sábado, 31 de janeiro de 2009

Questões chave para o bioplástico

A primeira sessão plenária realizada no ano de 2009 pelo European Bioplastic, foi aberta com saudações de bem-vindo do Dr. Harald Käb, presidente European Bioplastics e Christophe Doukhi - de Boissoudy, presidente do Clube Bioplastiques francês. Käb inicio sua palestra relatando os desafios para o desenvolvimento futuro do bioplástico: A “suficiente fonte de materiais será um parâmetro muito básico para o futuro do bioplástico. Este pode ser conseguido: utilizando capacidades de produção existentes, acumulando locais novos de produção conhecidos e desconhecidos do mercado e por um alargamento do espaço dos materiais e de propriedades materiais.” Igualmente a gestão de resíduos terá um papel crucial assim como o desenvolvimento de novos materiais. “A indústria do bioplástico está na ponta. Felizmente, os políticos tornam-se cada vez mais ciente do potencial de reduzir a dependência do petróleo não somente para combustíveis, mas igualmente no uso material de recursos renováveis.” O representante do ministério de agricultura francês, Julien Turienne, seguiu a mesma linha e explicou as políticas francesas para os produtos bio-baseados, que são motivados por suas vantagens, isto é, a substituição do combustível fóssil ou não renovável, melhoria da inovação e concorrência e a preservação e criação de trabalhos na agricultura e na agro-indústria. Entre os franceses existem ações proposta para utilizar os sacos de bioplástico regulados por lei (que foi rejeitada pela Comissão Européia devido ao comércio livre e à diretriz orientadora de empacotamento; a França trabalha agora para transformar estas medidas em medidas de incentivo, como por exemplo, uma ecotax). Outras ações incluem um estudo nas etiquetas que podem ser usadas para a promoção de produtos bio-baseados e de uma iniciativa para realçar uma estrutura européia para desenvolver produtos bio-baseados com diversos Estados-membros.Finaliza dizendo que os combustíveis biológicos e a bioenergia estão cobertos já por uma estrutura legislativa e um equivalente para o uso material é necessário.


sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Bioplástico com maior poder de impacto e resistência ao calor

Photo: metmuseum.org

A maioria dos bioplásticos possui menor poder de impacto e resistência ao calor do que suas contrapartes petróleo baseadas utilizadas hoje. A Fuji Xerox, um consórcio de pesquisa e tecnologia entre a Fuji Photo Film Co. e a Xerox baseada no Japão, está trabalhando para mudar esta situação. "O bioplástico tradicional tem propriedades muito pobres - baixa resistência térmica e baixa força mecânica,” disse Kenji Yao, cientista do projeto da Fuji Xerox em Kanagawa, Japão. Para aumentar à resistência de impacto do plástico e resistência a chama, a Fuji Xerox juntamente com o fabricante de material Unitika desenvolveu uma tecnologia de liga de polímero que permitiu misturar o ácido poliláctico derivado do milho com plástico petróleo baseado. ”O grupo desenvolveu dois aditivos, assim como tecnologias de amasso e moldagem, para misturar uniformemente os dois materiais, possibilitando introduzir no plástico mais força e resistência térmica. O plástico novo, que é tão forte quanto o plástico de acrilonitrito-butano-estireno (ABS) usado em encanamentos, pinos de golfe e as peças da Lego, tem um índice de biomassa de aproximadamente 30 por cento, comparado com os 10 a 20 por cento nos outros concorrentes”, disse Yao. “Segundo Yao o plástico da Fuji Xerox reduz em torno de 16 por cento as emissões do anidrido carbônico no seu ciclo de vida comparado com os outros plásticos de biomassa baseados”. “Em novembro, a Fuji Xerox começou a integrar o plástico em alguns de seus produtos no Japão, e transformando-se na primeira empresa a usar bioplástico para uma parte mecanicamente móvel , completou Yao. “O grupo está trabalhando agora para reduzir mais as emissões do anídrido carbónico, para aumentar o índice da biomassa e para realçar a força do seu bioplástico”, disse, ainda. Entretanto, enfrenta alguns desafios. Especialmente, o bioplástico custa três vezes mais que o ABS, embora as esperanças de Yao de que ele venham a baixar nos próximos dois anos. Ken Ito, presidente do laboratório da Fuji-Xerox Palo Alto, disse que “os alvos do projeto é de trazer produtos com bioplástico aos Estados Unidos este ano ou no próximo ano. O objetivo “é reduzir emissões de carbono e reduzir os materiais feitos de petróleo”, Michiaki Yasumo, gerente do projeto para o grupo de ambiente. “Nós acreditamos que aqueles materiais bio-baseados serão a linha principal no futuro”, acrescentando que o grupo igualmente está investigando a possibilidade da produção de bioplástico de biomassa celulósica, em vez da biomassa atualmente usada, como o amido de milho ou a cana de açúcar.


Fonte:http://www.bioplastic-product.com

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Benefícios do empacotando sustentável utilizando bioplástico certificado


- É benéfico, seguro e saudável para indivíduos e comunidades durante todo seu ciclo de vida;

- Possui critérios do mercado para o desempenho e o custo;

- É originário, manufaturado, transportado e reciclado usando a energia renovável;

- Maximiza o uso de materiais de fonte renováveis ou recicláveis;

- É manufaturado usando tecnologias e melhores práticas limpas de produção;

- É feito de materiais saudáveis em todas as encenações prováveis do processo produtivo;

- É projetado fisicamente para aperfeiçoar materiais e energia;

- É eficazmente recuperado e utilizado em ciclos biológicos e/ou industriais do inicio ao fim.


quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Enviroarc companhia Australiana de bioplástico


