes da CYCLUS® se transformarão em biomassa em menos de 90 dias sob circunstâncias de compostagem industrial.


quarta-feira, 10 de junho de 2009

Clonagem e caracterização dos genes envolvidos na biosíntese do bioplástico PHA

microfotografia da bactéria Chromobacterium sp.
Chromobacterium Sp é uma bactéria capaz de produzir o bioplástico PHA. A síntese de PHA (PhaC) pode polimerizar monômeros de cadeia curta, tais como o hidroxiialerato 3 e o hidroxibutirate 3. Esta bactéria tem sido utilizada por muito tempo para produção do violacein, um pigmento violeta que faz as colônias roxo escuro enegrecer. Recentemente, esta bactéria original foi isolada nos poços Langkawi, Malaysia.As análises bioquímicas confirmaram a identidade do isolado. O gene da sintese de PHA (phaC) da Chromobacterium foi clonado com sucesso usando técnicas de amplificação do PCR. Os estudos preliminares sugeriram que o PhaC desta bactéria tem uma especificidade incomum para o hydroxyvaleryl-CoA 3. Esta especificidade da enzima foi suportada mais pela habilidade deste isolado sintetizar o poli (3-hidroxivalerato) com uma pureza de 100 mol% em substratos apropriados.

terça-feira, 9 de junho de 2009

Plásticos petróleo baseados constituem maior parte de lixo no mar, diz ONU


Produtos plásticos petróleo baseados - como garrafas, sacos, embalagens de comida, copos e talheres - formam a maior parte do lixo encontrado no oceano, segundo um relatório do Programa Ambiental da ONU (Unep, na sigla em inglês) publicado nesta segunda-feira para marcar o Dia Mundial dos Oceanos.Em algumas regiões, esses produtos correspondem a 80% do lixo encontrado no mar.O documento tenta mostrar aos governos de diferentes regiões ao redor de 12 dos principais mares quais os principais problemas, numa tentativa de apontar caminhos para a solução.Segundo a ONU, não há um número exato da quantidade de lixo boiando nos mares, porque os dados coletados são mais precisos em algumas regiões e menos precisos em outras, mas a Unep afirma que as evidências são de que a quantidade de lixo está aumentando.
"O lixo marinho é sintomático de um problema maior: o desperdício e a persistente má administração dos recursos naturais. Os sacos plásticos, garrafas e outros lixos se acumulando nos oceanos e mares poderiam ser reduzidos drasticamente por uma política de redução de lixo, administração e iniciativas de reciclagem", disse Achim Steiner, sub-secretário geral da ONU e diretor executivo da Unep."Parte deste lixo, como os sacos plásticos finos petróleo baseados que só podem ser usados uma vez e sufocam a vida marinha, deveriam ser proibidos, ou rapidamente tirados de circulação em todo lugar - não há mais como justificar a fabricação desses sacos em nenhum lugar.""O lançamento de outros dejetos pode ser cortado aumentando a consciência do público e usando uma série de incentivos econômicos e mecanismos de mercado inteligentes que façam a balança pesar a favor da reciclagem, redução ou reutilização de produtos, em vez de jogá-los no mar", disse Steiner.

Plástico

Os compostos tóxicos do plástico podem ser encontrados nos organismos que o consomem, diz o relatório, afirmando que o produto pode ser confundido com comida por vários animais, inclusive mamíferos marítimos, pássaros, peixes e tartarugas.As tartarugas marinhas, em particular, podem confundir sacolas plásticas boiando com águas-vivas, um de seus alimentos favoritos.Uma pesquisa de cinco anos com fulmaros glaciais - um pássaro encontrado na região do Mar do Norte - concluiu que 95% desses pássaros continham plástico em seus estômagos.
Segundo o relatório, além de produtos plásticos, pontas e maços vazios de cigarro e de charuto estão entre os produtos mais encontrados nos oceanos, correspondendo a 40% do lixo encontrado no Mar Mediterrâneo.O turismo também têm impacto significativo sobre o estado dos oceanos e costas em todo o mundo.Em algumas áreas do Mediterrâneo, mais de 75% do lixo é produzido durante a temporada de verão, com forte presença de turistas.Atividades costeiras correspondem a 58% do lixo encontrado no Mar Báltico e quase metade do lixo encontrado no mar na região do Japão e da Coreia do Sul.O relatório ainda conclui que a maior parte do lixo marinho vem de atividades baseadas em terra firme.Segundo o Unep, o problema do lixo marinho é particularmente grave na região dos mares do sudeste asiático - onde vivem 1,8 bilhão de pessoas, 60% delas nas áreas costeiras.