O meio ambiente está sendo destruído diariamente e a maioria das pessoas não entenderam ainda como suas vidas no dia a dia estão contribuindo para isto. Os problemas futuros incluem o aquecimento global, o desflorestamento, a desertificação, as ascensões do nível do mar e a inundação maciça. Estes são causados por uma serie de fatores tais como; aumento no índice do dióxido de carbono na atmosfera; a poluição produzida por desperdícios industriais e domésticos, poluição por gás de exaustão, por produtos químicos e por outros produtos nocivos. Diante disto muitas empresas tem se dedicado reverter esta situação, dentre elas temos a EnviroArc companhia Australiana cujo objetivo é promover o reflorestamento, reduzir emissões do dióxido de carbono, e aumentar o uso de produtos orgânicos, biodegradável, procurando incutir na consciência do consumidor as necessidades do meio ambiente, seu impacto nele, e o que se pode fazer para fazer a diferença. EnviroArc não somente pesquisa e manufatura produtos ecologicamente corretos mas procura igualmente conscientizar-se do impacto da empresa no meio ambiente, buscando também conscientizar seu colaboradores e consumidores a tomarem algumas iniciativas como:
- Reduzir o uso dos papéis sempre que seja possível.
- Reduzir o uso das matérias-primas oriundas da produção da empresa que terminarão nas operações de descarga.
- Reusar todos os materiais quando possível.
- Reciclar todos os produtos recicláveis usados.
A empresa acredita que com seus produtos, suas iniciativas, e uma consciência mais forte do cliente, podemos junto fazer a este mundo um lugar melhor e mais verde para viver!
Seus produtos biodegradáveis são um produto novo com uma larga escala de usos possíveis. O resultado dos anos de pesquisa e de desenvolvimento proporcionou a criação de uma mistura patenteada e os fabricantes de produtos plásticos aprovam o material 100% biodegradável, natural e totalmente a favor do meio ambiente, ao usar prontamente - recursos renováveis disponíveis tais como bambu e o arroz. EnviroArc no momento tem seu foco principal no desenvolvimento, fabricação, produção e mercado de biodegradáveis, e recipientes de alimento, cutelaria e copos biodegradáveis.


terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Que é a diferença entre degradavel e biodegradável?

A degradação é um processo por meio dos quais as moléculas muito grandes se quebram em moléculas ou em fragmentos menores. Normalmente, o oxigênio é incorporado nestes fragmentos moleculares. Tipicamente, as películas plásticas fortes, resistentes tornam-se fracas e frágeis em conseqüência da degradação oxidante. Este resultado é porque as moléculas destas películas ficam muito menores. A degradação pode ser causada (iniciado) pelo calor, ou pela exposição à luz UV e é realçada pelo esforço mecânico.
Plástico Degradável: um plástico submete-se a uma mudança significativa em sua estrutura química sob circunstâncias ambientais específicas tendo por resultado a perda de algumas propriedades que podem variar dependendo dos métodos padrão de teste aplicado ao plástico e também o período de tempo de aplicação que determina sua classificação.” [ASTM D883-99] - Sociedade Americana para Teste de Materiais. A biodegradação é o processo onde os micro-organismos (tais como as bactérias, os fungos ou as algas) convertem materiais na biomassa, em dióxido de carbono e água. A biomassa é um termo geral usado para se referir ao conjunto de micro-organismos que estão usando o material base como uma fonte de carbono para crescer.
Plástico biodegradável: É um plástico onde a degradação é conduzida pela ação de micro-organismos naturais tais como as bactérias, os fungos, e as algas. [ASTM D883-99] Há duas diferenças preliminares entre o degradável e o biodegradável.Além do fato de que os plásticos biodegradáveis devem essencialmente ser provenientes de fontes renováveis.Primeiramente, o calor, a umidade e/ou a exposição a raios UV causam mais frequentemente a degradação de um produto degradável, visto que os micro-organismos degradam um produto biodegradável. Em segundo lugar, os produtos degradáveis tendem demorar muito tempo para dividir o dióxido de carbono, na biomassa e na água. Quando os plásticos degradáveis dividem-se em moléculas menores, eventualmente será pequeno o bastante para serem consumidos por micro-organismos e é assim que a biodegradação ocorre. Essencialmente então, todas as películas degradaveis biodegradarão eventualmente, mas em velocidades muito diferentes.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Opções especiais disponíveis sacos biodegradáveis/degradáveis


Sacos biodegradável-degradáveis lisos: Sacos padrão chamados frequentemente por sacos lisos. É de o uso geral.

Sacos biodegradável-degradáveis de Gussetted: Os sacos de plástico com lados inferiores e expansíveis cabidos (reforço) dão forma a forma de seu produto.

Sacos biodegradável-degradáveis perfurados: Os sacos perfurados têm uma perfuração para um fácil rasgar.

Sacos biodegradável-degradáveis com auto-selo liso, fechamento de bloqueio que pode ser usado repetidamente. Ideal para fixar índices e evitar o escapamento ou a contaminação, sem nenhuma necessidade de calor - selagem.

Sacos biodegradável-degradáveis com auto-selo liso que são usados para a identificação, codificação etc. fácil de etiquetar índices usando um marcador, ou o lápis.

Sacos biodegradável-degradáveis de espécimes vêm com o malote exterior para cartões gravados. Ideal para o uso nos hospitais, laboratórios médicos transferir com segurança espécimes e documento.

Sacos biodegradável-degradáveis de solda (inferior): Os sacos com solda na extremidade são soldados geralmente na parte inferior. A solda inferior oferece a força adicional para uns artigos mais pesados da embalagem.

Sacos biodegradável-degradáveis da solda lateral: Quando os sacos soldados na l lateral dos sacos. Os sacos laterais da solda são ideais para materiais mais claros de empacotamento tais como cartões/envelopes.

Fonte:http://www.packagingknowledge.com

domingo, 25 de janeiro de 2009

As grandes empresas produtoras de plásticos e o bioplástico

As grandes empresas produtoras de plásticos estão percebendo o crescimento do mercado de bioplástico e estão investindo nesta nova tecnologia, um exemplo disto é o grupo francês SPHERE, número 1 do mercado europeu da embalagem de produtos alimentares e descartáveis. O Grupo SPHERE ocupa posições de primeiro plano nos mercados da grande distribuição, em autarquias locais e das empresas e serviços. Fundada em 1976, o grupo SPHERE durante décadas tornou-se uma empresa líder no seu setor colocando o cliente no meio das suas preocupações e propondo-lhe produtos e serviços sempre mais inovadores. O Grupo SPHERE transforma, elabora e comercializa produtos como: os sacos descartáveis, saquinhos para congelados, sacos para frutos e legumes, filmes alimentares, papéis para cozedura, barquettes e folhas de alumínio. Confrontado o problema da rarefação do petróleo e os custos adicionais que resultam, e sensibilizando-se ao seu impacto na deterioração do meio ambiente, o grupo SPHERE orienta-se para uma nova estratégia industrial: produzir matérias primas vegetais e renováveis e produzir bioplásticos.O ano de2006 marca um momento decisivo na estratégia industrial do grupo com o fabrico de materiais biodegradáveis procedentes de matérias primas renováveis. O lançamento de Alfapac 100% biodegradável, uma gama completa de sacos de lixo e sacos descartáveis verdes dá o tom desta nova estratégia.

Fonte: http://www.sphere.eu

sábado, 24 de janeiro de 2009

NATISS: a natureza para soluções inovadoras e duraveis

Criado em 2002 para valorizar os agrorecursos locais, o centro R&D NATISS especializou-se no desenvolvimento de bioplásticos, plásticos de origem renováveis (ou igualmente chamados “biobaseados” em alternativa aos plásticos tradicionais “pétrobaseados”) e biodegradáveis. A fim de oferecer soluções totalmente inovadoras e duradouras, a NATISS especializou-se rapidamente no domínio da biotecnologia. Esta tecnologia inicialmente desenvolvida pela NATISS, era para produzir bioplásticos. Hoje, os domínios de aplicações são muito mais vastos e em diversos setores como: o farmacêutico, o alimentar, o de cosméticos, o saneamento das águas e solos,… Por último, para que a oferta de serviços estivesse completa, a equipe adquiriu um controle dos fenômenos ligados ao fim de vida: envelhecimento, desintegração, degradabilidade controlada, ecotoxicidade,… Por tratar-se de análises pontuais, normalizadas ou não (ISO 17025), ou de trabalhos de investigação. Estas atividades são agrupadas sob a denominação genérica BIODEGRADAÇÃO.
Especializado então no domínio dos bioprodutos e matérias biológicas, NATISS uma empresa Belga é o único centro de Investigação & Desenvolvimento do qual a avaliação é reconhecida para cobrir a globalidade do ciclo de vida dos produtos. A missão da empresa NATISS consiste em:

-Substituir a origem do produto com utilização de matérias primas biológicas renováveis (em vez do petróleo).

- Substituir os produtos por outros biodegradáveis, não tóxicos.

Além disso, NATISS focaliza as suas atividades sobre o desenvolvimento de métodos de fabricos mais “duradouros”, graça notadamente à biotecnologia, em alternativa total ou parcial a química tradicional, facilmente transferível sobre equipamentos industriais.

Fonte:http://www.natiss.be/fr

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

As empresas Cosun e Avantium anunciaram projeto em conjunto para a produção de uma nova geração de bioplástico e de combustíveis biológicos.


As empresas Cosun e Avantium anunciaram ontem o inicio de um projeto em conjunto para desenvolver um processo específico para a produção de uma nova geração de bioplástico e de combustíveis biológicos de fontes orgânicas selecionadas. Este bioplásticos e combustíveis biológicos receberão a denominação de “Furanics”. Dentro desta parceria, a empresa Cosun centrar-se-á sobre a seleção, o isolamento e a purificação de componentes apropriados das fontes agrícolas. Enquanto que a empresa Avantium continuará a centrar-se sobre o desenvolvimento de um processo de produção eficiente, quimicamente catalisado. A duração da primeira fase da colaboração será aproximadamente dois anos. Com resultados positivos, as companhias pretendem aperfeiçoar a tecnologia de produção executam-na na escala comercial. A parceria entre Cosun e Avantium combina o conhecimento e a perícia complementares de dois setores econômicos holandeses importantes para conseguir novos produtos, sustentáveis e processos baseados na biomassa. Tom camionete Aken, um dos diretores da Avantium: “Nossa colaboração com ajustes reais da Cosun encaixou perfeitamente com nossa estratégia para produzir Furanics das matérias-primas que não competem com a cadeia alimentar. Com esta aproximação, nós distinguimo-nos claramente dos processos de produção existentes do bioplástico e dos combustíveis biológicos. Colaborando com o Cosun, nós acedemos às fontes orgânicas e à técnica comprovada da Cosun em processar os produtos agrícolas.” Por vários anos, Avantium tem desenvolvido “Furanics”, uma nova geração de bioplásticos e combustíveis biológicos. Furanics pode ser produzido da biomassa tal como açúcares e outros hidratos de carbono. O bioplástico Furanics da Avantium pode ser produzido de forma mais barata que os plásticos e do que biocombustiveis e tem propriedades atrativas como o potencial de substituir plásticos tradicionais em muitas aplicações existentes. O programa do combustível biológico Furanics da Avantium aponta desenvolver uma nova geração de combustíveis biológicos com propriedades excelentes (tais como a densidade e capacidade de se misturar de alta energia com combustíveis convencionais) e custos de fabricação competitivo. Furanics é um composto hetero aromático derivado de um intermediário químico, hidroximethilfurfural. É uma alternativa sustentável para materiais e combustíveis que são produzidos atualmente do óleo cru.

Fonte:http://biopol.free.fr

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Sacolas biodegradáveis

Em uma outra postagem, foram mostrados os efeitos prejudiciais do uso de sacolas produzidas por matérias-primas derivadas do petróleo. Produzidas a partir da fécula de milho, um substituto natural das sacolas tradicionais ajudam a eliminar os sacos de plástico regular de nosso ambiente. Quando utilizado, as sacolas biodegradarão tão naturalmente quanto os restos de alimento, não gerando nenhum resíduo prejudicial.

Principais benefícios das sacolas biodegradáveis certificadas:

1). 100% biodegradável e compostavel.
2). Nenhum polietileno é usado no processo de produção.
3). Naturalmente, os sacos feitos do milho em vez do polietileno são um avanço para a tecnologia ambiental.
4). As tintas e as tinturas são certificadas com uso restrito dos metais pesados.
5). Elas Decompõem em um ambiente adubado controlado em 10-45 dias, não deixando nenhum resíduo prejudicial atrás.
6)Além dos fatores ambientais citados, encontra-se um substituto renovável para produtos derivados do petróleo, possibilitando uma mudança gradativa na matriz energética mundial.