Prejuízo

A ONU também atribui o aumento da poluição ao crescimento econômico e urbano, além das atividades marítimas.Além dos problemas de saúde e para a vida marítima, o lixo nos mares também provoca prejuízos econômicos, afirma o documento, com barcos e equipamentos de pesca danificados e contaminação de instalações para turismo e agricultura.O custo de limpeza das praias de Bohuslan, na costa oeste da Suécia, foi de pelo menos U$S 1.550.200, em apenas um ano. No Peru, a cidade de Ventanillas calculou que teria de investir cerca de US$ 400 mil por ano para limpar sua costa - o dobro do orçamento para a limpeza de todas as áreas públicas.A ONU ainda recomenda a imposição de altas multas para embarcações que jogarem lixo no mar e a suspensão de taxas para o processamento do lixo nos portos, para desestimular o despejo nos oceanos.

Fonte: Estação Online

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Como é produzido bioplástico de milho - video em inglês

Video que mostra como é produzido bioplástico de milho, da empresa Cereplast:

video

domingo, 7 de junho de 2009

Produção de Bioplástico (polihidroxialcanoatos - PHAs) pelas cianobactérias


Cianobactérias são bactérias fotoautotrópicas que produzem oxigênio. As cianobactérias foram os principais produtores primários da biosfera durante mais ou menos 1.500 milhões de anos, e continuam sendo nos oceanos. O mais importante é que através da fotossíntese elas encheram a atmosfera de O2. Continuam sendo as principais provedoras de nitrogênio para as cadeias tróficas dos mares.A produção de polihidroxialcanoatos (PHAs) pela cianobacteria é em especial benéfica porque o dióxido de carbono atmosférico é convertido em um biopolimero usando a luz solar como a fonte de energia. Desde que o PHA é completamente biodegradável ao dióxido de carbono e à água, o ciclo da produção e da eliminação de PHA é um processo sustentável onde PHA se transforme em carbono biológico.
Três tipos de Spirulina platensis isolado de posições diferentes foi investigado para sua habilidade da produção de PHA, pelo laboratório de pesquisas ecomaterial da Universidade Sains Malaysia em Pulau Pinang, Malaysia. Os resultados revelaram que todas os três tipos de Spirulina eram capazes de sintetizar P (3HB) sob a condição de nutrição de nitrogênio com uma acumulação máxima de até 10 WT % do peso seco da pilha sob a circunstância mixotropica da cultura. A utilização subseqüente do P acumulado (3HB) foi estudada igualmente. A mobilização de grânulo de P (3HB) pela Spirulina platensis foi iniciada pela restauração da fonte do nitrogênio e o processo foi afetado pela iluminação e pelo pH da cultura.
A mobilização de P (3HB) era melhor sob a iluminação (degradação de 80%) do que em condições escuras (degradação de 40%) durante 4 dias. A condição alcalina (pH 9-11) era ótima para a biosíntese e a mobilização de P (3HB) onde 90% do P acumulado (3HB) foi mobilizado. Este estudo identificou com sucesso os fatores que afetam a biosíntese e a mobilização do P (3HB) na Spirulina platensis, que inclui a limitação, o meio de cultura,o pH, substratos de carbono e a iluminação.


sábado, 6 de junho de 2009

Genomatica: Empresa Norte Americana que Produz bioplástico de butanodiol (BDO) de fontes renováveis