Fonte: Margha Nostra

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Bioplástico produzido a partir dos resíduos da beterraba açucareira e do bagaço da cana-de-açúcar

Uma empresa italiana de Biotecnologia chamada Bio-Em, está colocando no mercado de bioplástico um processo que produz bioplástico baseados no ácido polilactico (PLA) dos resíduos da beterraba açucareira e da cana-de-açúcar com uma eficiência reivindicada de 95%, os resíduos do processo de produção de açúcar transformam-se em recursos valiosos que podem ser convertidos quase em sua totalidade em um produto útil. A polpa da beterraba açucareira, um dos mantimentos principais, é usada geralmente como alimentação animal. Do mesmo modo, o bagaço da cana-de-açúcar tem um valor relativamente baixo e estão abundantemente disponíveis. O bioplástico baseado em PLA é produzido atualmente quase exclusivamente do milho e de amido de outros grãos. Mas dado que os preços para estes mantimentos se mantêm elevado por causa de seu uso na produção de álcool etílico, a utilização de matérias-primas novas transforma-se em uma proposta atrativa. A produção de açúcar, ao contrário, ultrapassa a demanda. Brasil e Índia aumentaram suas colheitas, e os preços do açúcar declinaram na UE. O processo de produção reduziria custos da energia e como é baseado em uma estratégia do multi-mantimento, reduziria os custos das matérias – primas, que seria substancialmente mais baixo do que aqueles para a produção tradicional do PLA. Uma primeira escala de produtos a ser fabricados pela Bio-Em é uma escala de plásticos biodegradáveis com os retardadores naturais a serem usados em aplicações automotrizes. O planejamento da planta de produção é completamente significativa na Plástico Valley' na Bolonha, com a produção estimada de 10.000 toneladas. A empresa prevê um futuro brilhante na Itália. Nos últimos anos uma série de leis e de políticas começou a entrar em vigor para restringir o uso de sacos de plástico baseados em derivados de petróleo e de outros produtos inteiramente em 2010.

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Em Santa Catarina:sacolas de plástico derivado de petróleo nunca mais.

Não foi preciso ninguém obrigar. O empurrãozinho veio do MPSC - Ministério Público de Santa Catarina - que firmou, no ano passado, um acordo com a ACATS - Associação Catarinense de Supermercados – para incentivar os supermercadistas a abandonar as sacolas plásticas. Não é obrigatório aderir, mas muita gente se entusiasmou.Por meio do Termo de Ajustamento de Conduta, também ideia do MPSC, cada promotoria de cada comarca do estado pode propor para os comerciantes de sua área que troque as tradicionais embalagens por opções ecologicamente corretas. Novamente, só assina quem quer – e só é penalizando quem se compromete e não cumpre – mas, burocracias à parte, as atitudes sustentáveis se espalharam por SC.Por iniciativa própria, 25 supermercados de Xanxerê, cidade da região Oeste do estado, se uniram para abolir as sacolas de plástico em suas redes.
A intenção é que todo o município faça uso apenas de sacolas retornáveis, que já estão à venda - o que deve acontecer, efetivamente, em abril.Até 31 de março, as empresas irão oferecer as sacolas de plástico para seus clientes, mas, a partir dessa data, quem precisar fazer uso das ultrapassadas e poluidoras sacolinhas terá de pagar por elas.Por isso, os estabelecimentos aconselham que os clientes tenham uma opção ecológica guardada dentro do carro ou da bolsa. A atitude é um pé no freio dos maus hábitos de consumo que geram excesso de lixo e, nesse caso, um entulho que leva mais de 400 anos para se decompor.Medidas semelhantes têm sido adotadas em outros locais do estado, onde a ACATS estimula os empresários do setor a abandonarem as sacolas vilãs. Uma delas foi a distribuição de mais de 2 mil sacolas retornáveis nas duas unidades instaladas de um supermercado de Florianópolis para clientes que somassem mais de 500 pontos do cartão da empresa. Além de bonitas, elas agüentam o peso de dez quilos e, quando dobradas, têm dimensões um pouco maiores do que um cartão de crédito.Há quem recolha sacolas de plástico, quem promova palestras de conscientização para funcionários, treinamento de equipe, comercialize sacolas renováveis e até faça pequenas manifestações no próprio estabelecimento mostrando na porta de entrada um carrinho com 880 sacolas plásticas, número que, segundo a empresa, representa o consumo anual de sacos por pessoa.
...Vale lembrar que o uso de sacolas feitas de bioplástico, também é uma excelente opção, tanto do ponto de vista ambiental, quanto do econômico,haja vista que o Desenvolvimento Sustentável, inicia-se com o uso de recursos oriundos de fontes renovaveis.

domingo, 18 de janeiro de 2009

Biopolimero INGEO

As propriedades do biopolimero Ingeo™ fazem-lhe útil para uma larga escala de aplicações para empacotamento que incluem; películas, recipientes termoformados rígidos de alimento e de bebida, papéis revestidos e outras aplicações para empacotamento. Acoplado com seus atributos ambientais originais, é o único material de empacotamento com emissões de gases de efeito estufa significativamente reduzidas, com um bom desempenho e com benefícios ambientais.
Fonte:http://natureworksllc.com