Genomatica, uma empresa Norte Americana de produtos químicos de fontes renováveis, anunciou que sua equipe da engenharia conseguiu um marco importante para a produção do butanodiol da classe comercial 1.4 (BDO) de fonte renovável. A companhia pode processar BDO produzido do açúcar com 99 por cento de pureza usando um processo de recuperação cost-effective. O novo processo começa com a produção do BDO nos caldos da fermentação gerados por micróbios projetados para produzir diretamente BDO dos açúcares, e usa os projetos e equipamentos de processos compatíveis com produção química em grande escala.
A realização da purificação prova a praticabilidade de elementos anteriormente criticados do método de fabricação de Genomatica para BDO renovável. Inteiramente integrado, o processo oferecerá aos sócios da Genomatica vantagens competitivas aos produtos que geram hoje BDO inteiramente de combustíveis fósseis. “Os primeiros 100 por cento de fonte renovável de BDO purificado - é uma visão poderosa que simboliza a transformação que é possível para nossa indústria,” disse Christophe Schilling, diretor geral da Genomatica. “Com uma vantagem do custo sobre processos de manufatura tradicionais, nosso método da bio fabricação para BDO liberará produtores químicos das flutuações dos mercados do hidrocarboneto e abaixará sua pegada total do carbono, ao encontrar a demanda de crescimento para produtos sustentàvelmente manufaturados.”
A Genomatica produziu primeiramente BDO da glicose em fevereiro de 2008, e tem demonstrado desde então, a habilidade de produzir BDO em altos níveis da sacarina assim como da xilose, um açúcar com cinco carbonos. O desenvolvimento é focalizado primeiramente na sacarina porque esta disponível, com um comércio estável e com menos volatilidade de fixação de preço comparado ao hidrocarboneto atualmente em uso na produção do BDO. A habilidade de produzir BDO de ambos os seis e cinco açúcares do carbono abre agora a possibilidade de novos processos de segunda geração possíveis de BDO que usam os hidratos de carbono derivados da biomassa ligno celulósica, tal como o resíduo de madeira, o desperdício de papel, o desperdício da agricultura ou as switchgrass.
Ao mesmo tempo, as pesquisas da empresa demonstraram a existência de 20.000 aumentos da dobra nas concentrações de BDO que os micróbios podem produzir, proporcionando o nível necessário para manufaturar grandes volumes de BDO a custo reduzido. Simultaneamente, a companhia criou bactérias que são tolerantes às concentrações de alvos comerciais. A companhia centrar-se-á agora sobre o aperfeiçoamento da tecnologia até começar operações em uma planta de demonstração em 2010.
A geração de BDO purificado permitirá que o processo da bio fabricação da Genomatica competirá com os equivalentes petróleos baseados e ofereça uma vantagem de custo aos produtores. Muitos produtores químicos estão enfrentando desafios inauditos do negócio enquanto a diminuição econômica global comprime a demanda, e a crise do crédito impede sua habilidade de financiar projetos em grande escala. Os preços de gás natural e as mudanças possíveis no regulamento ambiental e do clima adicionaram à incerteza para produtores petroquímicos.

Fonte:
http://www.genomatica.com/

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Biodegradação do bioplástico PHA

Uma das propriedades originais do PHAs microbiano é sua biodegradabilidade em vários ambientes. Há vários estudos dirigidos para a determinação dos fatores ambientais que influenciam a biodegradabilidade de PHA (temperatura, nível da umidade, pH e fonte nutriente) e aqueles relativos ao PHA (composição, cristalinidade, aditivos e a área de superfície). Em um desses estudos, as tendências da degradação de películas comercialmente importantes de PHA em um ambiente tropical dos manguezais foram analisadas.
A biodegradabilidade do P (3HB) e de seus copolímeros; P (3HB-co-5 mol% 3HV) e P (3HB-co-5 mol% 3HHx) foram investigados junto com as películas de P (3HB) que contêm 38 WT % de dióxido titanium (TiO2) [P (3HB) - 38 WT % TiO2)]. A degradação destas formulações foi monitorada por oito semanas em três zonas diferentes em um compartimento intermediário dos manguezais. A degradação do PHA foi observada na superfície e no sedimento dos manguezais. Os copolímeros de PHA desintegraram-se na taxa similar ou mais elevada do que o homopolimero, P (3HB). Entretanto, a incorporação de TiO2 em películas de P (3HB) fêz com que a taxa da degradação de película composta de P (3HB-38 WT % TiO2) fosse distante mais lenta do que todas as películas restantes de PHA. A taxa total de degradação de todas as películas de PHA colocada na superfície do sedimento era mais lenta do que aquelas enterradas no sedimento.

Film P(3HB)

Filme P(3HB-co-3HV)

Filme P(3HB-co-3HHx)

Biodegradação da película de P (3HB), de P (3HB-co-3HV) e de P (3HB-co-3HHx) no ambiente tropical dos manguezais por seis, quatro e três semanas respectivamente


Além do estudo da biodegradação de PHA no ambiente tropical dos manguezais, a degradação intracellular de P (3HB-co-3HV), isto é a mobilização de P previamente sintetizado (3HB-co-3HV) foi estudada igualmente. Os acidovorans DS 17 de Delftia (conhecido anteriormente como acidovorans de Comamonas) foram usados para estudar a acumulação e a mobilização de P (3HB-co-3HV).

Foto antes da mobilização de P (3HB-co-3HV) em acidovorans de Delftia
Foto após a mobilização de P (3HB-co-3HV) em acidovorans de Delftia

quinta-feira, 4 de junho de 2009

Biosíntese de PHA do óleo de palma e dos seus subprodutos

Entre as características chaves dos plásticos do futuro esta a sustentabilidade ecológica. Os polihidroxialcanoatos microbianos (PHAs) atraíram a pesquisa e o interesse comercial porque podem ser usados como termoplásticos biodegradáveis produzidos de recursos renováveis. Além, é claro da bio compatibilidade do PHA que igualmente fêz-lhe um composto importante para uma larga escala de aplicações médicas.

Cupriavidus necator

A palma é atualmente cultivada em mais da metade da terra cultivada na Malaysia e em outros paises e a produção de seu óleo é um das mais elevadas. Os produtos da palma tais como o óleo de palma cru, o óleo de semente cru, a oleína e a estearina, são produzidos em abundância e são matérias-primas potenciais para a síntese de PHA. Além disso, os subprodutos dos processos da refinaria do óleo da palma, como por exemplo, o produto de destilação do ácido graxo da palma, o óleo ácido da palma e o óleo ácido da semente da palma, são igualmente fontes de carbono para o crescimento bacteriano e a produção de PHA.

Plantação de Palma

O Poli (3-hidroxibutirato-co-3-hydroxihexanoato) [P (3HB-co-3HHx)] é atualmente o bioplástico mais interessante por causa de suas propriedades que se assemelham ao polipropileno (PP) e ao polietileno de baixa densidade (LDPE). O custo total da produção do P (3HB-co-3HHx) foi reduzido significativamente com a utilização de recursos baratos e renováveis da indústria da palma. Os resultados das pesquisas mostram que os vários produtos da palma podem ser usados para produzir o P (3HB-co-3HHx) com rendimento elevado e qualidade constante. O Poli (3-hidroxibutyrato-co-3-hidroxivalerato) [P (3HB-co-3HV)] é um outro polímero interessante devido a sua dureza e processabilidade excelente.

Fonte:http://www.ecobiomaterial.com

quarta-feira, 3 de junho de 2009

Tipos de bioplásticos:Os polihidroxialcanoatos (PHA's)