sábado, 17 de janeiro de 2009

Empresa incubada em São Carlos produz bioplástico


Substituir o petróleo pela batata, cana-de-açúcar, milho ou mandioca na produção de sacos de supermercado, sacos de lixo, bandejas, cestos, vasos de flores, tubos para reflorestamento. Um sonho concretizado para os defensores dos produtos biodegradáveis. É o bioplástico, uma matéria-prima desenvolvida a partir do amido e dos resíduos desses produtos.
O responsável pela produção da matéria-prima é o engenheiro de materiais, João Carlos Godoy, sócio da empresa Biomater Eco-Materiais Ltda, de São Carlos, interior de São Paulo. A empresa atualmente estaincubada no Cedin-Fiesp, na cidade de São Carlos, interior de São Paulo, e tem parceria com a Universidade de São Paulo, a Universidade Federal de São Carlos e outras instituições e empresas.
Atua na pesquisa edesenvolvimento para produção de bioplásticos, integrando a cadeia produtiva agrícola dentro do conceito de "Biorefinaria" para produção de insumos como os amidos termoplásticos (TPS), envolvendo a participação efetiva de agricultores na criação dessas agroindústrias (plantas para produção de biomateriais).
Antes da Biomater, Godoy desenvolveu uma empresa de engenharia de materiais. O negócio era tão bom que foi comprado por uma multinacional.
De volta a universidade, pesquisou a produção de polímeros de fontes renováveis. Com recursos próprios e financiamentos da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), os primeiros produtos foram lançados em 2007. No ano de 2008, durante a 4ª ExpoSustentat, Godoy mostrou a possibilidade das sacolas “plásticas” biodegradáveis.
“O mercado orgânico foi o grande incentivador dos plásticos biodegradáveis na Europa porque o consumidor orgânico vê com desconfiança as embalagens convencionais”, diz. Segundo o empresário, existem no mundo 120 empresas produzindo bioplástico. No Brasil, existem apenas cinco.
Além do milho, da mandioca, da cana e da batata, existem muitas outras culturas promissoras para a fabricação do bioplástico, como o girassol e o tabaco. Por mês, a Biomater produz 20 toneladas de matéria-prima. “O Brasil produz 6 milhões de toneladas de plástico e o mundo 200 milhões de toneladas por ano. Por isso, o mercado do bioplástico deverá crescer muito nos próximos anos”.
O engenheiro agora está em busca de investidores e parceiros agrícolas para construir fábricas do bioplástico em diversas regiões do país, com ênfase nas culturas locais, como a mandioca no Nordeste, a batata em Goiás ou a cana na região Sudeste.
Godoy pretende também começar a exportar o produto. Para tanto, já fez uma parceria com uma empresa holandesa, a Rodenburg Biopolymers para estabelecer os canais de exportação. “O nosso bioplástico é muito mais barato do que o fabricado na Europa”. A Rodenburg produz 50 mil toneladas de bioplástico por ano.
No Brasil, os primeiros produtos já estão sendo comercializados em floriculturas e pequenas lojas. Algumas empresas já estão adotando as “sacolinhas” biodegradáveis. De acordo com o empresário, o produto é mais caro que o convencional porque a matéria-prima é mais cara. “O que ameniza um pouco o preço é que, apesar de o processo de fabricação ser muito semelhante ao plástico, o bioplástico gasta 50% menos energia elétrica.
Godoy acredita que já há muita gente interessada em desenvolver o bioplástico em uma escala comercial maior e, quando isso acontecer, chamará a atenção do governo brasileiro. “No mundo, o bioplástico é uma matriz que tem incentivos governamentais porque economiza petróleo. No Brasil, algum dia isso também vai acontecer”.

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

A subsidiária da Canon anunciou no final do ano de 2008 que começará a usar um composto de bioplástico no início de 2009.


A subsidiária dos Estados Unidos da Amércia do Norte da Canon anunciou no final do ano de 2008 que começará a usar um composto bioplástico nos painéis exteriores em alguns de seus equipamentos de escritório multifuncionais, no inicio de 2009 A companhia estará usando um composto chamado Ecodear, desenvolvido juntamente com as indústrias Toray do Japão, este novo composto é baseado no ácido polilatico (PLA). Contendo mais de 25% de PLA, o novo composto, deve ser o primeiro a possuir a classificação 5V de exigência de acordo com o programa de teste da inflamabilidade do UL 94.O composto Ecodear possui boa resistência ao calor e ao impacto e é facilmente moldavel.A Canon informou que suas plantas industriais iniciais irão usar a resina para produzir os painéis exteriores e alguns componentes internos em seus sistemas de escritório multifuncionais. A empresa pretende usar todos os anos ao redor de 100 toneladas do novo composto. O que impulsionou a Canon utilizar a resina de bioplástico é reduzir emissões de CO2. A companhia estima que ao substituir plásticos convencionais com o composto de Ecodear conduzirá a uma redução em emissões de CO2 de aproximadamente 20%. O padrão do UL 94 para a inflamabilidade de materiais plásticos para partes nos dispositivos específicos, possui cinco classificações para os materiais usados na fabricação e nas peças estruturais. Onde o 5V é o mais severo, variando com V-0, V-1 e V-2 , que são mais brandos.

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

Biotecnologia transforma açúcar em acrílico

Imagem: Helmholtz

Açúcares, álcoois e ácidos graxos são materiais facilmente relacionáveis a áreas como nutrição e alimentação. Mas o Dr. Thore Rohwerder, da Universidade de Duisburg-Essen, na Alemanha, pretende colocar esses biomateriais na agenda da indústria de plásticos.

Bioplásticos

Ele e sua equipe descobriram uma enzima que pode ser utilizada como um precursor biotecnológico - uma matéria-prima intermediária de origem biológica - para a fabricação do polimetil metacrilato, mais conhecido como acrílico.Em comparação com os processos atuais adotados pela indústria química, a nova rota biotecnológica é muito mais ambientalmente benigna.A nova enzima, chamada mutase 2-hidroxi-isobutiril-CoA torna possível transformar uma estrutura linear de carbono C4 em uma estrutura precursora do acrílico. Hoje a indústria utiliza compostos derivados do petróleo.Mas o aspecto realmente revolucionário da descoberta é que a nova enzima, integrada metabolicamente em microorganismos apropriados, pode também transformar açúcares e outros compostos naturais nesse composto intermediário necessário à produção do acrílico e outros tipos de plásticos.Até hoje, a única forma de produzir esses compostos precursores era através de processos puramente químicos baseados em matérias-primas petroquímicas.

Planta piloto

Os pesquisadores esperam conquistar uma fatia de pelo menos 10 por cento da produção mundial de acrílico, estimado em 3 milhões de toneladas anuais.Antes disso, porém, eles terão que adaptar o processo biotecnológico, levando-o do laboratório para a escala industrial. Uma planta piloto foi montada para essa tarefa, e o trabalho deverá estar concluído em cerca de três anos.

quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

Cadeira de Bioplastico:Projeto desenvolvido pelo National Laboratory for Sustainable Energy da Finlândia.


Dentre os produtos que podem ser fabricados com bioplástico temos também um que ao longo dos anos é utilizado tanto na cozinha ou em sala de reuniões, ou outros locais de uso comum, este produto é a cadeira.O projeto desenvolvido pelo National Laboratory for Sustainable Energy da Finlândia, consiste em uma cadeira produzida em bioplástico reforçado com fibra de linho. É igualmente possível produzir o bioplástico para esta cadeira de outras plantas como batatas ou mandioca. As matérias-primas são caracterizadas com CO2 neutro e disponível em grandes quantidades. Este novo produto é ainda um pouco mais caro do que materiais tipicamente aplicados na mobília, mas o preço está caindo e esperasse alcançar o mesmo nível dos preços em curto período de tempo. Será possível produzir a mobília com o material novo a preços competitivos com produtos similares, porque o processo de produção é simples e conseqüentemente econômico. A cadeira é produzida em duas etapas: primeiramente é produzida uma carcaça e então é feito o corte das bordas. Quando a cadeira sai do molde, a superfície está terminada. A base é feita de metal. Não precisa ser envernizada, pintado ou ter a superfície tratada de outra maneira. A superfície é aprova de água e a sujeira, e pode ser revestida com uma superfície brilhante e em todas as cores e padrões. Assim você aprecia o projeto e o conforto oferecido por esta cadeira sem se preocupar com a poluição do meio ambiente.

Fonte:http://www.risoe.dk

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Canudinho de bebidas produzidos com bioplástico.


Apresentamos neste nosso espaço vários produtos feitos de bioplástico, agora apresentaremos um que é muito utilizado pelos jovens e crianças em todas as épocas - o canudinho de bebidas. O canudinho de bebidas Vegware é feito de ácido polilactico (PLA), produzido a base de amido de milho e de outros amidos naturais tais como o trigo, e é ideal para bebidas até 50°C. Feito do amido natural 100% compostable luz e forte seguro e atóxico aperfeiçoado para bebidas frias até 50°C. Os canudos têm um revestimento liso e são tão claros e fortes quanto suas contrapartes feitas de plásticos tradicionais, com a vantagem de serem produzidos com recursos renováveis, são inteiramente compostaveis e geram pouco gás de estufa durante a sua produção.

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Prancha de surf com bioplástico

Para quem é praticante de esporte, uma opção excelente é apresentada na indústria em favor do meio ambiente - uma prancha de surfe ecologicamente correta produzida pela empresa Greenlight Surfboard Supply–. Ela traz alternativas às pranchas tradicionais tóxicas, pois incluem menos espuma tóxica de EPS (um pouco do poliuretano tradicional), com longarinas de bambu, plugues de bioplástico, aletas,caixas da aleta e tela de estratificação de bambu - basicamente os materiais da produção da prancha são substituídos por opções ecológicas. A espuma do EPS não é perfeita, mas é muito melhor do que o poliuretano, e estão trabalhando em bio-resinas para substituir as tradicionais. Para permanecer consistente, a empresa tem “uma filosofia verde mínima” por meio do qual as sobras da espuma do EPS são recicladas, a poeira do bambu de suas longarinas e as aletas tem reúso com um espessador da cola Epoxy. Além disso, a empresa busca reduzir o uso de combustível, o escritório procura não utilizar papel e possui ainda uma planta solar e gerador movimento a vento para a fábrica!

tradução livre

domingo, 11 de janeiro de 2009

Brinquedos produzidos com bioplástico

A Cereplast Inc. , fabricante de plásticos sustentáveis bio-baseados, anunciou que começou a fornecer bioresinas para uma nova linha de brinquedos a favor do meio ambiente desenvolvido pela empresa Cadaco, uma das mais antigas empresas independentes na produção de brinquedos nos Estados Unidos. Trata-se do Enviro-BLOX™ lançado na feira de brinquedos manufaturados dos Estados Unidos no ano de 2008. Os produtos feitos com resina da Cereplast Compostables® são substitutos renováveis, para o plástico baseado no petróleo, fabricados com materiais bio-baseados originários dos amidos de milho, do trigo, da mandioca e da batata. Nós estamos muito satisfeitos com a parceria com a Cadaco e com muitas novas aplicações para nossa família de Compostables® em resinas,” disse Frederic Scheer, presidente ds Cereplast. “Nós estamos vendo cada vez mais fabricantes produzindo objetos com alternativas ambientais seguras aos produtos plásticos baseados em petróleo.” “Enviro-BLOX™ é parte do compromisso da Cadaco em criar brinquedos jogos seguros para crianças e para o ambiente também,” disse John Lindsay, presidente de Cadaco. “As bioresinas da Cereplast forneceram-nos uma maneira de criar ferramentas originais para complementar uma opção totalmente verde para brinquedos sem sacrificar alguns brinquedos clássicos que as crianças se divertimento e amam tanto.” completou Jhon.

EnviroBLOX é um brinquedo para construção de objetos. Nenhuma colagem ou ímã é necessário, simplesmente são umedecidos os blocos com uma esponja e eles se juntam como mágica. Criam-se todos os tipos de projetos para divertimento; as oportunidades são infinitas. Cada jogo contem um livro com sugestões para construir projetos

O melhor de tudo, no entanto é que o EnviroBLOX contem os seguintes benefícios ao cliente:
- Somente são usadas substâncias corantes para alimentos –atoxivas
- São elaborados de amido de milho; um brinquedo muito VERDE!
- Nenhuma colagem é necessária.
- Dissolve-se na água corrente como o gelo.
- Nenhuma necessidade de jogar no lixo.