Os plásticos vêm sendo cada vez mais utilizados em nosso cotidiano, de múltiplas formas, inclusive nas aplicações para as quais anteriormente utilizavam-se outros materiais. A rápida descartabilidade de alguns objetos e a dificuldade de degradação dos plásticos convencionais acabam causando um grave problema ambiental e têm despertado o interesse no estudo de alternativas que possam minimizar esse impacto ambiental. Dentre essas alternativas está a utilização de biopolímeros, como os polihidroxialcanoatos (PHA's), que são plásticos biodegradáveis sintetizados e acumulados no interior de muitas bactérias como reserva de carbono e energia, em condições desbalanceadas do meio, quando há excesso de carbono e limitação de algum nutriente essencial como fósforo, nitrogênio, potássio, oxigênio.
Os PHA's, além de apresentarem a vantagem da biodegradabilidade, também podem ser produzidos a partir de fontes renováveis de carbono como açúcar, soro de leite e óleos vegetais. Por serem biocompatíveis, também podem ser utilizados na área médico-farmacêutica como fios de sutura, enxertos vasculares, entre outros. Outras possíveis aplicações são em embalagens de cosméticos e alimentos, brinquedos, material escolar, etc.
Polihidroxibutirato (P(3HB)) é o polímero mais estudado dentre os PHA's. Este polímero possui características próximas às encontradas no polipropileno, porém possui pouca estabilidade térmica e é quebradiço. A incorporação de unidades de 3-hidroxivalerato (3HV), através de um precursor como o ácido propiônico, leva à síntese do copolímero poli(3-hidroxibutirato-co-3-hidroxivalerato) (P(3HB-co-3HV)) por Ralstonia eutropha. Este copolímero, por sua vez, apresenta vantagens em relação ao P(3HB), como melhores propriedades termoplásticas, o que o torna mais interessante para aplicações industriais.
R. eutropha é um dos microrganismos mais estudados para a produção de PHA's, devido à sua facilidade de utilização de fontes renováveis e habilidade de acumular até 80% de seu peso seco em polímero. A produção de polímero por R. eutropha é realizada em duas fases, uma fase inicial de crescimento não limitado visando o crescimento celular, seguida de uma fase limitada com acúmulo de polímero.Durante a fase de produção, a alimentação de ácido propiônico conduz à formação do copolímero P(3HB-co-3HV) e a alimentação de pequena quantidade do elemento limitante leva ao aumento do acúmulo de polímero.
Apesar da grande possibilidade de aplicação do P(3HB-co-3HV), seu uso ainda é limitado devido ao alto custo em relação aos plásticos petroquímicos. Assim, estudos que possam aumentar a produtividade do polímero tornam-se importantes para a redução dos seus custos de produção. Uma opção é a utilização de ácidos graxos como substratos ou suplementos nutricionais na produção de polímero. R. eutropha incorpora os ácidos graxos em suas células e metaboliza-os a acetil-CoA pela via da b-oxidação de ácidos graxos. Na sequência, a biossíntese do polímero leva à formação de monômeros 3-HB-CoA, que são polimerizados formando o P(3HB). Já foi demonstrado que a suplementação de ácido oleico no processo produtivo de PHA por R. eutropha leva a um aumento na produção do polímero. Da mesma forma, estudos anteriores, verificaram que a utilização de óleos vegetais, contendo alta concentração de ácido linoleico, poderia aumentar a produção do polímero, indicando que o ácido linoleico possa ser um bom suplemento nutricional na produção de PHA.



Fonte:Utilização de ácidos linoleico e oleico como suplementos nutricionais aumenta a produção depoli(3-hidroxibutirato-co-3-hidroxivalerato) por Ralstonia eutropha
Cláudia Regina Squio, Cíntia Maria Ferreira e Gláucia Maria Falcão de Aragão
Universidade Federal de Santa Catarina – Depto. de Engenharia Química e Engenharia de Alimentos
Caixa Postal 476 – 88040-900 Florianópolis – SC

terça-feira, 2 de junho de 2009

A biodegradação e compostagem dos biopolimeros


A ASTM (American Standart for Testing and Methods) tem proposto vários métodos de análise e acompanhamento da biodegradação dos polímeros. Entre eles, destacam-se a Determinação da Biodegradação Aeróbia dos Plásticos e Exposição dos Plásticos a um Ambiente Simulado de Solo. Esses métodos de análise da biodegradação aeróbia, propostos pela ASTM, são baseados no Teste de Sturm. Este tipo de ensaio é tido como sendo o mais confiável para a avaliação da biodegradabilidade de um polímero em meio microbiano ativo. A produção de CO2 na biodegradação do polímero é considerada um parâmetro importante do processo. A produção de CO2 em função do tempo constitui uma fase, mas não a única, para obtenção de informações sobre a biodegradação do polímero. Entre os meios propostos como inoculantes para a avaliação da biodegradação de polímeros encontramos: lodo ativado, solo compostado, composto orgânico, etc.
O composto orgânico é o produto final de um processo de compostagem utilizado como forma de reciclagem da matéria orgânica presente em resíduos sólidos urbanos. O processo de decomposição da matéria orgânica, por agentes microbianos naturalmente presentes, ocorre através de fermentação controlada em condições aeróbicas ou anaeróbicas, nas chamadas unidades ou usinas de compostagem. O composto orgânico (húmus) obtido contém macro e micronutrientes essenciais às plantas e, quando utilizado em solos, ajuda a melhorar as propriedades físico-químicas dos mesmos, favorecendo a produtividade vegetal, sendo indicado para aplicações e usos em horticultura, fruticultura, produção de grãos, reflorestamento, controle de erosão, entre outros.


Fonte:Avaliação da Biodegradação de Poli-b-(Hidroxibutirato), Poli-b-(Hidroxibutirato-co-valerato) e Poli-e-(caprolactona) em Solo Compostado

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Polimeros biodegradáveis

Nos Estados Unidos da América é despejado mais de 160 milhões de toneladas anuais de lixo sólido no meio ambiente. Dessa massa total, 7% correspondem a plásticos, o que em volume equivale à quantia de 30%. Cada habitante norte-americano descarta 70 kg de lixo plástico por ano. Na Europa são 38 kg anuais e no Brasil algo da ordem de 10 kg anuais por habitante. Na cidade de São Paulo, são produzidos 12.000 ton/dia de lixo, dos quais, cerca de 10% é constituído de material plástico. Os problemas decorrentes da poluição ambiental gerada pelo lixo plástico têm levado a comunidade científica a refletir sobre possíveis alternativas para o problema. Para o gerenciamento do lixo plástico produzido em sociedade, a biodegradação é uma das alternativas que tem sido proposta.
A biodegradação consiste na degradação dos materiais poliméricos através da ação de organismos vivos. Segundo estabelecido pela American Standard for Testing and Methods (ASTM-D-883), polímeros biodegradáveis são polímeros degradáveis nos quais a degradação resulta primariamente da ação de microorganismos tais como bactérias, fungos e algas de ocorrência natural. Em geral, derivam desse processo CO2, CH4, componentes celulares microbianos e outros produtos.
O interesse em polímeros biodegradáveis tem crescido muito nos últimos anos, em nível mundial. Apesar disso, o alto custo de produção dos biodegradáveis em comparação aos plásticos convencionais ainda tem se constituído num problema para ser resolvido. A título de exemplificação, o polietileno apresenta um custo de produção médio da ordem de 0.9 a 1 US$/kg, ao passo que os polímeros biodegradáveis apresentam um custo médio de produção na faixa de 5 a 8 US$/kg. A maioria dos compostos de alta massa molar que apresentam biodegradabilidade são poliésteres. Estes são polímeros contendo grupos funcionais ésteres em suas estruturas, que são facilmente atacadas por fungos através de hidrólise.
Os poliésteres podem oferecer uma grande variedade de propriedades, desde plásticos rígidos altamente cristalinos a polímeros dúcteis. As propriedades terapêuticas descobertas em certos poliésteres possibilitaram sua produção em escala industrial, principalmente na forma de fios para suturas e cápsulas de comprimidos. Entre os polímeros biodegradáveis o mais conhecido é o poli-b-(hidroxibutirato) (PHB). Sua produção em grande escala acontece por um processo de fermentação bacteriana, sendo ainda um processo relativamente caro.
Poli-b-(hidroxibutirato) (PHB)
O poli-(e-caprolactona) (PCL) também tem sido estudado como substrato para biodegradação e como matriz em sistemas de liberação de drogas. O PCL é geralmente preparado pela abertura do anel de polimerização do e-caprolactona. O PHB-V é um copolímero do hidroxibutirato com segmentos aleatórios de hidroxivalerato. Assim como no caso do PHB, o processo de produção do PHB-V é bacteriana. A concentração de valerato no copolímero pode causar uma variação tempo de degradação, de algumas semanas a vários anos.Além da estrutura química dos polímeros, há outros fatores que também influenciam a velocidade de degradação, como morfologia, cristalinidade, etc.



Fonte:Avaliação da Biodegradação de Poli-b-(Hidroxibutirato), Poli-b-(Hidroxibutirato-co-valerato) e Poli-e-(caprolactona) em Solo Compostado Derval S. Rosa, Queenie Siu Hang Chui Unidade Acadêmica da Área de Ciências Exatas e Tecnológicas,Universidade São Francisco ;Rubens Pantano Filho Universidade São Francisco e Pontifícia Universidade Católica de Campinas ; José Augusto M. Agnelli Departamento de Engenharia de Materiais, UFSCar

Share

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More