Tradução Livre

Fonte:http://www.cereplast.com

http://www.cadaco.com/

sábado, 10 de janeiro de 2009

Caixas de CD/DVD são produzidas com bioplástico a partir do arroz

Há inúmeros objetos e atos da rotina diária que influenciam no meio ambiente. Mesmo as coisas pequenas podem contribuir muito para a diminuição de emissões de carbono. As caixas de CD/DVD são exemplos delas. Como gradativamente o plástico baseado em petróleo vem sendo substituído por plástico bio baseados, um dos usos dos bioplásticos são caixas para colocar CD/DVD. Aqui nós estamos falando sobre plástico produzido a partir de arroz e resina, que emite 10% a menos da pegada de carbono comparada a os plásticos convencionais. É produzido por quatro companhias, Agri Future Joetsu, Biomass Technology, Nakatani Sangyo e Otoginomori que são responsáveis pela fabricação e venda dos produtos. São esperados para entrar no mercado em janeiro ou em fevereiro deste ano. Apesar de se ter apenas 10% da redução de carbono e os custos de gastos de fabricação serem muito mais elevada do que o custo de outras caixas de CD/DVD este produto é bastante interessante.

Tradução Livre

sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

Identificando os bioplásticos

Os bioplástico também chamados plásticos verdes, são os plásticos que são biodegradáveis e são feitos geralmente na maior parte ou inteiramente de recursos renováveis. Freqüentemente há igualmente um foco no processamento a favor do meio ambiente. Os bioplásticos são o foco de uma indústria emergente centrada sobre a vida com a estabilidade ambiental. Como todos os plásticos, o bioplástico é composto de um polímero, combinado com os plastificante e os aditivos, e processado usando a extrusão ou termofusão. O que faz o “verde dos plásticos" são uma ou várias das seguintes propriedades:
- são biodegradáveis.
- são feitos de ingredientes renováveis.
- têm o processamento a favor do meio ambiente.
Os compostos diferentes podem satisfazer alguns ou todos estes critérios em graus diferentes, pois há diferentes graus de plásticos verdes. Para avaliar como "verde" um material plástico, você precisa fazer três perguntas:
- Com que rapidez o plástico é reintegrado ao meio ambiente depois que é usado ou não?
-Com que rapidez os ingredientes que entram na composição do plástico são criados no meio ambiente?
-Quanta poluição ou desperdício são criados durante o processo de produção do plástico?
Os plásticos tradicionais falham em todos os três pontos
.

quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

Earth Renewable Technologies:um dos lideres em pesquisa e inovações tecnológicas com bioplástico.

Os frascos ecologicamente corretos feitos quase inteiramente de plantas logo estarão aparecendo nas prateleiras de muitas lojas com os produtos da “EarthBottle”. Serão seguidos por alimentos e por produtos farmacêuticos, funcionais e de cuidado do corpo. A fórmula combinada de resina é a idéia de Danny Roberts da universidade de Clemson, vice-presidente de pesquisa e assistente de serviço público e agricultura, e David Gangemi, diretor do Institute for Nutraceutical Research. Estes frascos naturais de polímero-fibra são recicláveis e biodegradáveis, bio baseados e mais fortes e mais duráveis do que a maioria dos outros frascos. Os materiais têm o potencial de substituir o plástico para as peças automotrizes, telas agriculturais, industriais e partes biomédicas, entre outras aplicações. As fibras naturais são combinadas com o ácido polilactico, e substâncias provenientes do milho. Os frascos são elaborados por processos de fundir com moldes de injeção. Os agentes Inibidores ricos em antioxidantes naturais e em propriedades antimicrobiais são adicionados para proteger os produtos dentro dos frascos. “O conceito do EarthBottle é similar àquele do tecido usado na engenharia biomédica e a medicina regenerativa,” disse Gangemi. “Ambos os produtos utilizam substâncias orgânicas para criar um recipiente que seja biodegradável e tenha as propriedades físicas, químicas e antimicrobiais necessários para um uso específico. Nenhum produto tem necessidade para uma dependência de fontes de petróleo ou de hidrocarbonetos.” Os esforços para licenciar a aplicação da tecnologia da EarthBottle foram desenvolvidos em colaboração com Gaia Ervas Inc., um cultivador orgânico certificado e o fabricante dos suplementos dietéticos botânicos baseados em Brevard, N.C. Gaia está lançando sua linha de ChiaFresh de produtos antioxidantes da fibra da chia com EarthBottles na ExpoEast em Boston nos meados de outubro. As ervas de Gaia são o patrocinador da pesquisa e o colaborador da EarthBottles juntamente com Roberts e Gangemi. “Nós estamos ansiosos sobre as possibilidades deste produto,” disse John Kelly, vice-presidente do serviço público e de agricultura da universidade de Clemson. “Os pesquisadores demonstraram como a faculdade criadora da universidade de Clemson conduz à reunião ambiental e aos desafios do mercado.”

Tradução livre

Fonte:http://www.clemson.edu

quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Video demonstrando como fazer bioplástico de batata - em inglês

video

terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Indústrias Biosphere:traz uma nova classe de produtos de empacotamento biodegradáveis sustentáveis ao mercado.

Em 2006, as indústrias Biosphere™ juntou forças com a empresa “Sealed Air Corporation”, um líder mundial em películas e produtos para empacotamento, como sócio de um empreendimento misto para trazer uma nova classe de produtos de empacotamento biodegradáveis sustentáveis ao mercado. Sua linha de produtos Renew-a-Pak é uma novidade disponível no mercado, com elevado desempenho, em termos de sistemas de empacotamento bio-baseados. O processo realizado pela empresa não converte o amido em plástico, mas o coze similar ao processo de fazer waffles ou casquinhas de sorvete. As indústrias Biosphere™ aperfeiçoaram com sucesso esta tecnologia para manufaturar os produtos de empacotamento contrário a outros produtos existentes no mercado mundial.
Suas matérias-prima foram projetadas exclusivamente para serem feitas dos amidos da mandioca e de batatas e uma porcentagem menor das fibras de grama que as tornam não somente biodegradáveis, mas ecologicamente correta, usando na maior parte matérias-primas anualmente colhidas. As linhas de produtos de empacotamento podem ser usadas para congelamento e usadas em microondas. Foram projetadas formas de empacotamento com tamanhos, cores e aromas feitos sob encomenda.

segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

Discover Serviços Financeiros lançou um novo cartão biodegradável

Discover Serviços Financeiros lançou um novo cartão biodegradável feito de PVC no mês de dezembro de 2008. Este bioplástico permite uma degrabilidade de 99% do cartão de crédito quando expostos as condições de degrabilidade e compostagem. O cartão de plástico dará início a sua degrabilidade/compostabilidade no solo, água, composto ou onde quer que os microrganismos estejam presentes; com ele plenamente degradado no prazo de cinco anos. O novo Discover bio-cartão será o primeiro cartão de crédito biodegradável no mercado.

domingo, 4 de janeiro de 2009

Video de como fazer bioplástico em casa - em inglês

video

sábado, 3 de janeiro de 2009

A história do Bioplástico

O uso de polímeros naturais não é inteiramente uma idéia nova. De uma ou de outra forma, os plásticos verdes estiveram na sociedade humana por muito tempo. Resinas como o âmbar, o shellac, e o ornato dórico - percha - foram mencionados ao longo da História, incluindo durante as épocas romanas e a Idade Média. Os nativos americanos desenvolveram refinadas técnicas para fazer conchas e colheres dos chifres animais muito antes que houvesse todo o contato europeu. Na Europa, as caixas moldadas de jóias e do pó para inalações eram populares no século XVIII.

Ano de 1800

A comercialização significativa do bioplástico começou somente no meio do século IXX. O inventor americano, John Wesley Hyatt, Jr., procurava um substituto para o marfim na manufatura de bolas de bilhar, e em 1869 patenteou um derivado da celulose para bolas de bilhar. Essa tentativa, entretanto, foi afetada pela sua inflamabilidade; as esferas foram inflamadas ocasionalmente quando charutos acesos entraram acidentalmente em contato com elas. Hyatt continuou a trabalhar no projeto e desenvolveu logo a celulóide, o primeiro plástico amplamente utilizado, agora conhecido mais extensamente para seu uso na película fotográfica e de filmes.

Ano de 1900

A história dos plásticos mudou dramàticamente nos anos 1900 em diante, porque o petróleo emergia como uma fonte de combustível e de produtos químicos. O bioplástico foi substituído simplesmente pelos plásticos feitos de polímeros sintéticos. A Segunda guerra mundial trouxe um grande aumento na produção dos plásticos, um crescimento que continue até hoje.

Ano de 1920

Nos anos 20 Henry Ford experimentou derivados de soja na manufatura dos automóveis. Ford era em parte motivado por um desejo de encontrar pedidos para os excessos agriculturais, que existiam então. Os plásticos de soja foram usados para um número crescente de peças de automóvel, como as rodas de direção, a guarnição interior, e os painéis. Finalmente Ford deu sinal verde para produzir um protótipo completo feito de plástico. Ford, um mestre em gerar a publicidade, exibiu o protótipo com grande fanfarra em 1941, mas no final do ano já não produzia o “carro de plástico”, provavelmente por uma variedade de razões. A segunda guerra mundial mudou as coisas: a produção de armamento tomou o precedente sobre quase tudo mais, e as faltas de aço limitaram toda a produção de produtos que não eram para a guerra. Hoje as peças de automóvel plásticas são comuns, mas o uso dos plásticos feitos das matérias-primas renováveis começou há pouco.

Ano de 1960

Um bioplástico bem conhecido que sobreviveu ao crescimento da indústria de plásticos sintética é o celofane, um material de folha derivado da celulose. Embora a sua produção iniciasse nos anos 60 é usada ainda hoje no empacotamento de doces, em cigarros, e em outros artigos.

Ano de 2000 até hoje

A demanda para materiais como plásticos está crescendo e não será diminuída continuamente. Hoje, a indústria de plásticos é um componente importante de nossa economia: A indústria de plásticos dos Estados Unidos inclui 20.000 empresas que produzem ou distribuem materiais ou produtos, empregando 1.5 milhões de trabalhadores, com um lucro de $300 bilhões todos os anos. O valor da indústria de plásticos, entretanto, é um motivo de preocupação. As diminuições dos recursos naturais (petróleo) têm levado a redescobrir polímeros naturais para uso como matérias-primas para a indústria. Em conseqüência, está aumentando o interesse na promessa de uma geração nova de plásticos verdes.


Fonte:Green plastics

sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

Biop Biopolymer Technologies:Amigável por Natureza

O BIOPAR® é um biopolimero baseado no amido da batata com a capacidade de 100% de biodegradabilidade no ambiente – segundo o DIN13432 - pela ajuda de micro organismo atuando neste ambiente. BIOPAR® não usa o amido predestinado para a cadeia alimentar do ser humano e nem do animal. O amido usado vem de um amido vindo do produto da batata especial. Este é geralmente uma batata não comestível. Este amido particular encontra seu uso já há décadas no papel, matéria têxtil, lubrificantes para a perfuração na exploração de petróleo, cola, e pinturas de parede etc.. BIOPAR® pode ser usado produzindo os produtos feitos tipicamente fora do polietileno - PE, LLDPE, LDPE, HDPE ou Polipropileno - PP ou PVC. Pode ser processado nas mesmas linhas de produção, exige, entretanto menos de 2/3 de energia do que os plásticos convencionais em temperaturas até 140C° em vez de 240C°. Os plásticos preservam a qualidade dos alimentos, mantêm a sujeira ausente e impedem as contaminações de muitos produtos. Os efeitos secundários negativos - o dano conseqüente ao meio ambiente do uso dos plásticos derivados de petróleo, ou as eliminações irresponsáveis dos plásticos são o foco principal do BIOPAR®.No entanto, segundo a empresa o BIOPAR® não pode impedir que as pessoas sejam irresponsáveis. BIOPAR® entretanto ajuda a eliminar todo o dano consequente causado por este comportamento irresponsável.
Tradução livre

quinta-feira, 1 de janeiro de 2009


Happy New Year,
Bonne et Heureuse année,
Feliz ano nuevo,
Feliz ano novo …
- 2009-

Share

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More